Arquivo para Cantores

Gratidão

Posted in Astral with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 09/02/2015 by Joe

Gratidão

Dói constatar que há muito pouco espaço para a gratidão manifesta, não importa sobre que tipo de justificativa: somos pródigos em arrumar desculpas, mesmo a respeito de pequenas omissões.

Geralmente não nos detemos o suficiente para analisar a importância que tiveram e têm em nossas vidas os conselhos e as atitudes de pessoas que cruzaram o nosso caminho nas mais variadas circunstâncias (muitas vezes nem as conhecíamos, o que não as impediram de ter desempenhado um papel importantíssimo no rumo de nossas vidas).

Estão perdidas em algum canto obscuro da nossa memória aquelas pessoas que:

– despertaram em nós uma vocação, ou até mesmo nos ensinaram a arte de um hobby, de um esporte, de uma profissão: foram para nós, num determinado momento, um ícone, uma referência; lógico que, depois, fizemos por merecer o que somos e construímos hoje, mas, seguramente, sem aquele “empurrão”, tudo teria sido muito mais difícil (ou, quem sabe, até impossível);

– num momento difícil de nossas vidas, em que o dinheiro era muito escasso, alimentaram nossos estômagos vazios, com lanches simples e maravilhosos, e/ou nos abrigaram por uns tempos, cedendo um espaço para ficarmos, tudo isso sem nada nos cobrar;

– nos disseram que haveria um concurso interessante e, muitas vezes, até nos emprestaram o dinheiro para a inscrição (através delas prestamos o concurso, fomos aprovados e estamos trabalhando lá até hoje);

– nos apresentaram ao mundo das artes e da cultura em geral, emprestando-nos discos e livros, nos permitindo o acesso à leitura de jornais, revistas (pode ser que nem nos emprestaram nada, mas, como vizinhos, nos brindaram com o som de cantores e músicas inesquecíveis, muitos deles determinantes nos rumos da nossa vida.

Merecem igualmente um espaço nobre na galeria da gratidão todas as pessoas que trabalharam para nós, ou nos prestaram serviços (em escolas, creches), cuidando de nossos filhos, principalmente quando eles eram mais indefesos: você pode até argumentar que sempre lhes pagou muito bem por esse serviço (o que não se discute), mas não se esqueça que, mesmo assim, seus filhos poderiam ter sido maltratados, agredidos, ter adquirido péssimos hábitos.

As pessoas, quando são atendidas em suas pequenas ou grandes solicitações, raramente se dignam a agradecer a gentileza a quem as valorizou e se mobilizou, sabe lá a que preço (em termos de dificuldade, de ordenação de agenda, disponibilidade de tempo), para atendê-las.

Agem como se fosse obrigação sua, como se fossem naturais os pedidos delas, como se fosse uma honra atendê-las, mesmo que você nunca as tenha visto ou ouvido falar delas antes. É bom se ressaltar que, quanto maior a amizade, maior a necessidade da valorização do gesto.

É restrito, também, o espaço das pequenas gentilezas, principalmente no trânsito. Quando você quer sair de uma vaga diagonal, e o trânsito está intenso, é normal você ter que esperar muito tempo: geralmente alguém só pára o carro e lhe dá passagem se ele estiver interessado em ocupar a sua vaga.

Se você quase sobe na calçada com o carro, ou espera pacientemente, para lhe dar passagem, o motorista passa por você na maior imponência e desprezo, sem olhar de lado e sem dar o menor aceno de reconhecimento pela gentileza com que foi distinguido, como se fosse um imenso prazer para você ter cedido espaço para tão importante personalidade.

Vestidas as carapuças, o mais importante de qualquer reflexão não é provocar lágrimas, arrependimentos, autocensuras: o que mais interessa é, com base no estímulo ao nosso campo de memória, o que podemos fazer de diferente agora, a partir do resgate da consciência de significativos momentos de nossa existência.

É possível reparar alguma coisa com aquelas pessoas que tanto representaram para nós? Se a resposta for negativa (“já morreram”, “não tenho a menor ideia como reencontrá-las”, etc.), cabe outra reflexão, como forma grata de “pagamento” pelo que, de maravilhoso, recebemos um dia: “O que está ao meu alcance fazer, para participar da vida de outras pessoas que, no momento presente, tal como eu, precisam de algum tipo de estímulo?”

E por que tudo isso? E por que dar atenção a esses convites? Se não movido por impulsos afetivos, éticos e de reconhecimento, pelo menos em atenção a um princípio interessante na vida, que nos convida a continuamente renovarmos o ciclo “receber, agradecer, desfrutar, compartilhar, devolver”.

By Lourival Antonio Cristofoletti.

A nossa canção

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , on 03/11/2010 by Joe

Quando uma mulher em uma tribo africana sabe que está grávida, ela sai para a mata com algumas amigas, e juntas rezam e meditam até ouvirem a canção da criança. Elas sabem que cada alma tem sua vibração própria, que expressa seu propósito e aromas próprios.

Quando as mulheres se afinam com a canção, elas a cantam em voz alta. Então retornam à tribo e ensinam a canção a todos os outros.

Quando a criança nasce, a comunidade se reúne e canta a canção pra ela. Mais tarde, na idade de ir pra escola, a vila se reúne para cantar a canção pra criança.

Quando da iniciação da fase adulta, novamente o povo se reúne e canta a canção. À época do casamento, a pessoa ouve sua canção. E, finalmente, quando a alma está pronta para sair deste mundo, a família e os amigos se reúnem em torno da cama da pessoa, como fizeram no seu nascimento, e cantam à pessoa para a próxima vida.

Para esta tribo africana há outra ocasião na qual o povo canta para a criança também. Se em algum momento de sua vida, a pessoa comete um crime ou um ato anti-social, o individuo é chamado ao centro da vila e as pessoas da comunidade formam um círculo ao redor dele. E, então, cantam sua canção para que a ouça.

A tribo reconhece que o corretivo para o comportamento anti-social não é a punição; é o amor e a lembrança da identidade. Quando você reconhece sua própria canção, não tem desejo ou necessidade de fazer nada que possa ferir a outrem e a si mesmo.

Um amigo é alguém que sabe sua canção e a canta quando você a esqueceu. Os que te amam não são enganados pelos erros que você tenha cometido, ou por imagens obscuras que tenha de si mesmo. Eles te lembram sua beleza quando você se sente feio; sua totalidade quando você está partido; sua inocência quando se sente culpado; seu propósito quando está confuso.

Você pode não ter nascido numa tribo africana que canta para você nas transições cruciais da vida, mas a vida está sempre te fazendo lembrar quando está afinado consigo mesmo e quando não está.

Quando você se sente bem, o que está fazendo se compara à sua canção, e quando se sente mal, tal não acontece. No fim, todos nós reconheceremos nossa própria canção e a cantaremos muito bem.

Você pode se sentir como que apenas murmurando, mas assim acontece com todos os grandes cantores. Apenas continue cantando e você vai encontrar seu caminho para Casa.

By Allen Cohen.

%d blogueiros gostam disto: