Arquivo para Carreira

As faces do medo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/04/2013 by Joe

As faces do medo

Pense um pouco: como você reage quando se sente inseguro?

Em geral, quando agimos de modo instintivo, acabamos expressando o medo de uma forma disfarçada, como se fosse outra emoção, ou temos algum tipo de comportamento inadequado à situação.

O ideal é sair do círculo vicioso das reações instintivas e passar a analisar cada situação, tomar decisões e, então, agir adequadamente.

Mas, infelizmente, a maioria das pessoas, assim como qualquer outro animal, tende a ter uma destas reações instintivas quando está com medo: ou ataca o que o ameaça, ou simplesmente foge do que representa o perigo!

Vamos imaginar um atleta na véspera da final do campeonato. A pressão é grande, as cobranças são muitas, o futuro de sua carreira depende dos seus resultados no dia seguinte.

É natural que ele se sinta ameaçado e sinta medo do que vai enfrentar. Então, ele pode optar pela reação de ataque: brigar com o técnico, reclamar dos colegas que não estão ajudando a equipe, ou se irritar por qualquer bobagem.

Ou ainda pode escolher a reação de fuga: reclamar de dores no corpo para não ter de competir, ficar com saudades de casa, ter crises de choro, sentir-se incapaz de disputar a partida do dia seguinte.

Em um caso como esse, se o médico da equipe disser para o atleta que está tudo bem com o seu corpo e que ele está apenas com medo do desafio, o atleta pode virar sua agressão contra o médico.

Raramente uma pessoa que está assustada percebe ou admite isso, pois é bastante comum que o medo se apresente disfarçado. Ele assume várias faces, que não permitem que ele seja identificado à primeira vista.

Então, a pior de todas essas questões é: como você pode agir de modo diferente, se você nem se dá conta de que está agindo dessa maneira, simplesmente porque está com medo?

É preciso reconhecer a presença do medo. São muitos os sinais de que o medo está presente. Algumas das máscaras que o medo usa são: a paralisia, a distração, a irritação, a solidão e o desespero.

Talvez agora você esteja querendo perguntar:

– “Mas, Roberto, como é que eu faço para me livrar dessas máscaras?”

O primeiro passo é se perguntar se, naqueles momentos em que um desses comportamentos está presente em sua vida, você, na verdade, não está com medo de algo. Identificar esse medo é fundamental.

Para lidar com o medo, é fundamental perceber quando ele está por perto e reconhecer a necessidade de agir de modo diferente.

Pare um pouco agora e pense: será que você não está mascarando algum medo neste momento?

By Roberto Shinyashiki.

Professor: profissão do futuro ou sem futuro?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/10/2012 by Joe

Durante uma época importante da vida, muitos jovens se preparam para a escolha de uma carreira profissional, a qual, muitas vezes, será exercida definitivamente.

Mais do que se identificar com a profissão pretendida, grande parte dos futuros profissionais atribuem maior importância ao prestígio e à valorização que a carreira escolhida tem no mercado, com especial foco no retorno financeiro.

Não é surpresa, portanto, observarmos cada vez mais jovens optarem por cursos considerados elitizados, como medicina, direito e engenharia, em detrimento de escolherem cursos de licenciatura. Tanto é que, em recente levantamento realizado pela Fundação Victor Civita, dos 1500 alunos do Ensino Médio de escolas públicas e particulares pesquisados, apenas 2% manifestaram a opção por um curso de licenciatura.

Outro dado importante diz respeito ao perfil daqueles que manifestam o desejo de seguir a carreira de docente: “Mulher, aluna sempre de escola pública, que tirou nota abaixo de 20 (numa escala de zero a 100) no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), com renda familiar de até dois salários mínimos e cuja mãe nunca estudou”.

As constatações acima estão diretamente relacionadas às condições reais do atual trabalho docente brasileiro: professores mal-remunerados, sobrecarga de trabalho e falta de segurança para realização das atividades.

Sobre a realidade do trabalho docente, vale ressaltar que não se resume às tarefas desenvolvidas em sala, mas ao tempo que se dedica à preparação das aulas, das atividades pedagógicas intra e extrassala, das provas e dos trabalhos, como também às suas respectivas correções.

Ademais, principalmente no sistema público de ensino, os professores, geralmente, encaram uma jornada laborativa tripla, tudo para garantir a sobrevivência diária.

Para piorar, o contexto de trabalho e a infraestrutura encontrados pelos docentes não são nada animadores: salas de aula superlotadas, falta de recursos humanos e materiais de toda ordem.

A convivência com algum tipo de violência, seja de ordem física ou psicológica, completa o quadro desolador descrito.

Poderíamos nos perguntar, então, se as condições precárias para o exercício da atividade de docência seriam deficiências exclusivas de nosso país.

Embora não as sejam, há exemplos de nações em que o valor e a importância atribuídos à educação e, consequentemente, à formação adequada dos professores, não se restringem a discursos falaciosos.

A propósito, “em países como a Finlândia e a Coréia do Sul, os 20% melhores alunos disputam vagas concorridas para a carreira no magistério. Os salários iniciais são altos, cerca de R$ 4 mil, e podem dobrar em 20 anos”.

Em outra matéria veiculada na Revista Veja, enaltece-se que o alto nível de salário dos professores nos mencionados países é somente uma das estratégias para o recrutamento de bons alunos para a profissão, mas não é a de maior impacto.

Segundo a reportagem, “o que realmente suscita o fascínio dos melhores alunos pela docência diz respeito, acima de tudo, à possibilidade descortinada pela carreira de verem seu talento reconhecido e sua capacidade intelectual estimulada”.

Mesmo que tais considerações relacionadas ao prestígio da profissão docente sejam tecidas sobre países de primeiro mundo, acredito que, no contexto brasileiro, algumas iniciativas podem ter grande peso para reverter o nosso quadro atual.

Como exemplo, podemos considerar um maior investimento do Produto Interno Bruto (PIB) na educação; um aumento no número de bolsas de estudo destinadas a discentes de cursos de licenciatura; a consideração do tempo de estudo, preparo e correções de atividades e provas na carga horária de trabalho docente; entre outras.

Diante do exposto, lanço a seguinte reflexão: se é verdade que o desenvolvimento de um povo é mensurado pelo nível de sua educação, o que acontecerá se continuarmos dentro de um cenário sócio-político-educativo que ainda não oferece, a contento, condições para que tenhamos, de um modo mais amplo, professores qualificados e bem-preparados para o exercício da docência? Que futuro terá nossa nação?

By Luciana Cabrini Simões Calvo, professora da UEM e doutoranda em Estudos da Linguagem da UEL.

Quem olha para dentro, acorda

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/09/2012 by Joe

Uma das maiores dificuldades que as pessoas enfrentam é chegar à conclusão que o melhor caminho para o sucesso é descobrir a si mesmo. É sempre mais fácil observar o erro dos outros, ver desculpas para fugir da realidade existente.

Carl Jung tem uma bela frase para este assunto:

“Sua visão somente pode ser clara se você olhar dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda”.

Como anda sua visão? Para onde você anda olhando?

Você faz este exercício de conversar consigo mesmo? Você busca conhecer e enfrentar suas verdades? Aliás, quais as suas verdades?

Se você não pensou sobre isto, cuidado. Nada muda se você não mudar primeiro. Sua vida profissional, inclusive.

Vislumbro muitas pessoas sonhando, vivendo como se a realidade não existisse. Vivem no “deveria”, “poderia”, “seria”. Deveria ganhar um aumento, poderia ser reconhecido, seria melhor em outro emprego…

Quando conhecemos nossas verdades descobrimos um universo tão grande ou maior que o próprio universo de estrelas, sóis ou luas. Aliás, Einstein disse que este universo está em constante evolução. Eu afirmo: o que está em constante evolução, mutação e desenvolvimento é o seu eu interior, o universo exterior ainda está em estudo.

Quem já mergulhou na viagem de descobrir a si mesmo sabe o que estou dizendo. Quem nunca fez esta aventura pensa que não vale a pena, que irá sofrer, que não adiantará nada…

Será mesmo?

Claro que sim! Sofrer faz parte do amadurecimento. Por outro lado, vale muito a pena.

Porque?

Porque ser o melhor de si é o melhor que podemos fazer a nós e ao mundo.

E então? E agora? Você vai iniciar o processo de mudança em si mesmo para fazer acontecer na sua vida ou deixar o embalo do mercado levar a sua carreira?

Você pensa e repensa a sua vida? Sua carreira? Seus objetivos? E, principalmente, seus sonhos?

O que você está fazendo da sua vida? Olhando tudo ao seu redor ou cuidando do seu jardim para florir a sua vida?

A decisão é sua. As consequências também.

By Gustavo Rocha, consultor.

Homenagem às mães

Posted in Homenagem with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/05/2012 by Joe

Às mães que, apesar das canseiras, dores e trabalhos, sorriem e riem, felizes, com os filhos amados ao peito, ao colo ou ao seu redor; e às que choram, doridas e inconsoláveis, a sua perda física, ou os veem “perder-se” nos perigos inúmeros da sociedade violenta e desumana em que vivemos…

Às mães ainda meninas, e às menos jovens, que contra ventos e marés, ultrapassando dificuldades de toda a ordem, têm a valentia de assumir uma gravidez – talvez inoportuna e indesejada – por saberem que a vida é sempre um bem maior e um dom que não se discute, muito menos quando se trata de um filho seu, pequeno ser frágil e indefeso que lhe foi confiado…

Às mães que souberam sacrificar uma talvez brilhante carreira profissional para darem prioridade à maternidade e à educação dos seus filhos e às que, quantas vezes precisamente por amor aos filhos, souberam ser firmes e educadoras, dizendo um “não” oportuno e salvador a muitos dos caprichos dos seus filhos adolescentes…

Às mães precocemente envelhecidas, gastas e doentes, tantas vezes esquecidas de si mesmas e que hoje se sentem mais tristes e magoadas, talvez por não terem um filho que se lembre delas, de as abraçar e beijar…

Às mães solitárias, paradas no tempo, não visitadas, não desejadas, e hoje abandonadas num qualquer quarto, num qualquer lar, na cidade ou no campo, e que talvez não tenham hoje nem uma pessoa amiga que lhes leia ao menos uma carta de um filho…

Também às mães que, não tendo dado à luz fisicamente, são mães pelo coração e pelo espírito, pela generosidade e abnegação, para tantos que, por mil razões, não tiveram outra mãe…

E, finalmente, também às mães queridíssimas que já partiram deste mundo e que por certo repousam já num céu merecido e conquistado a pulso e sacrifício…

A todas as mães, a todas, sem exceção mesmo, um abraço e um beijo cheios de simpatia e de ternura! E parabéns, mesmo que ninguém mais as felicite!

E obrigado, mesmo que ninguém mais as agradeça!

Autoria desconhecida.

“À minha mãe, que já descansa no plano superior, depois de uma vida muito atribulada e de muitas dores …. o meu amor eterno!” (Joemir Rosa).

Estamos com fome de amor

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/09/2011 by Joe

Uma vez Renato Russo disse, com uma sabedoria ímpar: “Digam o que disserem, o mal do século é a solidão”. Pretensiosamente digo que assino embaixo, sem dúvida alguma. Parem para notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias.

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas. E saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e … sozinhos.

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos “personal dancers” … incrível, né? E não é só sexo não, se fosse era resolvido fácil, alguém duvida?

Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão “apenas” dormir abraçados … sabe, essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega…

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção. Tornamo-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a “sentir”! Só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós.

Quem duvida do que estou dizendo é só dar uma olhada no site de relacionamentos Orkut, o número de comunidades como: “Quero um amor pra vida toda!”, “Eu sou pra casar!” e até a desesperançada “Nasci pra ser sozinho!”. Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis.

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos cada dia mais belos e … mais sozinhos. Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever estas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa. Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, demodèe, brega.

Alô, gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados … mas e daí? Seja ridículo, não seja frustrado, “pague mico”, saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir, mais cedo ou mais tarde, que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta.

Mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois.

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza? Um ditado tibetano diz que, se um problema é grande demais não pense nele, e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele? Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: “vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois (ou quem sabe até os dois), vai querer pular fora. Mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza que vou me arrepender pelo resto da vida”.

Antes idiota que infeliz!

Texto atribuído a Arnaldo Jabor.

Inanição intelectual

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/06/2011 by Joe

Gaston é um homem bonito que atrai quase todas as garotas de sua aldeia. Apenas uma não se sente fascinada por ele: Bela, que vê muito além das aparências. Bela vive à procura de algo maior e acredita que “deve existir algo além do que uma vida sem emoção”. Nesta aventura ela descobre os livros.

Desde que assisti ao musical (A Bela e a Fera) comecei a fazer uma sondagem nas plateias das palestras e convenções de aprendizado que participo. A primeira pergunta que lanço é muito subjetiva: quem tem o hábito de ler com frequência? Sem o compromisso da precisão matemática, posso afirmar que menos de um quarto da plateia levanta a mão. Começo, então, a dialogar com aqueles que levantaram a mão. A grande maioria, que diz ter o hábito da leitura, lê com frequência jornais e revistas. São poucos os que lêem livros.

Indo mais a fundo no questionamento, dirijo a pergunta para aqueles que disseram que lêem livros. A pergunta desta vez é: vocês lêem muitos livros? Em plateias com mais de 200 pessoas pode-se contar nos dedos quantos são aqueles que dizem sim. Mas, o questionamento derradeiro ainda está por vir: o que são muitos livros? Quantos livros são lidos em um ano? A resposta é surpreendente: quem lê muito, lê entre quatro a oito livros por ano! Pare para pensar e faça você também a estatística com as pessoas que você convive. São leitores contumazes ou engrossam as estatísticas da inanição intelectual?

Para alguns, os livros não passam de objetos de decoração e se prestam para “dar peso ao ambiente”. Neste processo de coisificação do livro, pouco importa o conteúdo: os livros são adquiridos por metro e a seleção se dá pela capa e pela lombada; quanto maior e mais colorido, melhor. A aparência de velhos e manuseados reforçam a ideia de cultura sólida e conhecimento de berço.

Pessoas inanimadas lêem muito pouco e, portanto, evoluem pouco na carreira e na vida. Uma coisa está diretamente ligada à outra. Sem conhecimento as pessoas não brilham. Apagadas, passam a vida nas trevas sem serem percebidas. Um profissional que não lê é um profissional que limita seu conhecimento sistêmico e, consequentemente, tem poucas perspectivas.

Outras pessoas, porém, consideram os livros “alimentos para o cérebro”. Da mesma forma que um veículo, para se movimentar, precisa de combustível; nosso corpo, para se manter ativo, precisa de alimento; a nossa mente, por sua vez, para se manter atualizada, precisa de conhecimento. Os livros cumprem este papel como boa alternativa de informação e pesquisa.

Uma pessoa que lê é uma fonte inesgotável de criatividade, pois quando a informação se transforma em conhecimento, a visão do todo se amplia. Ler um livro é como escalar uma montanha, subir no topo e dali ver o mundo de um novo ângulo, um ângulo superior e sistêmico.

A leitura de livros tem um custo-benefício extremamente vantajoso. Não é preciso empatar muito tempo, e tampouco muito capital, em algo que pode se transformar em um importante diferencial, capaz de impulsionar o sucesso em qualquer carreira. A leitura areja a mente, nutre as idéias e faz brotar o talento de cada um. Se realmente somos os nossos conhecimentos, a informação que ingerimos molda nossa personalidade e contribui na formulação de nossas ideias.

Aquilo que escolhemos para ler e o que resolvemos deixar de lado são, portanto, decisões críticas que tomamos. Qual a utilidade dos detalhes dolorosos de um crime? E a roupa usada por um artista famoso? E a briga entre torcidas após um clássico de futebol? O excesso de informações inúteis funciona como um hipnotismo que aciona o piloto automático e faz com que a pessoa viva na repetição, adormecida e com baixo senso crítico. O lixo cultural invadiu nossa vida e a informação útil compete em desvantagem com a poluição mental; assim, tudo que absorvemos torna-se parte de nós. Assim, quem está em evolução constante está a cada dia ampliando seu próprio dicionário de mundo.

O mal da humanidade tem nome: inanição intelectual, ou se preferir, simplesmente ignorância. O tempo é você que faz. Invente um futuro cheio de possibilidades. Vá além de apenas ler bons livros. Comece degustando, depois saboreie, e por fim devore-os. E bom apetite!

By Silvio Bugelli, consultor, conferencista e educador empresarial. Formado em Administração de Empresas com pós-graduação pela FGV.

Em busca da felicidade

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/02/2011 by Joe

Passamos a vida em busca da felicidade. Procurando o tesouro escondido. Corremos de um lado para o outro esperando descobrir a chave da felicidade.

Esperamos que tudo que nos preocupa se resolva num passe de mágica. E achamos que a vida seria tão diferente, se pelo menos fossemos felizes.

E, assim, uns fogem de casa para serem felizes e outros fogem para casa para serem felizes. Uns se casam para serem felizes e outros se divorciam para serem felizes. Uns fazem viagens caríssimas para serem felizes e outros trabalham além do normal para serem felizes.

Uma busca infinda. Anos desperdiçados.

Nunca a lua está ao alcance da mão, nunca o fruto está maduro, nunca o vinho está no ponto. Sombras, lágrimas. Nunca estamos satisfeitos.

Mas há uma forma melhor de viver! A partir do momento em que decidimos ser felizes, nossa busca da felicidade chegou ao fim. É que percebemos que a felicidade não está na riqueza material, na casa nova, no carro novo, naquela carreira, naquela pessoa. E jamais está à venda!

Quando não conseguimos achar satisfação dentro de nós para ter alegria, estamos fadados à decepção.

A felicidade não tem nada a ver com conseguir.

Consiste em satisfazer-nos com o que temos e com o que não temos. Poucas coisas são necessárias para fazer feliz o homem sábio, ao mesmo tempo que nenhuma fortuna satisfaria a um inconformado!

As necessidades de cada um de nós são poucas. Enquanto nós tivermos alguma coisa a fazer, alguém a amar, alguma coisa a esperar, seremos felizes.

Saiba: a única fonte de felicidade está dentro de você e deve ser repartida. Repartir suas alegrias é como espalhar perfumes sobre os outros: sempre algumas gotas acabam caindo sobre você mesmo.

By Ana Karine de Almeida

%d blogueiros gostam disto: