Arquivo para Coqueiro

Nenhum homem é uma ilha

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/07/2014 by Joe

Nenhum homem é uma ilha

Nestes tempos em que a violência impera por todo o planeta, em que mulheres são violentadas na Índia, crianças são bombardeadas dentro de escolas numa guerra estúpida, dezenas de conflitos dizimam populações inteiras na África, lembrei de um texto que li há alguns anos, em um blog, e resolvi republicá-lo aqui. Espero que vocês tenham o mesmo sentimento que eu tive ao ler.

By Joemir Rosa.

“Numa das preguiçosas tardes da minha adolescência, andando por uma rua do bairro de periferia em que vivia, encontrei jogado ao meio fio uma folha amarelada de caderno de desenho… Isso aconteceu há cerca de trinta anos. Mas ainda me lembro, como se fosse hoje, não sei explicar porque o fato jamais me deixou.

Na folha havia um desenho, feito em lápis de cor, com capricho de amador, uma ilha, dois coqueiros, o mar. No verso da folha, um poema de John Donne, poeta inglês do século XVI:

“Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
todo homem é um pedaço do continente, uma parte da terra firme.
Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica diminuída,
como se fosse um promontório, como se fosse o solar dos teus amigos ou o teu próprio;
a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano,
e por isso não me perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti.”

Segundo o nível de consciência que tinha naquele momento, achei que era uma “cartinha de amor”, uma “prenda”, daquelas que a gente faz para agradar a quem ama. Guardei John Donne comigo pelo resto de minha vida. E quando meu amor-próprio era atingido pela insensibilidade, alheia ou pessoal, eu pensava “os sinos dobram por mim”…

E quando as antigas obras me falaram da “Alma do Mundo” eu pensava: “nenhum homem é uma ilha”… E quando o mestre Jung falava sobre o “inconsciente coletivo” e a física quântica sobre “massa crítica”, eu pensava: “a Europa fica menor se um seixo for levado”… Os anos vão passando e não me canso de encontrar sabedoria neste poema; e hoje penso que, enquanto não entendermos que “a morte de qualquer homem me diminui”, os assassinos continuarão a nascer…

A criança maltratada na Índia é o reflexo da minha criança interior. A mulher violada no Congo é o reflexo da mulher violada por padrões sociais e preconceitos em mim. Todos nos envergonhamos quando ouvimos uma mulher contar que foi violentada, todos nos sentimos envergonhados quando lembramos da fome e dos maltratos às crianças…

Mas a nossa condição privilegiada nos dá oportunidade de transformar preconceito em acolhimento. Por toda a fome do mundo, precisamos deixar de consumir em excesso! Por todas as mulheres do mundo, precisamos parar de destruir nossos corpos com remédios para emagrecer e antidepressivos. Precisamos parar de chamarmos umas às outras de nomes chulos, que reforçam o poder do estuprador, do abusador…

Por todas as crianças do mundo, precisamos educar nossos filhos com ideais humanitários. Por toda a paz no mundo, precisamos nos desapegar de compromissos profissionais ou familiares que nos levam à infelicidade, à mentira e à guerra…

Por toda a humanidade, precisamos fazer do amor e da solidariedade nosso bem maior. Porque dentro de cada um de nós existe um ser que chora por todos nós…

Que a Deusa abençôe a todos!

By Gislaine Carvalho.

Pudim de coco com creme de ameixa

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 05/01/2013 by Joe

Pudim de coco com creme de ameixa

O coqueiro – Cocos nucifera – é um membro da família Arecaceae (família das palmeiras). Geralmente é uma árvore que pode atingir até 30 m de altura e cujas origens são passíveis de discussão.

Enquanto alguns países reclamam o Sudeste Asiático (região peninsular) como o seu local de origem, outros colocam a sua origem no nordeste da América do Sul. Registros fósseis de mais de 15 milhões de anos da Nova Zelândia indicam aí a existência de pequenas plantas similares ao coqueiro. Fósseis ainda mais antigos foram também descobertos na Índia.

Qualquer que seja a sua origem, os cocos espalharam-se através dos trópicos, em particular ao longo da linha costeira tropical. Como o seu fruto é pouco denso e flutua, a planta é espalhada prontamente pelas correntes marinhas que podem carregar os cocos a distâncias significativas. A palmeira do coco prospera em solos arenosos e salinos nas áreas com luz solar abundante e pancadas de chuva regular, o que torna a colonização da costa relativamente fácil.

Já foram encontrados cocos transportados pelo mar tão ao norte como na Noruega, em estado viável, que germinaram subsequentemente em circunstâncias apropriadas. Entretanto, nas ilhas do Havaí, o coco é considerado como introdução, trazida primeiramente às ilhas há muito tempo por viajantes polinésios de sua terra natal no Sul do Pacífico.

O coco é um fruto seco simples, cuja casca é fibrosa e existe uma espécie de “caroço” interno. O termo “coco” teve sua origem dada pelos portugueses no território asiático de Malabar, na viagem de Vasco da Gama à Índia, a partir da associação da aparência do fruto, visto da extremidade em que a casca e os três poros de germinação assemelham-se à face de um “coco”, monstro imaginário com que se assusta as crianças (papão, ogro). Do português, o termo passou ao espanhol, francês e inglês “coco”, ao italiano “cocco”, ao alemão “Kokos” e aos compostos “coconut”, inglês, e “Kokosnuss”, alemão.

Em algumas partes do mundo, macacos treinados são usados na colheita do coco. Escolas de treinamentos para macacos ainda existem no sul da Tailândia. Todos os anos são realizadas competições para identificar o mais rápido colhedor.

Todas as partes do coco, salvo talvez as raizes, são úteis e as árvores têm comparativamente um alto rendimento (até 75 cocos por ano); ele então possui significativo valor econômico. De fato, em Sânscrito, o nome para o coqueiro é “kalpa vriksha”, o qual se traduz como “a árvore que fornece todas as necessidades da vida”.

Ou seja, do coqueiro e do coco, quase tudo é aproveitado:

O branco, parte gorda da semente, é comestível (fresco) e usado (seco e dissecado) em culinária;

A cavidade é cheia de “água de coco” que contém os açúcares que são usados como uma bebida refrescante, e na composição da sobremesa gelatinosa nata de coco. A água do coco é quase idêntica ao plasma do sangue e é conhecida por ter sido usada como um líquido endovenoso de hidratação quando há uma falta de líquido próprio para transfusão de sangue. A água do coco tem teores elevados de potássio, cloreto e cálcio, e é indicada nas situações em que se pretende o aumento destes eletrólitos.

Leite de coco (que tem aproximadamente 17% de gordura) é feito processando o coco ralado com água quente, que extrai o óleo e os compostos aromáticos;

O líquido obtido da incisão da base das inflorescências do coqueiro forma uma bebida conhecida em inglês por “toddy”; nas Filipinas chamada “tuba” e em Moçambique, “sura”;

Os botões da ponta de plantas adultas são comestíveis e são conhecidos como “cabaço de coco” (embora a colheita desta mate a árvore);

O interior da ponta crescente é chamado coração-da-palma ou “palmito” e é comido em saladas, chamadas às vezes “salada do milionário” (isto também mata a árvore);

“Copra” é a carne seca da semente, usada para preparar o óleo do coco;

O resíduo que fica depois de preparar o óleo é usado como ração para animais;

O tronco fornece madeira para construção;

As folhas fornecem materiais para cestas e palha de telhado;

A casca e a fibra do coco podem ser usados para combustível e são uma fonte boa do carvão de lenha; servem ainda em artesanato;

Nos teatros, usavam-se metades de casca de coco que, batidas, davam o som de cascos de cavalo;

A fibra pode ainda ser usada para o fabrico de cordas e tapetes, para enchimento de estofos e para o cultivo de orquídeas e outras plantas;

Havaianos usam o tronco ôco para dar forma a um cilindro, que pode servir como recipiente, ou mesmo canoas pequenas.

Bom, depois desta verdadeira aula sobre o coco, nada melhor do que saboreá-lo numa sobremesa fácil de preparar e muito saborosa! Espero que gostem!

Pudim de coco com creme de ameixa

Ingredientes

Coco gif300 g de ameixa preta sem caroços
1 xícara (chá) de água
1 litro de leite
1 vidro de leite de coco
100 g de coco ralado
6 colheres (sopa) de amido de milho
1 lata de leite condensado

Modo de preparo

Em uma panela, coloque a ameixa, a água e cozinhe até ficar macia. Depois que esfriar, bata no liquidificador até formar um purê. Reserve.

No liquidificador ainda, bata bem o leite, o leite de coco, o coco ralado, o amido de milho e o leite condensado. Transfira para uma panela, leve ao fogo e cozinhe, mexendo até engrossar.

Em uma forma própria para pudim, untada com óleo, coloque o pudim de coco e vá mesclando com a pasta de ameixa. Leve à geladeira até que fique firme. Desenforme na hora de servir e decore com coco ralado.

By Joemir Rosa.

Homens e macacos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2012 by Joe

Alguns macacos estavam sentados num coqueiro, discutindo sobre coisas das quais tinham ouvido dizer. Disse um deles para os outros:

– “Há um rumor de que pode ser verdade que os seres humanos descendem da nossa nobre raça”.

Respondeu um outro:

– “Bem, essa ideia não tem nenhum fundamento! Nenhum macaco jamais desprotegeu sua fêmea ou deixou seus bebês famintos ou arruinou a vida deles”.

– “Há também uma outra coisa que nunca foi vista entre nós: macacos cercando um coqueiro e deixando os cocos apodrecerem, proibindo outros macacos de se alimentarem. Sabemos que, se a árvore fosse cercada, a fome faria outros macacos nos roubarem”.

– “Outra coisa que macacos jamais fizeram: sair à noite para roubar, usando porretes, facas ou armas, para tirar a vida de outros macacos”.

– “Sim! Se os humanos descendem dos primatas, deve ser de uma espécie muito rude. Vejam o que eles fazem com os lugares onde moram, derrubando sem dó tudo o que encontram, a sujeira que fazem e o fogo que põem nos arredores e nas matas. Sem contar os costumes estranhos que têm, jogando sujeira no ar que respiram, o que deve fazer com que fiquem muito violentos”.

– “Nós não fazemos nada disso, e quando pegam um de nós, colocam-nos atrás das grades. São ferozes mesmo!”

– “É, amigos … com certeza os humanos não descendem de nós”.

Desconheço a autoria, mas concordo plenamente! De quem será que o ser humano descende?

%d blogueiros gostam disto: