Arquivo para China

Passeio socrático

Posted in Atualidade, Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 08/04/2014 by Joe

Imbecilização

Ao viajar pelo Oriente mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos em paz em seus mantos cor de açafrão.

Um dia destes, eu observava o movimento no aeroporto: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir:

– “Qual dos dois modelos produz felicidade?”

Num outro dia, encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei:

– “Não foi à aula?”

E ela respondeu:

– “Não… só tenho aulas à tarde”.

Comemorei:

– “Que bom! Então, de manhã você pode brincar ou dormir até mais tarde!”

– “Não”, retrucou ela, “tenho tanta coisa de manhã…”

– “Que tanta coisa?”, perguntei.

– “Aulas de inglês, de balé, de pintura, natação…”, e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando:

– “Que pena… a Daniela não disse ‘tenho aula de meditação’!”

Estamos construindo super-homens e super-mulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. Por isso as empresas consideram agora que, mais importante que o QI, é a IE, a Inteligência Emocional. Não adianta ser um super-executivo se não consegue se relacionar com as pessoas. Ora, como seria importante os currículos escolares incluírem aulas de meditação!

Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos:

– “Como estava o defunto?”.

– “Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!”

Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?

Outrora falava-se em realidade: análise da realidade, inserir-se na realidade, conhecer a realidade. Hoje a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega AIDS , não há envolvimento emocional, controla-se no mouse.

Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizinho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual, entramos na virtualidade de todos os valores, não há compromisso com o real! É muito grave esse processo de abstração da linguagem, de sentimentos: somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. Enquanto isso, a realidade vai por outro lado, pois somos também eticamente virtuais.

A cultura começa onde a natureza termina. Cultura é o refinamento do espírito. Televisão, no Brasil – com raras e honrosas exceções – é um problema: a cada semana que passa, temos a sensação de que ficamos um pouco menos cultos.

A palavra hoje é ‘entretenimento’! Domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres:

– “Se tomar este refrigerante, vestir este tênis, usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!”

O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede, desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.

Os psicanalistas tentam descobrir o que fazer com o desejo dos seus pacientes. Colocá-los onde? Eu, que não sou da área, posso me dar o direito de apresentar uma sugestão. Acho que só há uma saída: virar o desejo para dentro. Porque para fora ele não tem aonde ir! O grande desafio é virar o desejo para dentro, gostar de si mesmo, começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, autoestima e ausência de estresse.

Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Se alguém vai à Europa e visita uma pequena cidade onde há uma catedral, deve procurar saber a história daquela cidade – a catedral é o sinal de que ela tem história. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center.

É curioso: a maioria dos shopping centers têm linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingos. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas…

Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas, se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno!

Felizmente terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do McDonald’s…

Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas:

– “Estou apenas fazendo um passeio socrático.”

Diante de seus olhares espantados, explico:

– “Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia:

– “Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz.”

By Frei Betto.

Batata rösti de peito de peru com gorgonzola

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/02/2014 by Joe

Batata rösti com peito de peru e gorgonzola

Há tempos postei receitas tendo a batata como ingrediente principal. Sabemos que ela teve origem nas regiões montanhosas da América do Sul, mais precisamente, nas Cordilheiras dos Andes, onde começaram a ser cultivadas pelos índios andinos que viviam nessas áreas há uns 8.000 anos.

Boas fontes de vitamina C, elas são atualmente o quarto alimento mais consumido do mundo, com milhares de variedades de diferentes cores, sabores e tamanhos, sendo utilizadas em receitas no mundo todo. O maior produtor mundial é a China, cuja produção em conjunto com a da Índia corresponde a mais de um terço da produção mundial.

A dica de hoje é mais uma variação da batata rösti que já publiquei anteriormente, um prato muito difundido por toda a Suiça, sendo presente nas casas como acompanhamento de carnes de embutidos, ou como um prato mais leve para ser servido com saladas.

Existem diferentes formas de prepará-la, seja com batata cozida ou crua, com diversos recheios. A tradição suiça manda que seja com queijo e bacon. Aqui no Brasil, o prato caiu no gosto da nossa população e ganhou recheios regionais, como carne seca, linguiça calabresa, presunto, carne moída, camarões, mas sempre com queijos!

Espero que gostem desta versão!

Batata rösti de peito de peru com gorgonzola

Ingredientes

500 g de batata pré-cozida ralada em tiras grandes
200 g de gorgonzola ralado
200 g de peito de peru picado
4 colheres (sopa) de azeite extra virgem
1 colher (sopa) de cebola ralada
1 colher (sopa) de alho triturado
1 colher (sopa) de caldo de galinha
½ xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma frigideira, doure o alho e a cebola no azeite. Junte a batata ralada, a farinha de trigo e o caldo de galinha e reserve.

Prepare o recheio, misturando o gorgonzola ralado com o peito de peru.

Em uma frigideira pequena de teflon, coloque um pouco de azeite e metade das batatas reservadas, acrescente o recheio, espalhando bem, e cubra com o restante das batatas e frite até dourar. Com a ajuda de um prato, vire e frite as batatas do outro lado.

Sirva com salada verde ou legumes cozidos e temperados.

By Joemir Rosa.

A montanha da vida

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/08/2013 by Joe

A montanha da vida

A vida pode ser comparada à conquista de uma montanha. Como a vida, ela possui altos e baixos. Para ser conquistada, deve merecer detalhada observação, a fim de que a chegada ao topo se dê com sucesso.

Todo alpinista sabe que deve ter equipamento apropriado. Quanto mais alta a montanha, maiores os cuidados e mais detalhados os preparativos. No momento da escalada, o início parece ser fácil. Quanto mais subimos, mais árduo vai se tornando o caminho. Chegando a uma primeira etapa, necessitamos de toda a força para prosseguir. O importante é perseguir o ideal: chegar ao topo.

À medida que subimos, o panorama que se descortina é maravilhoso. As paisagens se desdobram à vista, mostrando-nos o verde intenso das árvores, as rochas pontiagudas desafiando o céu. Lá embaixo, as casas dos homens, tão pequenas…

É dali, do alto, que percebemos que os nossos problemas, aqueles que já foram superados são do tamanho daquelas casinhas. Pode acontecer que um pequeno descuido nos faça perder o equilíbrio e rolamos montanha abaixo. Batemos com violência em algum arbusto e podemos ficar presos na quina de uma pedra. É aí que precisamos de um amigo para nos auxiliar. Podemos estar machucados, feridos a ponto de não conseguir, por nós mesmos, sair do lugar. O amigo vem e nos cura os ferimentos. Estende-nos as mãos, puxa-nos e nos auxilia a recomeçar a escalada. Os pés e as mãos vão se firmando, a corda nos prende ao amigo que nos puxa para a subida.

Na longa jornada, os espaços acima vão sendo conquistados dia a dia. Por vezes, o ar parece tão rarefeito que sentimos dificuldade para respirar. O que nos salva é o equipamento certo para este momento. Depois vêm as tempestades de neve e os ventos gélidos, que são os problemas e as dificuldades que ainda não superamos.

Se escorregarmos numa ladeira de incertezas, podemos usar as nossas habilidades para parar e voltar de novo. Se cairmos num buraco de falsidade de alguém que estava coberto de neve, sabemos a técnica para nos levantar sem torcer o pé e sem machucar quem esteja por perto.

Para a escalada da montanha da vida, é preciso aprender a subir e descer, cair e levantar, mas voltar sempre com a mesma coragem. Não desistir nunca de uma nova felicidade, uma nova caminhada, uma nova paisagem, até chegar ao topo da montanha.

Para os alpinistas, os mais altos picos são os que mais os atraem. Eles desejam alcançar o topo e se esmeram. Preparam-se durante meses, selecionam equipe, material e depois se dispõem para a grande conquista.

Todos nós temos um desejo, um sonho, um objetivo, um verdadeiro Everest. E este Everest não tem 8.848 metros de altitude, nem está entre a China e o Nepal: este Everest está dentro de nós!

É preciso ir em busca deste Everest, de nossa mais profunda realização.

By Waldemar Niclevicz, alpinista, palestrante

Macarronada da mamma

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/07/2013 by Joe

Macarronada da mamma

Desde pequeno aprendi que domingo é dia daquela bela macarronada com a família, geralmente regada com um bom vinho, que meus pais me permitiam tomar diluído em um copo com Soda. E sempre havia convidados para essa pequena reunião familiar, que curtiam as delícias gastronômicas italianas preparadas por minha avó e minha mãe! Difícil achar alguém que não gostasse daquele macarrão da “mamma” ou da “nonna”…

Mas… esperem um pouco! Eu disse gastronomia italiana? Desculpem decepcioná-los, mas parece que a história não é bem assim…

Há várias versões para a história do macarrão. Uma das mais comuns é a de que essa massa tenha sido levada da China para o ocidente por volta de 1280, no século 13. E foi a partir daí que essa massa começou a ser difundida pela Europa e mais tarde para as Américas.

A crença de que o macarrão tenha sua origem na Itália deve-se, na verdade, ao molho de tomate, este sim uma invenção italiana. E daí para a macarronada foi um pulo.

Porém, existem indícios de que em civilizações antigas, muito antes dessa época, as pessoas consumiam uma espécie de massa fresca feita da mistura de cereais com água, que seria a origem do macarrão.

E mesmo sem saber com exatidão sua origem, o macarrão conquistou muitos adeptos e se tornou muito popular, por ser o mais fácil, prático e barato almoço de domingo para reunir toda a família.

E não é só com molho de tomate que se consome macarrão. Ele fica ótimo servido com vários tipos de molhos. O macarrão ao sugo é o mais tradicional, apenas com molho de tomate. Outro molho também muito apreciado é à bolonhesa, onde se adiciona carne moída ao molho de tomate. Sem contar os molhos brancos e o delicioso macarrão ao alho e óleo.

Hoje, porém, deixarei aqui uma deliciosa receita do tópico inicial deste post, ou seja, do famoso macarrão da mamma! Ah, sim … não esqueçam daquele bom vinho vinho tinto… italiano, de preferência!

Macarronada da mamma

Ingredientes

1 kg de macarrão tipo espaguete
•2 colheres (sopa) de sal
•água

Para o molho

2 colheres (sopa) de manteiga
•4 colheres (sopa) de azeite
•2 cebolas picadas
•2 talos de salsão picado
•4 dentes de alho picado
•200 g de carne moída
•200 g de linguiça calabresa em rodelinhas
•1 kg de tomate picado, sem pele nem sementes
1 xícara de vinho branco
•1 colher (chá) de açúcar
•2 folhas de louro
•1 colher (chá) de orégano
•2 xícaras (chá) de extrato de tomate
•queijo parmesão ralado a gosto

Modo de preparo

Derreta a manteiga com o azeite em uma panela e doure a cebola, o alho e o salsão. Adicione uma xícara de extrato de tomate e os tomates picados e mexa bem. Junte a carne moída, a linguiça e cozinhe por uns 20 minutos.

Após esse tempo, adicione o vinho branco e deixe borbulhar. Coloque o açúcar, o louro, o orégano e o extrato de tomate restante. Deixe cozinhar por mais uns 20 minutos em fogo brando.

Cozinhe o macarrão em três litros e meio de água fervente com sal, até que esteja al dente. Escorra, espalhe em uma travessa grande e adicione o molho. Misture bem, polvilhe o queijo ralado e sirva em seguida.

Uma dica importante: muita gente acha que o macarrão cozinha melhor se colocarmos um pouco de óleo à água, para não grudar. Não faça isso! O óleo cria uma película em torno do macarrão e, quando adicionar o molho de tomates, este “escorregará” e não ficará bem impregnado na massa. Para que o macarrão não grude, na hora do cozimento, utilize bastante água e separe o espaguete com a ajuda de um garfo longo!

By Joemir Rosa.

Bifum com frango e legumes

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/03/2013 by Joe

Bifum com frango e legumes

A culinária chinesa tem mais de 3 mil anos e é representada por quatro grupos, basicamente: Beijin (Beijing), que simboliza o Norte; Cantão (Guangdong), o Sul; Xangai (Shangai), o Leste; e Sichuan (Szenchwan), o Oeste.

A predominância dos pratos vem do Norte e do Sul. No Norte, os principais alimentos são o talharim, o pão no vapor e bolinhos de carne. Os pratos são mais oleosos, mas os paladares são mais suaves e é frequente o uso de vinagre e alho. Já a culinária do Sul possui pratos com acompanhamento de arroz e sabores mais adocicados.

A culinária chinesa precisa, necessariamente, seguir quatro mandamentos: cor, perfume, paladar e apresentação esmerada.

Temperos e condimentos diversos – como gengibre, curry, molho shoyu e óleo de gergelim, por exemplo – mas com bastante equilíbrio, garantindo, assim, o perfume e o paladar, e com bonita apresentação, de maneira que a refeição agrade o paladar, o olfato e a visão.

Composição dos pratos prima pelas cores – outra característica interessante é a composição dos pratos. A culinária chinesa baseia-se em preparar pratos, desde os mais comuns, consumidos diariamente, até os especiais, com um ingrediente principal – carne, verdura ou massa – e pelo menos dois ingredientes secundários, em cores contrastantes com o item principal.

A proporção e o equilíbrio fazem a diferença na composição dos pratos – outra peculiaridade da culinária chinesa é o equilíbrio entre os ingredientes utilizados. Para os chineses, a proporção adequada para um prato que tem como item principal a carne é complementá-lo com 1/3 de vegetais. Ao contrário, quando um prato tem como elemento principal os vegetais, ele deve ser composto também por 1/3 de carne. Esses pratos são acompanhados, de maneira geral, por arroz ou massa. Já as sopas levam 7/10 do volume da tigela de água. Os demais ingredientes – apenas 3/10 do prato – garantem, segundo a tradição chinesa, o valor nutricional adequado.

Não é comum servir pratos exóticos – engana-se quem teme chegar à China e se deparar com pratos à base de cachorro, gato, cobra e macaco. É o mesmo que dizer que quem vem ao Brasil só encontrará carne de jacaré, capivara e javali. O que ocorre é que tais pratos são exóticos – e todos os países têm os seus. Historicamente, esses costumes surgiram porque a China é um país de dimensões continentais e com a maior população do mundo. Desde os tempos antigos, muitas pessoas moram no deserto ou em regiões remotas, tendo de se adaptar ao que a natureza oferece para sobreviver. Daí vem o consumo de determinados animais.

A receita de hoje não tem nada de exótica e nem tem ingredientes estranhos em seu preparo. Vamos preparar um prato leve, saudável, com frango, legumes e um macarrão de arroz.

O bifum é um macarrão de origem chinesa, feito de arroz, bastante difundido em toda Ásia, sendo um ingrediente muito utilizado culinária oriental. É um produto leve e saudável que pode ser consumido diariamente.

Além de ser um alimento natural, ele é nuito simples e rápido de preparar, ideal para pessoas de todas as idades, pois é rico em vitaminas E e B.

Bifum com frango e legumes

Ingredientes

200 g de macarrão do tipo bifum
1,5 litro de água fervente
1 colher (sopa) de óleo
300 g de peito de frango cortado em tirinhas
sal a gosto
1 cenoura ralada fino
4 talos de salsão cortados em fatias finas
2 dentes de alho picados
1 colher (chá) de óleo de gergelim
4 ramos de cebolinha verde picados
1/2 colher (chá) de gergelim preto

Modo de preparo

Em uma tigela, hidrate o bifum com a água fervente, mexa com um garfo para separar os fios e deixe descansar por dois minutos. Escorra, passe em água corrente para esfriar, deixe escorrer novamente.

Em uma frigideira grande, aqueça bem a metade do óleo em fogo alto. Junte o frango e refogue por cinco minutos ou até ficar macio. Tempere com sal e reserve em uma tigela.

Na mesma frigideira, aqueça o óleo restante. Acrescente a cenoura, o salsão, o alho e refogue por três minutos ou até que fiquem al dente. Tempere com sal.

Junte o frango reservado, o bifum, misture e aqueça bem. Verifique o sal. Espalhe o óleo de gergelim e a cebolinha verde. Sirva polvilhado com o gergelim preto.

By Joemir Rosa, com texto sobre culinária chinesa retirado do site http://www.melhoramiga.com.br.

Escondidinho de berinjelas

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/01/2013 by Joe

Escondidinho de berinjelas

Já contei aqui no Demodelando, em outras ocasiões, um pouco da história da berinjela e apresentei alguns pratos que considero básicos, como o antepasto de berinjelas, berinjelas de forno, lasanha de berinjelas e a moussaka.

Pesquisando um pouco mais, descobri mais informações sobre ela.

Em 1575, o botânico Leonhard Rauwolf fez a descoberta da berinjela em Aleppo, quando ele estava em uma missão e notou que essa planta era chamada “melongena” e ‘bedenigian’. Essa berinjela era do tamanho de um ovo de ganso e de cor violeta.

A berinjela é originária da Índia e sua origem deve ser bem mais longínqua, pois existem muitos nomes em sânscrito e numerosos em Bengali, em Hindi e em outras línguas da Índia. Na Índia mesmo, ela é chamada “brinjal”.

Ela também é cultivada há muito tempo na China, no Oriente Médio e na África. É possível que a China seja um centro secundário de origem, com o desenvolvimento de variedades a pequenos frutos muito distintos das variedades originárias do centro principal de origem que foi a Índia.

Um dos documentos mais antigos que nós encontramos sobre a berinjela se encontra num livro chinês datado do século 5. No século 13 ela foi mencionada pelo médico árabe Ibn El Beïthar assim como por Albert de Cologne no norte da Europa.

No Ocidente ela é mencionada pela primeira vez, e sob o nome de “melonge”, no livro “Simples Médecines de Platéarius” e a passagem que lhe diz respeito é inspirada no “Traité des Simples” do judeu-egípcio Ysaac. Parece que ela já esteve cultivada em algumas regiões da Itália por volta do final do século 14.

Uma das primeiras variedades a atingir a Inglaterra, por volta dos anos 1500, foi uma variedade cujos frutos eram brancos e do tamanho de um ovo de galinha, daí seu nome em inglês “eggplant”, que encontramos às vezes em francês “plante à oeufs”, “pondeuse”, “oeuf végétal”. Essa variedade é ainda cultivada hoje em dia.

Existem inúmeras variedades de todas as formas e cores: verde, rosa, branca, amarela, violeta, salpicada. Em terras brasileiras, a variedade mais encontrada é a violeta escura, cuja versatilidade na gastronomia nos permite criar um grande número de receeitas variadas e saborosas.

O prato de hoje é mais uma dessas receitas, muito fácil de preparar, cujo sabor final agrada a todos, com certeza!

aubergineEscondidinho de berinjelas

Ingredientes

Cobertura

4 batatas médias
2 colheres (sopa) de manteiga
1 xícara (chá) de leite quente
sal e noz-moscada ralada a gosto
queijo parmesão ralado a gosto

Berinjelas

2 berinjelas médias cortadas em pequenos cubos
1 colher (sopa) de azeite
1 cebola média cortada em tiras
2 tomates sem sementes em cubos
1 xícara (chá) de azeitona preta picada
sal e pimenta a gosto
2 colheres (sopa) de salsa e manjericão picados

Modo de preparo

Cozinhe as batatas e depois esprema como se fosse fazer purê. Junte a manteiga, o leite e misture bem. Tempere com sal, a noz-moscada e reserve.

Em um pirex, coloque as berinjelas cortadas, cubra com água, adicione 1 colher (sopa) de sal e deixe de molho por uns 30 minutos. Em seguida, escorra bem, apertando para eliminar o máximo de água possível.

Aqueça o azeite em uma panela ou frigideira funda, junte a cebola e vá mexendo até que fique dourada. Adicione a berinjela e refogue até murchar um pouco. Acrescente os tomates, as azeitonas, tempere a gosto com sal e pimenta. Caso forme muito caldo, escorra um pouco. Adicione a salsa, o manjericão e misture bem. Retire do fogo e espere esfriar.

Em um refratário, coloque a berinjela e cubra com o purê. Polvilhe queijo parmesão ralado e leve ao forno, preaquecido a 220 ºC por uns 15 minutos para gratinar. Retire do forno e sirva.

By Joemir Rosa.

Batatas com carne-seca e requeijão

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/01/2013 by Joe

Batata com carne-seca e queijão

Contam os pesquisadores que a batata teve origem nas regiões montanhosas da América do Sul, mais precisamente, nas Cordilheiras dos Andes, onde começaram a ser cultivadas pelos índios andinos que viviam nessas áreas há uns 8.000 anos.

Ao contrário de muitos outros alimentos, as batatas foram capazes de ser cultivadas nas altitudes elevadas típicas daquela região e acabaram se tornando um alimento básico para aquelas pessoas.

Da família das solanáceas (Solanun tuberosum), as batatas são boas fontes de vitamina C, e foram posteriormente utilizadas em navios espanhóis para evitar o escorbuto. Elas foram introduzidos na Europa através dos exploradores espanhóis, que as descobriram na América do Sul, no início do século XVI, e se tornaram um importante alimento também naquele continente.

Atualmente, o tubérculo é o quarto alimento mais consumido do mundo, com milhares de variedades de diferentes cores, sabores e tamanhos, sendo utilizadas em receitas no mundo todo. O maior produtor mundial é a China, cuja produção em conjunto com a da Índia corresponde a mais de um terço da produção mundial.

Graças à sua versatilidade na gastronomia, a batata pode ser utilizada de muitas e variadas formas. Há tempos publiquei as receitas de Batata Rösti e Tortilla de Batatas, dois pratos práticos e saborosos que toda a família curte!

Hoje decidi postar uma receita que, podemos dizer, é uma variação desses dois pratos, bem mais adaptada ao nosso sabor brasileiro. Na prática, é um prato bem completo, mas que também pode ser servido até como aperitivo.

Espero que curtam a ideia e saboreiem esta delícia!

Batatas com carne-seca e requeijão

Ingredientes

3 batatas grandes sem casca
sal e pimenta a gosto
2 colheres (sopa) de salsa picada

Recheio

1 colher (sopa) de óleo
1 cebola média picada
2 dentes de alho bem picados
300 g de carne-seca dessalgada, cozida e desfiada
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes picada
200 g de requeijão

Modo de preparo

Lave bem as batatas e de uma pré-cozida por uns dez minutos. Deixe esfriar e leve à geladeira por umas três horas.

Na hora de preparar o prato, aqueça o óleo em uma frigideira e doure levemente a cebola e o alho. Junte a carne desfiada e refogue por alguns minutos. Adicione a pimenta e o requeijão, misture bem e retire do fogo.

Retire a casca das batatas e rale no ralo grosso. Tempere com sal e pimenta e misture com cuidado.

Aqueça uma frigideira com 20 cm de diâmetro ou omeleteira e unte-a com óleo. Coloque metade da batata e aperte levemente, subindo um pouco nas laterais. Recheie com a mistura de carne-seca e cubra com a batata restante, apertando levemente.

Deixe dourar e, em seguida, passe para um prato ou tampa de panela para virar. Transfira novamente para a frigideira e deixe dourar do outro lado. Faça o mesmo com a massa e o recheio restante. Sirva em seguida.

Uma boa salada completa é um ótimo acompanhamento.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: