Arquivo para Compartilhar

Wi-Fi: fidelidade sem fio

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/11/2014 by Joe

Wi-fi - fidelidade sem fio

Acho que foi em 1993. Numa entrevista histórica para a MTV, Renato Russo disse a Zeca Camargo que achava lealdade mais importante que fidelidade. Eu era menina, mas lembro que gravei a entrevista numa fita VHS e revi inúmeras vezes, me intrigando sempre nessa parte.

Eu entendia pouco acerca do amor, dos afetos, da durabilidade das relações. Mas Renato Russo me influenciava numa época em que meu pensamento ainda estava sendo moldado e eu tentava, imaturamente, entender aquela declaração.

Isso foi há vinte anos. De lá pra cá, relações se construíram e desconstruíram na minha frente. E, vivendo minha própria experiência, finalmente consigo entender, e de certa forma concordar, com Renato Russo.

A fidelidade é permeada por regras, obrigações, compromisso. É conexão com fio, em que te dou uma ponta e fico com a outra. Assim, ficamos ligados, mas temos que manter a vigília para o fio não escapar e nosso aparelho não desligar.

Já a lealdade permeada pelo vínculo, vontade e emoção é o pacto que se firma não por valores morais, e sim emocionais. É conexão “wi-fi: fidelidade sem fio”, que faz com que eu permaneça unida a você, independente da existência de condutores ou contratos. Permaneço em pleno funcionamento por convicções permanentes e duradouras, invisíveis aos olhos.

Amor nenhum se atualiza sozinho. O tempo passa, a gente muda, o amor modifica. E, nessa evolução toda, a única tecla capaz de atualizar e permitir a duração do amor, é a tecla da lealdade. É ela que conta ao outro que estou mudando, que não gosto mais daquele apelido, ou que aquela mania de encostar os pés gelados em mim embaixo do cobertor ficou chata. É ela que diz que eu gosto tanto do seu cabelo jogado na testa, por que é que não deixa sempre assim?

Ou que traduz que tenho medo de te perder, mas ainda assim preciso lhe contar que na época da faculdade usei drogas, pratiquei magia ou fiz um aborto. É ela que permite que coisas ruins ou não tão bonitas encontrem um refúgio, um lugar seguro onde possam descansar em paz. É ela que faz o amor se atualizar e durar!

Lealdade é não precisar solicitar conexão. É conectar-se sem demora, reservas ou desconfianças. É compartilhar a senha da própria vida, com tudo de bom e ruim que lhe coube até aqui.

Leal é quem conhece as fraquezas, revezes, tombos e dificuldades do outro e não usa isso como álibi na hora da desavença; ao contrário, suporta sua imperfeição e o ajuda a se levantar.

Leal é quem lhe defende na sua ausência. É quem prepara seu terreno, se preocupa com sua dor, antecipa a cura.

Leal é aquele que é fiel por opção, atento ao amor que possui, zeloso com o próprio coração; é quem não omite o próprio descontentamento, mas aponta o que pode ser feito pra não se perder.

Então, sim, eu concordo com Renato Russo e acho que deslealdade separa mais que infidelidade. Pois não adianta não trair por fora, se traio o amor por dentro; se tenho medo de arriscar e polpo meu afeto de se conhecer por inteiro; se não tolero meu caos e vivo uma mentira imaculada; se não absolvo minha história nem perdoo meu enredo, desejando fazer dele uma fábula fantasiosa aos olhos de quem amo; se contrario minha vontade e disposição e omito minhas intolerâncias pra não ferir, me afastando silenciosa e gradativamente até a ruptura; se me apresento por partes – as melhores ficam aparentes, as nem tanto eu omito e não permito ser conhecido.

Finalmente, se não confio a ponto de compartilhar a poltrona do carona ao meu lado reservando apenas o banco de trás (e olhe lá!) à minha companhia nessa viagem!

By Fabíola Simões, do blog “A Soma de Todos Afetos“.

Pensamentos

Posted in Reflexão with tags , , , , , on 02/03/2014 by Joe

Sintonia

Não compartilho meus pensamentos achando que vou mudar a cabeça das pessoas que pensam diferente de mim…

Compartilho meus pensamentos para mostrar às pessoas que já pensam como eu que elas não estão sozinhas!

Até porque quando todos pensam igual é porque ninguém está pensando!

Desconheço a autoria, mas percebo que ele não está sozinho!

Um bom dia para abrir as gaiolas

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/01/2014 by Joe

Deixar ir

Às vezes, dar adeus é a maneira mais sábia de se encontrar. Dar adeus a tudo que te desperta sentimentos, pensamentos ou atitudes pequenas, mesquinhas, deixe que vá.

Mesmo que doa, mesmo que à primeira vista pareça superficial e até ingrato. Deixe que vá.

Traz junto de ti unicamente o que podes suportar, o que não obscurece teu olhar e nem limita teu voo.

Persistir no arrastar de correntes é uma prova de desamor próprio. É peso desnecessário, não deve ser nem levado e nem compartilhado.

By Gi Stadnicki.

Emoções

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/10/2013 by Joe

Emoções

Diferentemente dos animais, nós dispomos de uma forma de expressar o que vai na nossa alma: as palavras. É óbvio que, sendo a emoção um fenômeno com importante componente corporal, as palavras por si só não bastam para comunicá-las. Mas certamente são auxiliares valiosos.

Mas, infelizmente, somos condicionados, desde cedo, a não falar sobre o que sentimos, principalmente se esse sentimento for percebido como algo que nos inferioriza. Tudo pode estar minado por dentro, mas deve-se fazer todo o esforço do mundo para se exibir uma fachada de normalidade.

Confessar medos e fraquezas é visto como perigoso para o “prestígio pessoal” e pode parecer um sinal de insegurança. Paradoxalmente, são justamente as pessoas mais seguras e confiantes que têm menor receio de confessar seus temores e falhas.

Uma das mais antigas descobertas da humanidade indica que o ato de confessar o que sentimos é bom para o corpo e para a alma. A tristeza compartilhada e a dor revelada diminuem as tensões geradas pela angústia e pelas perdas. Mas a importância e o benefício de falar sobre os sentimentos não se restringe apenas à dor. É necessário também externar e compartilhar as coisas boas.

Enfim, a questão é que a repressão das emoções – e de sua expressão verbal – não pode ser seletiva; deve-se “por para fora” todos os sentimentos; falar o que realmente se sente, reagir, sentir e externar afeto ou mágoa. Se a emoção não se libera, agarra-se aos órgãos, perturbando seu funcionamento.

O desgosto que se pode exprimir por gemidos e lágrimas é rapidamente esquecido; já o sofrimento mudo remói incessantemente o coração e termina por abatê-lo.

By Dr. Marco Aurélio Dias da Silva, no livro “Quem ama não adoece”.

Pare de se explicar!

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/10/2013 by Joe

Banco dos réus

Sabe esses indivíduos confiantes e determinados, carismáticos? Se você observar com atenção, notará um detalhe: eles não passam a vida se explicando. Apenas fazem o que precisam fazer e pronto.

Quando somos crianças, não há como escapar disso. Estamos sempre tendo de nos explicar para nossos pais e professores, geralmente tentando nos manter longe de problemas ou de algumas palmadas no traseiro.

Mas se quisermos ser adultos felizes, precisamos pensar e nos comportar mais independentemente. Precisamos nos sentir mais à vontade quanto ao fato de não termos de explicar todas as decisões à família, aos amigos e aos vizinhos.

Evidentemente que às vezes é apropriado nos explicarmos para nosso chefe ou justificar nossas ações para nossos parceiros. Se uma pessoa está pagando seu salário, ela tem o direito de saber o que você está fazendo e porque está fazendo determinada coisa.

Ao estabelecer um relacionamento próximo com a pessoa que você escolheu como companheira, é comum querer compartilhar suas decisões e suas ideias a respeito das coisas. Mas, apesar de tudo isso, não precisa passar a vida como se estivesse sentado no banco dos réus!

Estou me referindo à convicção pessoal – sobre você decidir o que é da sua conta e de mais ninguém! Algumas pessoas têm o hábito de fazer perguntas sobre assuntos que não lhes dizem respeito. Elas não estão erradas em perguntar. Mas é você quem decide controlar a situação e responder apenas às perguntas que quiser responder.

Em poucas palavras: tome suas próprias decisões!

Não precisa ofender as pessoas, mas seja verdadeiro consigo mesmo. Se você optar por se explicar, faça-o por querer compartilhar seus pensamentos com outra pessoa e não por precisar da aprovação dela. Sua própria permissão já é suficiente. Você não precisa da aprovação das outras pessoas.

Pense nisso e viva mais tranquila!

Desconheço a autoria.

Dia do Doador de Órgãos

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27/09/2013 by Joe

Dia Nacional de Doação de Órgãos

O Brasil está vivenciando a Semana do Doador de Órgãos, com encerramento hoje, dia 27, quando se comemora o Dia do Doador de Órgãos.

Sabemos que, pela legislação federal, a decisão de doar órgãos ou não, cabe à família da pessoa. O que se pretende é regulamentar uma lei que cria o Cadastro Estadual de Doadores de Órgãos. Desta forma, a decisão passaria a ser de cada pessoa e não mais da família que, muitas vezes, pega pela emoção da perda de um ente querido, acaba não concordando com a doação de órgãos que poderia salvar a vida de muitas pessoas.

Atualmente, quase 40.000 pessoas estão na fila de espera por órgãos (rins, fígados, corações, pulmões, tecidos, córneas, etc). Mesmo tendo havido um aumento de 100% no número de doadores nos últimos tempos, ainda é pouco! Em dez anos, os transplantes aumentaram de 7.500 para 15.141 cirurgias. Ou seja, ainda precisaríamos triplicar isso o mais rápido possível para tentarmos zerar essa fila enorme.

O Brasil é considerado referência nas cirurgias de transplantes de órgãos doados, sendo 95% delas realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Existem 27 centrais de notificação, captação e distribuição de órgãos, 11 câmaras técnicas nacionais, 1047 equipes de transplantes e 71 organizações de procura por órgãos. Tudo isso para coordenar as doações.

Porém, o número de pessoas que irá precisar de um órgão no futuro vai aumentar à medida que a nossa população for envelhecendo (e isso já é uma realidade, segundo dados do IBGE). Então, precisamos incentivar as pessoas a se tornarem doadoras, conversando com amigos e familiares, manifestando nossa vontade e divulgando cada vez mais esta iniciativa.

Além disso, podemos fazer mais: ajude a divulgar esta campanha no Facebook como forma de mostrar que você também é um doador. Para isso, basta acessar o link abaixo no seu Facebook, assistir ao infográfico e depois COMPARTILHAR com seus amigos!

https://www.facebook.com/DoacaodeOrgaos/app_154545541303155

Vamos ajudar a salvar mais vidas? Pensem nisso com carinho! Afinal, nunca se sabe se amanhã ou depois estaremos nessa fila…

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: