Arquivo para Conversas

Erótica é a alma

Posted in Astral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/02/2015 by Joe
Erotize sua alma
Adélia Prado certa vez escreveu: “Erótica é a alma”. Além de poética, a frase é redentora, pois alivia o peso da sensualidade a qualquer custo, a busca desenfreada pela juventude perdida, a corrida pelos últimos lançamentos da indústria cosmética.E nos autoriza a cuidar mais da alma, a viajar pro interior, a descobrir o que nos completa. Pois se os olhos são as janelas da alma, de que adianta levantar pálpebras se descortinam um olhar de súplica?

Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios…

Erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores. Porque não adianta sex-shop sem sex-appeal; bisturi por fora sem plástica por dentro; lifting, botox, laser e preenchimento facial sem cuidado com aquilo que pensa, processa e fala; retoque de raiz sem reforma de pensamento; strip-tease sem ousadia ou espontaneidade.

Querendo ou não, iremos todos envelhecer, faz parte da vida. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos, se você permitir.

O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior, tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte pra suportar.

Não tem problema cuidar do corpo. É primordial ter saúde e faz bem dar um agrado à autoestima. O perigo é ficar refém do espelho, obcecado pelo bisturi, viciado em reduzir, esticar, acrescentar, modelar – até plástica íntima andam fazendo!

Aprenda: bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio!

Vivemos a era das emergências. De repente tudo tem conserto, tudo se resolve num piscar de olhos; há varinha de condão e tarja preta pra sanar dores do corpo, alma e coração. Como canta Nando Reis, “O mundo está ao contrário e ninguém reparou…”

Desaprendemos a valorizar aquilo que é importante, o que é eterno, o que tem vocação de eternidade. E de tanto lustrar a carapaça, vivemos a “Síndrome da Maça do Amor”: brilhantes por fora e podres por dentro. O tempo tornou-se escasso, acreditamos que “perdemos tempo” quando lemos um livro inteiro, quando passamos horas com nossos filhos, quando oramos ou viajamos com a família. E nos iludimos achando que poderemos “segurar o tempo” cuidando da flacidez, esticando a pele, preenchendo espaços.

Cuide do interior. Erotize a alma. Enriqueça seu tempo com uma nova receita culinária, boas conversas, um curso de canto ou dança. Leia, medite, cultive um jardim. Sinta o sol no rosto e por um instante não se preocupe com o envelhecimento cutâneo.

Alongue-se, experimente o prazer que seu corpo ainda pode lhe proporcionar. Não se ressinta das novas dores, da pouca agilidade, dos novos vincos. Descubra, enfim, que a alegria pode rejuvenescer mais que o botox. E não se esqueça: em vez de se concentrar no lustre da maçã, trate de aproveitar o sabor que ela ainda é capaz de proporcionar…

By Fabíola Simões.

Anúncios

A marca que você deixa

Posted in Comportamento with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/11/2014 by Joe

Telefone antigo

Quando eu era criança, bem novinho, meu pai comprou o primeiro telefone da nossa vizinhança. Eu ainda me lembro daquele aparelho preto e brilhante que ficava na cômoda da sala.

Eu era muito pequeno para alcançar o telefone, mas ficava ouvindo fascinado enquanto minha mãe falava com alguém.

Então, um dia eu descobri que dentro daquele objeto maravilhoso morava uma pessoa legal. O nome dela era “Uma informação, por favor” e não havia nada que ela não soubesse.

“Uma informação, por favor” poderia fornecer qualquer número de telefone e até a hora certa. Minha primeira experiência pessoal com esse “gênio fantástico” veio num dia em que minha mãe estava fora, na casa de um vizinho.

Eu estava na garagem mexendo na caixa de ferramentas quando bati em meu dedo com um martelo. A dor era terrível mas não adiantaria chorar, já que não tinha ninguém em casa para me socorrer. Eu andava atônito pela casa, chupando o dedo dolorido, até que pensei:

– “O telefone!”

Rapidamente, fui ate o porão, peguei uma pequena escada que coloquei em frente à cômoda da sala. Subi na escada, tirei o fone do gancho e segurei firmemente junto ao ouvido. Alguém atendeu e eu disse:

“Uma informação, por favor”.

Ouvi uns dois ou três cliques e uma voz suave e nítida falou em meu ouvido:

– “Informações.”

– “Eu machuquei meu dedo…”, disse, e as lágrimas vieram facilmente, agora que eu tinha audiência.

– “A sua mãe não está em casa?”, ela perguntou.

– “Não, não tem ninguém aqui comigo agora…”, eu soluçava.

– “Está sangrando?”

– “Não”, respondi , “Eu machuquei o dedo com o martelo, mas ta doendo…”

– “Você consegue abrir o congelador?”, ela perguntou.

– “Sim”, eu respondi.

– “Então pegue um cubo de gelo e passe suavemente no seu dedo”, disse a voz.

Depois daquele dia, eu ligava para “Uma informação, por favor” por qualquer motivo. Ela me ajudou com as minhas dúvidas de geografia e me ensinou onde ficava a Filadélfia. Ela me ajudou com os exercícios de matemática. Ela me ensinou que o pequeno esquilo que eu trouxe do bosque deveria comer nozes e frutinhas.

Então, um dia, meu canário, morreu. Eu liguei para “Uma informação, por favor” e contei o ocorrido. Ela escutou e começou a falar aquelas coisas que se dizem para uma criança que está crescendo.

Mas eu estava inconsolável. Eu perguntava:

– “Por que é que os passarinhos cantam tão lindamente trazendo tanta alegria pra gente para, no fim, acabar como um monte de penas no fundo de uma gaiola?”

Ela deve ter compreendido a minha preocupação, porque acrescentou, mansamente:

– “Paul, sempre lembre que existem outros mundos onde a gente pode cantar também…”

De alguma maneira, depois disso eu me senti bem melhor. E, no outro dia, lá estava eu de novo. “Informações”, disse a voz já tão familiar.

– “Você sabe como se escreve ‘exceção’?”

Tudo isso aconteceu na minha cidade natal, ao norte do Pacifico. Quando eu tinha 9 anos, nós nos mudamos para Boston. Eu sentia muita falta da minha amiga.

“Uma informação, por favor” pertencia àquele velho aparelho telefônico preto e eu não sentia nenhuma atração pelo nosso novo aparelho telefônico branquinho que ficava na nova cômoda da nova sala.

Conforme eu crescia, as lembranças daquelas conversas infantis nunca saíam da minha memória. Frequentemente, em momentos de dúvida ou perplexidade, eu tentava recuperar o sentimento calmo de segurança que eu tinha naquele tempo.

Hoje eu entendo como ela era paciente, compreensiva e gentil ao perder tempo atendendo as ligações de um menininho.

Alguns anos depois, quando estava indo para a faculdade, meu avião teve uma escala em Seattle. Eu teria mais ou menos uma hora entre os dois vôos. Resolvi telefonar para minha irmã, que havia se mudado para lá há alguns meses. Como não sabia o novo número, resolvi pedir informação.

Então, sem nem mesmo sentir, disquei o número da operadora daquela minha cidade natal e pedi:

“Uma informação, por favor.”

Como num milagre, eu ouvi a mesma voz doce e clara que conhecia tão bem, dizendo:

– “Informações.”

Eu não tinha planejado isso, mas me peguei perguntando:

– “Você sabe como se escreve ‘exceção’?”

Houve uma longa pausa. Então, veio uma resposta suave:

– “Eu acho que o seu dedo já melhorou, Paul.”

Eu ri.

– ” Então, é você mesma!”, eu disse. “Você não imagina como você era importante para mim naquele tempo.”

– “Eu imagino”, ela disse.

– “E você não sabe o quanto significavam para mim aquelas ligações. Eu não tenho filhos e ficava esperando todos os dias para que você ligasse.”

Eu contei para ela o quanto pensei nela todos esses anos e perguntei se poderia visitá-la quando fosse encontrar a minha irmã.

– “É claro!”, ela respondeu. “Venha até aqui e peça para chamar a Sally.”

Três meses depois eu fui a Seattle visitar minha irmã. Quando liguei, uma voz diferente respondeu :

– “Informações.”

Eu pedi para chamar a Sally.

– “Você é amigo dela?”, a voz perguntou.”

– “Sou, sim, um velho amigo. O meu nome é Paul.”

– “Eu sinto muito, mas a Sally estava trabalhando aqui apenas meio período porque estava doente. Infelizmente, ela morreu há cinco semanas.”

Antes que eu pudesse desligar, a voz perguntou:

– “Espere um pouco… Você disse que o seu nome é Paul?”

– “Sim.”

– “A Sally deixou uma mensagem para você. Ela escreveu e pediu para eu guardar, caso você ligasse. Eu vou ler pra você.”

A mensagem dizia:

– “Diga a ele que eu ainda acredito que existam outros mundos onde a gente pode cantar também. Ele vai entender.”

Eu agradeci e desliguei.

Eu entendi…

Nunca substime a marca que você deixa nas pessoas!

Desconheço a autoria.

Por que a lei da atração não funciona para mim?

Posted in Inspiração, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/03/2014 by Joe

A Lei da Atranção não funciona para mim

Em vários posts passados, escrevi sobre a “Lei da Atração”, sobre o livro “O Segredo”, “A Força do Pensamento” e diversos outros que nos falam e ensinam técnicas para alcançarmos aquilo que desejamos na vida. A própria Física Quântica nos prova que podemos construir nossa realidade de acordo com nossos desejos (use o BUSCA do blog para saber mais sobre esses temas).

Porém, muita gente tem me perguntado porque, apesar de treinar e treinar e treinar essas técnicas diariamente, não conseguem atingir seus objetivos, porque a Lei da Atração parece não funcionar para elas. Então, aproveito a oportunidade para listar os dez principais motivos que podem estar impedindo a realização de tantos sonhos. Leiam com atenção e pratiquem, mas pratiquem muito seguindo os conselhos abaixo!

By Joemir Rosa.

—————————————————————————————————————————————————————————————–

Os dez principais motivos para você não estar conseguindo atrair o que quer:

1. Você possui crenças negativas sobre você

Alguns aspectos nos fazem determinar características ruins para nós mesmos e essas muitas vezes são irreais e nos impossibilitam de chegar aonde queremos. Por exemplo: você pode até querer ser milionário, mas acredita que não é esforçado o suficiente para manter um negócio grande, pois muitas vezes desistiu de projetos por medo. Ou, você até acredita ser esforçado, mas seu tio alguma vez lhe disse que você é muito “molenga” e você deixou aquilo entrar no seu ser.

A primeira coisa que você precisa entender para mudar isso é: nada é, tudo está. Você não é “molenga”. Você pode até ter estado assim, mas o seu eu não é, pois somos criações do Universo, e ele não falha. Então, dissolva qualquer crença negativa sobre você mesmo, pensando sempre assim:

– “Eu não sou nada, o que eu acredito ser é pura fantasia da minha mente, eu posso ser o que eu quiser, eu vou explorar o meu melhor, o meu melhor”.

2. Você não se aceita

Comumente associamos felicidade a um estereótipo. Acreditamos que a felicidade está em ser um tipo específico de pessoa ou alcançar uma certa posição, mas muitas vezes estamos equivocados. Por exemplo: você assiste a um filme onde tem uma mulher alta, com os cabelos lisos e loiros, que trabalha numa grande empresa no centro da cidade e fica para lá e para cá o dia inteiro. Você por outro lado, tem uma estatura baixa, os cabelos ondulados e adora trabalhar em um ambiente calmo e silencioso, movimento para você só na hora dos exercícios! Em vez de se aceitar e procurar fazer algo construtivo dentro das suas características, você tenta ser como a mulher do filme.

Você faz as técnicas para atrair um emprego em uma grande empresa, alisa e pinta seus cabelos e usa salto alto para ficar tão alta como ela. Mas será que é isso que lhe fará feliz? E se você tentasse atrair um trabalho em que você ocupe seu tempo com algo que lhe agrade?

3. Você não está assumindo o que você realmente quer

Da mesma forma que você pode ter criado estereótipos de quem quer ser, você deve ter criado um do que os outros acham certo. Não é por que seu pai foi bem sucedido na carreira dele, que você precisa fazer o mesmo que ele. Não é por que sua irmã casou aos vinte anos que você precisa casar também. Não é por que a sociedade só é feliz tendo carro, casa e celulares modernos, que você precisa ter também. Não é porque o mundo acha que o certo para você é “x” que será.

O que você quer?

Descubra o que vai fazer você feliz, independente do que os outros vão pensar. Quando você aplicar as técnicas para atrair o que realmente te trará a felicidade, vai ficar muito mais fácil de atrair, pois como já dizia o velho ditado: “O que é teu vem fácil”. Para melhorar esse aspecto, faça o seguinte exercício:

Feche os olhos, respire bem fundo, acalme sua alma e faça-se a seguinte pergunta:

– “Se eu fosse para uma cidade distante, onde ninguém me conhecesse, onde eu não tivesse que provar nada para ninguém, onde eu tivesse a oportunidade de começar do zero, o que eu faria?” O que você responder é o mais próximo de quem você é, e do que você realmente quer.

4. Você até espera o melhor do Universo, mas não se dá o melhor

Você quer que o Universo te traga um amor, mas você não se ama. Você quer que o Universo te traga alguém que cuide de você, mas você não se cuida. Você quer que o Universo lhe traga abundâncias financeiras, mas você não se permite comprar nada que lhe agrade.

Descubra o que você sabe fazer de melhor por você e, mesmo que seja algo bem pequeno, faça, pois independente do que seja, será o seu melhor, e o Universo te responderá com o melhor dele.

A lei da atração não responde apenas aos nossos pensamentos e sentimentos, ela também nos traz de volta as nossas atitudes.

5. Você não confia na sua parte

Uma das coisas que eu mais vejo são pessoas que não confiam no que estão fazendo. Elas começam a mudar os seus pensamentos, realizam técnicas, leem livros, mas não acreditam que estão fazendo certo. Essas pessoas sempre acham que estão erradas ou que ainda não estão 100%, então qual é o resultado? O Universo também não lhes dá os 100%.

Faça o que você aprendeu – o seu melhor – e confie ao Universo o resto.

6. Você quer fazer tudo sozinho e não confia nada ao Universo

Talvez essa seja uma das maiores dificuldades das pessoas. A fé no nosso planeta anda muito abalada por causa de crenças erradas de quem é Deus e de como ele age. Não confiamos realmente que ele nos dará alguma coisa, pois muitas vezes pedimos e não recebemos.

O que precisamos entender aqui é que não estamos pedindo nada e sim agindo em prol do que queremos de uma maneira diferente que aprendemos. E essa maneira nos diz que Deus ou Universo (não importa como você chama) caminha ao nosso lado, nos dando, conforme nos damos. Portanto, acredite de coração que a vida realmente se movimenta a seu favor quando você está a seu favor.

E, sim, ela te traz oportunidades, pessoas, coisas, etc., tudo o que você precisar para a sua felicidade e para sua evolução. Para aumentar a sua fé, você pode fazer o seguinte: tudo o que você for fazer – absolutamente tudo! – pense que você está fazendo com o Universo. Eu e o Universo vamos arrumar um emprego. Eu e o Universo vamos atrair um relacionamento para a minha vida. Eu e o Universo vamos sempre trazer o melhor para a nossa vida.

7. Você não está abrindo espaço para acontecer

Um erro muito comum que eu vejo é que as pessoas ficam tão obcecadas em realizar as técnicas que elas não dão espaço para o que elas querem se materializar. Exemplo: há dez dias você faz diariamente uma técnica de afirmações positivas. Você já está se sentindo super bem, possuidora do que você quer, criando uma energia super positiva, mas, ao terminar cada técnica, você já está planejando qual vai fazer amanhã para reforçar. Ou seja, você não acredita realmente que no espaço de tempo de hoje para amanhã, o que você quer possa se materializar.

É muito importante manter-se todos os dias positivo, mas mais importante ainda é abrir espaço para acontecer. Para resolver isso, faça suas técnicas e largue para lá! Como eu gosto de dizer: desapegue! Assim, você estará abrindo espaço para a concretização do que já é seu, mas ainda apenas não se manifestou.

8. Você está obcecado por algo muito específico

Você quer amor, mas só pode ser o amor de fulano. Você quer um emprego, mas tem que ser o emprego tal. Agora me responda: quem sabe realmente o que pode ser magnífico na sua vida? O Universo ou você? Mais uma vez eu sugiro: desapegue! Desapegue e peça ao Universo sempre o melhor, o mais abundante, o mais extraordinário! E confie, ele sempre trará o perfeito para você. E, talvez, o melhor seja o amor do fulano ou o emprego tal.

Mas também aceite que, se não for, será algo mil vezes melhor!

9. Você está sentindo com a mente e não com a alma

Acreditar com a cabeça em alguma coisa é até fácil. Convencemos nossa mente de algo novo muito rapidamente. Mas nosso sistema de crenças, aquele que fica no subconsciente ( aqueles que acreditam em vidas passadas dizem que essas crenças veem até de outras vidas) está entulhado de porcarias a nosso respeito e a respeito da vida.

Acredite na felicidade, mas acredite com muita fé, vá lá ao fundo da sua alma e substitua essas crenças velhas!

10. Você não aplica suas vibrações no dia a dia

Um sinal de que não acreditamos com a alma é que não aplicamos nosso positivismo no dia a dia. É altamente comum acontecer o seguinte: você faz suas técnicas todos os dias por 20 minutos. Durante aquele tempo, você vê a maravilha que a vida é, você consegue se conectar profundamente com o Universo. Mas, ao se desligar e ir viver a sua vida, você se enche de negativismo novamente.

Você assiste ao telejornal e fica vendo aquelas desgraças todas enquanto pensa e comenta com o seu colega como o mundo está perdido. Quando acontece alguma situação desesperadora, você já logo fica nervoso e nem lembra que pode contar com o Universo para te ajudar. Nas suas conversas, você só reclama, reclama que não tem isso, que não tem aquilo, etc. Quando você anda pelo shopping, olha tudo procurando pelo preço e reclama que está tudo caro, afirmando para si que não pode comprar nada daquilo. Quando você vê um casal feliz, sente tristeza por não ter o mesmo.

Simples: lá no fundo de sua alma, você não acredita que tudo vai melhorar. Você faz as técnicas da lei da atração na esperança de que talvez mude, mas não acredita realmente.

Para mudar isso aplique o seu positivismo em todos os segundos do seu tempo. Não veja nada ruim na TV enquanto você não conseguir separar que aquilo é dos outros e não seu. Se você precisa se informar, leia rapidamente no jornal ou na Internet as notícias. Quando estiver em uma encruzilhada da vida, relaxe e confie que o Universo vai te ajudar a resolver o melhor caminho a seguir. Converse sempre sobre coisas boas! Olhe tudo o que você quer com olhos de possuidor. Repare nos casais felizes percebendo que aquele amor também é seu por direito!

Esses são os dez erros que eu consertei em mim e que me fizeram conseguir alcançar muitos objetivos com a Lei da Atração. Espero que ajude vocês também.

Não se esqueçam: nada é, tudo está se formando, faça com que se forme a seu favor!

Desconheço a autoria.

Escrevendo o presente

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/03/2014 by Joe

Escrevendo o presente

Conta-se uma lenda do Oriente que um rapaz chegou à beira de um oásis, junto a um povoado e, aproximando-se de um ancião, perguntou-lhe:

– “Que tipo de pessoas vivem neste lugar?”

– “Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem?”, perguntou o ancião.

– “Bem… Um grupo de egoístas e malvados!”, replicou o rapaz, “estou satisfeito de haver saído de lá.”

Então, o velho replicou:

– “A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui.”

No mesmo dia, um outro jovem se acercou do oásis para beber água e, vendo o ancião, perguntou-lhe:

– “Que tipo de pessoas vive por aqui?”

O velho respondeu com a mesma pergunta:

– “Que tipo de pessoas vive no lugar de onde você vem?”

O rapaz respondeu:

– “Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.”

– “O mesmo encontrará por aqui”, respondeu o ancião.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:

– “Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?”

Então, o velho respondeu:

– “Cada um carrega no seu coração o meio ambiente em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui. Somos todos viajantes no tempo e o futuro de cada um de nós está escrito no passado. Ou seja, cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo. O ambiente, o presente e o futuro somos nós que criamos e isso só depende de nós mesmos.”

E você, como tem escrito seu presente?

Desconheço a autoria.

Não parecia eu

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/08/2012 by Joe

Já deve ter acontecido com você. Diante de uma situação inusitada, você reage de uma forma que nunca imaginou e, ao fim do conflito, se pega pensando: que estranho, não parecia eu. Você, tão cordata, esbravejou. Você, tão explosivo, contemporizou. Você, tão seja-lá-o-que-for, adotou uma nova postura. Percebeu-se de outro modo. Virou momentaneamente outra pessoa.

No filme “Neblinas e Sombras” (não queria dizer que é do Woody Allen pra não parecer uma obcecada, mas é, e sou) o personagem de Mia Farrow refugia-se num bordel e aceita prestar um serviço sexual em troca de dinheiro, ela que nunca imaginou passar por uma situação dessas. No dia seguinte, admite a um amigo que, para sua surpresa, teve uma noite maravilhosa, apesar de se sentir muito diferente de si mesma. O amigo a questiona: “Será que você não foi você mesma pela primeira vez?”

São nauseantes, porém decisivas e libertadoras essas perguntas que nos fazem os psicoterapeutas e também nossos melhores amigos, não nos permitindo rota de fuga. E aí? Quem é você de verdade?

Viver é um processo. Nosso “personagem” nunca está terminado, ele vai sendo construído conforme as vivências e também conforme nossas preferências – selecionamos uma série de qualidades que consideramos correto possuir e que funcionam como um cartão de visitas. Eu defendo o verde, eu protejo os animais, eu luto pelos pobres, eu só me relaciono por amor, eu respeito meus pais, eu não conto mentiras, eu acredito em positivismo, eu acho graça da vida. Nossa, mas você é sensacional, hein!

Temos muitas opiniões, repetimos muitas palavras de ordem, mas saber quem somos realmente é do departamento das coisas vividas. A maioria de nós optou pela boa conduta, e divulga isso em conversas, discursos, blogs e demais recursos de autopromoção, mas o que somos, de fato, revela-se nas atitudes, principalmente nas inesperadas.

Como você reage vendo alguém sendo assaltado: foge ou ajuda? Como você se comporta diante da declaração de amor de uma pessoa do mesmo sexo: respeita ou debocha? O que você faria se soubesse que sua avó tem uma doença terminal: contaria a verdade ou a deixaria viver o resto dos dias sem essa perturbação? Qual sua reação diante da mão estendida de uma pessoa que você muito despreza: aperta por educação ou faz que não viu? Não são coisas que aconteçam diariamente, e pela falta de prática, talvez você tenha uma ideia vaga de como se comportaria, mas saber mesmo, só na hora. E pode ser que se surpreenda: “não parecia eu”.

Mas é você. É sempre 100% você. Um você que não constava da cartilha que você decorou. Um você que não estava previsto no seu manual de boas maneiras. Um você que não havia dado as caras antes. Um você que talvez lhe assombre por ser você mesmo pela primeira vez.

By Martha Medeiros.

Paixão, amor …

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/06/2012 by Joe

Gosto demais do Fabrício Carpinejar, de quem tenho o privilégio de ser amiga. E é para prestigiá-lo que abro esta crônica com uma citação extraída da ótima entrevista que ele deu para a revista Joyce Pascowitch:

“O início da paixão é estratosférico, as pessoas não param quietas exibindo tudo que podem fazer. Depois passam a confessar o que realmente querem. A paixão é mentir tudo o que você não é. O amor é começar a dizer a verdade”.

É mais ou menos isso. No começo, a sedução é despudorada, inclui, não diria mentiras, mas um esforço de conquista, uma demonstração quase acrobática de entusiasmo, necessidade de estar sempre junto, de falarem-se várias vezes por dia, de transar dia sim, outro também.

A paixão nos aparta da realidade, é um período em que criamos um universo paralelo, é uma festa a dois em que, lógico, há sustos, brigas, desacordos, mas tudo na tentativa de se preparar para algo muito maior, o amor.

É aí que a cobra fuma. A paixão é para todos, o amor é para poucos.

Paixão é estágio, amor é profissionalização. Paixão é para ser sentida; o amor, além de ser sentido, precisa ser pensado. Por isso tem menos prestígio que a paixão, pois parece burocrático, um sentimento adulto demais, e quem quer deixar de ser adolescente?

A paixão não dura, só o amor pode ser eterno. Claro que alguns casais conseguem atingir o Éden – amarem-se apaixonadamente a vida inteira, sem distinção das duas “eras” sentimentais. Mas, para a maioria, chega o momento em que o êxtase dá lugar a uma relação mais calma, menos tórrida, quando as fantasias são substituídas pela realidade: afinal, o que se construiu durante aquele frenesi do início? Uma estrutura sólida ou um castelo de areia?

Quando a paixão e o sexo perdem a intensidade é que aparecem os pilares que sustentam a história – caso existam. O que alicerça de fato um relacionamento são as afinidades (não podem ser raras), as visões de mundo (não podem ser radicalmente opostas), a cumplicidade (o entendimento tem que ser quase telepático), a parceria (dois solitários não formam um casal), a alegria do compartilhamento (um não pode ser o inferno do outro), a admiração mútua (críticas não podem ser mais frequentes que elogios) e, principalmente, a amizade (sem boas conversas não há futuro). Compatibilidade plena é delírio, não existe, mas o amor requer ao menos uns 65% de consistência, senão o castelo vem abaixo.

O grande desafio dos casais é quando começa a migração do namoro para algo mais perene, que não precisa ser oficializado ou ter a obrigação de durar para sempre, mas que não pode continuar sendo frágil. Claro que todos querem se apaixonar, não há momento da vida mais vibrante. Mas que as “mentirinhas” sedutoras do início tenham a sorte de evoluir até se transformarem em verdades inabaláveis.

By Martha Medeiros.

%d blogueiros gostam disto: