Arquivo para Cárcere

Escravidão

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , on 30/03/2015 by Joe

Escravidão

Saiba que o maior carrasco do ser humano é ele mesmo!

Não seja escravo dos seus pensamentos negativos. Liberte-se da pior prisão do mundo: o cárcere da emoção.

O destino raramente é inevitável, mas sim, uma escolha.

Então, escolha ser um ser humano consciente, livre e inteligente.”

By Augusto Cury.

Liberte-se de si mesmo

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 26/10/2012 by Joe

Liberte-se do passado, da sintonia do negativo-padrão que se repete vida após vida, quase sem nenhuma alteração, pois a vida representa nada mais, nada menos que uma nova oportunidade para o novo, para a renovação.

Liberte-se do passado, não seja carcereiro de si mesmo, deixa a luz entrar. Abra a porta de seu próprio cárcere com a chave da realização, com a chave do autoconhecimento. E jogue a velha chave no fundo poço do tempo pretérito, porque vida é processo de conscientização.

Liberte-se do passado, da sintonia das somatizações, da dor e do sofrimento. Seja um ser receptivo à verdade sobre si mesmo que insiste em sobressair ao entulho que tudo cobre, limita e bloqueia, sufocando mentes e corações.

Liberte-se do passado, não seja aquilo que a sua sintonia deseja que você seja. Seja você mesmo, porque as sucessivas experiências desperdiçadas como num livro aberto estão a nos mostrar que, por enquanto, o passado é vencedor e o presente, perdedor.

Portanto, definitivamente, liberte-se de um tempo que deixou-lhe marcas, feridas abertas, cicatrizes… Supere-o com a força do amor, da libertação, através do único caminho possível, o iluminado caminho da autotransformação.

By Flávio Bastos, psicanalista clínico.

Declaro-me vivo!

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 09/08/2012 by Joe

Antigamente me preocupava quando os outros falavam mal de mim. Então, fazia o que os outros queriam e a minha consciência me censurava.

Entretanto, apesar do meu esforço para ser bem educado, alguém sempre me difamava. Como agradeço a essas pessoas, que me ensinaram que a vida é apenas um cenário!

Desse momento em diante, atrevo-me a ser como sou. A árvore anciã me ensinou que somos todos iguais.

Sou guerreiro: a minha espada é o amor, o meu escudo é o humor, o meu espaço é a coerência, o meu texto é a liberdade.

Perdoem-me, se a minha felicidade é insuportável, mas não escolhi o bom senso comum. Prefiro a imaginação dos índios, que tem embutida a inocência.

É possível que tenhamos que ser apenas humanos.

Sem amor nada tem sentido, sem amor estamos perdidos, sem amor corremos de novo o risco de estarmos caminhando de costas para a luz. Por esta razão é muito importante que apenas o amor inspire as nossas ações.

Anseio que descubras a mensagem por detrás das palavras; não sou um sábio, sou apenas um ser apaixonado pela vida.

A melhor forma de despertar é deixando de questionar se nossas ações incomodam aqueles que dormem ao nosso lado.

A chegada não importa, o caminho e a meta são a mesma coisa. Não precisamos correr para algum lugar, apenas dar cada passo com plena consciência.

Quando somos maiores que aquilo que fazemos, nada pode nos desequilibrar. Porém, quando permitimos que as coisas sejam maiores do que nós, o nosso desequilíbrio está garantido.

É possível que sejamos apenas água fluindo; o caminho terá que ser feito por nós. Porém, não permitas que o leito escravize o rio, ou então, em vez de um caminho terás um cárcere.

Amo a minha loucura que me vacina contra a estupidez.

Amo o amor que me imuniza contra a infelicidade que prolifera, infectando almas e atrofiando corações.

As pessoas estão tão acostumadas com a infelicidade que a sensação de felicidade lhes parece estranha.

As pessoas estão tão reprimidas que a ternura espontânea as incomoda, e o amor lhes inspira desconfiança.

A vida é um cântico à beleza, uma chamada à transparência.

Peço-lhes perdão, mas…

Declaro-me vivo!

By Luis Ernesto Espinoza, índio ”Chamalú” da tribo Quéchua.

Jogo sujo de poder

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , on 21/08/2009 by Joe

Prisão ou liberdade?Existem pessoas que dizem amar, mas na verdade cometem práticas totalitárias e ditatoriais contra o ser amado. Suprimem a liberdade do ser amado.

Querem que o outro preste contas dos seus atos, e que faça um relatório até do que possa estar pensando.

Exigem que o outro altere seus planos de vida, isole-se do mundo, renegue suas convicções, abandone os seus desejos, afaste-se dos amigos e destrua a própria personalidade.

Existem pessoas que controlam o ser amado de uma forma irracional. Se pudessem, instalariam câmeras de vídeo no coração do ser “amado”. Viram carcereiros.

Desrespeitam a privacidade do ser amado. Vigiam.

Jogam o jogo sujo do poder, praticam chantagem emocional, agarram, prendem, oprimem, sufocam.

E chamam isso de amor …

By Edson Marques.

%d blogueiros gostam disto: