Arquivo para Caminhar

Horizonte

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , on 31/05/2013 by Joe

Horizonte

Certa vez, um aluno chegou à casa de um grande sábio e pediu para falar com ele. Segundo o seu ponto de vista, havia uma coisa na criação do mundo que não tinha nenhum sentido.

O sábio o atendeu de imediato, curioso por saber qual era a falha que havia na criação.

– “Mestre, a criação do mundo é muito bonita, muito funcional, cada coisa tem sua razão de ser, mas, no meu ponto de vista, tem uma coisa que não serve para nada.”

– “E que coisa é essa que não serve para nada?” – perguntou o mestre.

– “É o horizonte. Para que serve o horizonte? Se eu caminho um passo em sua direção, ele se afasta um passo de mim. Se caminho dez passos, ele se afasta outros dez passos. Isto não faz sentido! O horizonte não serve pra nada.”

O mestre sorriu e disse:

– “Mas é justamente para isso que serve o horizonte… para fazê-lo caminhar e nunca desistir de lutar pelo amanhã!”

Desconheço a autoria.

Escolhas e decisões

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/02/2012 by Joe

O desafio de fazer uma escolha não é a escolha em si, mas ser capaz de abrir mão de tudo que não foi escolhido. Se pudéssemos escolher e manter também o não escolhido seria fácil fazer escolhas, não é? O duro mesmo é a renúncia. Que dureza decidir…

E assim é com tudo na vida, não dá para ter tudo ao mesmo tempo agora. Pode ser tudo, mas uma coisa de cada vez e numa progressão de tempo que não atende ao nosso desejo mágico de simultaneidade.

Claro que há coisas que podem e são simultâneas, mas essas não nos dão angústia, porque não exigem decisão. É a escolha que nos angustia, que nos tira do centro, que nos faz repensar valores, prioridades, responsabilidades. É para isso mesmo que vivemos o dilema das decisões, para nosso autoconhecimento. O desconforto da escolha nada mais é do que um chacoalhão para sairmos de nosso espaço já conhecido e muito habitado de mundo, e nos aventurarmos a olhar um cenário mais amplo da vida.

Há todo um potencial contido em cada escolha. As coisas podem não correr do jeito que pensamos e até podemos concluir que aquele caminho foi um erro. Porém, de fato, todo caminho nos ajuda a compreender um pouco mais dessa habilidade incrível que é caminhar. E a chave para abrir esse portal de oportunidades são as escolhas. Cada decisão nos leva a inéditos conceitos sobre quem somos e o que queremos, mesmo que nossa escolha seja manter tudo como está – isso fala mais de nós do que imaginamos. Eleger algo é definir que tipo de vida queremos naquele momento.

O tema da tomada de decisão não é uma angústia nova, ao contrário. Desde o começo de toda a filosofia que muitos pensadores já se debruçaram sobre o tema e nos inspiraram com suas reflexões. Platão nos conta que Sócrates, em seu último dia de vida, ao aconselhar um de seus discípulos sobre decisões futuras, disse:

– “Faça o que achar melhor, desde que venha a se arrepender um dia!”

Esse é conselho de mestre mesmo. Não escreva na pedra, escreva na areia. As coisas vão mudar, então, esteja preparado para mudar com elas. Uma decisão revela sobre você e seu momento, não é um epíteto que define como será o resto de sua vida. Tudo é transitório, assim como nossas decisões.

A experiência mais interessante é decidir com desapego. Tanto de abrir mão daquilo que não foi escolhido, como ser capaz de lidar com a impermanência do que foi. As coisas mudam. A gente estuda e depois vai trabalhar com outras coisas. Casa e descasa. Tem filhos que um dia vão embora viver suas próprias escolhas.

Podemos escolher e viver a escolha enquanto seu prazo de validade vigorar. Depois, é preciso passar para o próximo estágio, fluir na correnteza da existência e perceber que as decisões também mudam. O que acho mais interessante no conselho de Sócrates não é a sábia contradição de se arrepender um dia, mas a primeira parte do conselho: “Faça o que achar melhor”.

Esse é um luxo ao qual raramente nos damos o direito e o deleite. Fazemos escolhas baseados no que esperam de nós, o que achamos que é o mais sensato, o mais razoável, o que o dever nos cobra, etc. Contudo, só ocasionalmente temos o foco em fazer o que achamos melhor para nós. O que nosso coração clama. Por isso o conflito é ainda maior, porque temos receio de seguir nosso desejo e nos vemos enredados pela trama da cultura que nos conta o que é o melhor.

Então abandonamos a mochila no armário e vestimos o uniforme de sérios e responsáveis, sem perceber que a maior irresponsabilidade é não darmos ouvidos ao nosso projeto mais pessoal de vida.

Somos frutos de nossas escolhas e é sempre tempo de aplicarmos mais sabedoria e menos conhecimento, mais coração e menos razão, mais sensibilidade e menos responsabilidade. Não é tirar isso tudo, é diminuir o volume, fazer uma fórmula mais baseada nos impulsos internos e não nos compromissos externos. Naturalmente, isso também é uma decisão que nos cabe tomar.

By Dulce Magalhães, sócia da Work Educação Empresarial e colunista da Carta de Floripa na edição mensal da Revista Amanhã.

Escolhas e decisões

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/06/2010 by Joe

“Fazemos escolhas baseadas no que esperam de nós – e não no que achamos melhor para nós!”

O desafio de fazer uma escolha não é a escolha em si, mas ser capaz de abrir mão de tudo que não foi escolhido. Se pudéssemos escolher e manter também o não escolhido seria fácil fazer escolhas, não é? O duro mesmo é a renúncia. Que dureza decidir. E assim é com tudo na vida, não dá para ter tudo ao mesmo tempo agora. Pode ser tudo, mas uma coisa de cada vez e numa progressão de tempo que não atende ao nosso desejo mágico de simultaneidade.

Claro que há coisas que podem e são simultâneas, mas essas não nos dão angústia, porque não exigem decisão. É a escolha que nos angustia, que nos tira do centro, que nos faz repensar valores, prioridades, responsabilidades. É para isso mesmo que vivemos o dilema das decisões, para nosso autoconhecimento. O desconforto da escolha nada mais é do que um chacoalhão para sairmos de nosso espaço já conhecido e muito habitado de mundo e nos aventurarmos a olhar um cenário mais amplo da vida.

Há todo um potencial contido em cada escolha. As coisas podem não correr do jeito que pensamos e até podemos concluir que aquele caminho foi um erro. Porém, de fato, todo caminho nos ajuda a compreender um pouco mais dessa habilidade incrível que é caminhar. E a chave para abrir esse portal de oportunidades são as escolhas. Cada decisão nos leva a inéditos conceitos sobre quem somos e o que queremos, mesmo que nossa escolha seja manter tudo como está – isso fala mais de nós do que imaginamos. Eleger algo é definir que tipo de vida queremos naquele momento.

O tema da tomada de decisão não é uma angústia nova, ao contrário. Desde o começo de toda a filosofia que muitos pensadores já se debruçaram sobre o tema e nos inspiraram com suas reflexões. Platão nos conta que Sócrates, em seu último dia de vida, ao aconselhar um de seus discípulos sobre decisões futuras, disse: “Faça o que achar melhor, desde que venha a se arrepender um dia.”

Esse é conselho de mestre mesmo. Não escreva na pedra, escreva na areia. As coisas vão mudar, então esteja preparado para mudar com elas. Uma decisão revela sobre você e seu momento, não é um epíteto que define como será o resto de sua vida. Tudo é transitório, assim como nossas decisões. A experiência mais interessante é decidir com desapego. Tanto de abrir mão daquilo que não foi escolhido, como ser capaz de lidar com a impermanência do que foi. As coisas mudam. A gente estuda e depois vai trabalhar com outras coisas. Casa e descasa. Tem filhos que um dia vão embora viver suas próprias escolhas.

Podemos escolher e viver a escolha enquanto seu prazo de validade vigorar. Depois, é preciso passar para o próximo estágio, fluir na correnteza da existência e perceber que as decisões também mudam. O que acho mais interessante no conselho de Sócrates não é a sábia contradição de se arrepender um dia, mas a primeira parte do conselho: “Faça o que achar melhor”.

Esse é um luxo ao qual raramente nos damos o direito e o deleite. Fazemos escolhas baseados no que esperam de nós, o que achamos que é o mais sensato, o mais razoável, o que o dever nos cobra, etc. Contudo, só ocasionalmente temos o foco em fazer o que achamos melhor para nós. O que nosso coração clama. Por isso o conflito é ainda maior, porque temos receio de seguir nosso desejo e nos vemos enredados pela trama da cultura que nos conta o que é o melhor.

Então abandonamos a mochila no armário e vestimos o uniforme de sérios e responsáveis, sem perceber que a maior irresponsabilidade é não darmos ouvidos ao nosso projeto mais pessoal de vida. Somos frutos de nossas escolhas e é sempre tempo de aplicarmos mais sabedoria e menos conhecimento, mais coração e menos razão, mais sensibilidade e menos responsabilidade. Não é tirar isso tudo, é diminuir o volume, fazer uma fórmula mais baseada nos impulsos internos e não nos compromissos externos. Naturalmente, isso também é uma decisão que nos cabe tomar.

By Dulce Magalhães, sócia da Work Educação Empresarial e colunista da Carta de Floripa na edição mensal da Revista Amanhã.

%d blogueiros gostam disto: