Arquivo para Calda

Sericaia

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/11/2014 by Joe

Sericaia

Sericaia, ou sericá, é um doce tipicamente alentejano cuja receita é de origem duvidosa. Não existe consenso sobre sua origem. Encontram-se referências a origens indianas, brasileiras e portuguesas. Na obra “Gastronomia e Vinhos do Alentejo”, Alfredo Saramago nos conta:

– “A dúvida nunca mais se resolve. Uns dizem que a receita veio da Índia, outros que ela veio do Brasil. O que é certo é que, desde os tempos da nossa expansão, a sericaia, ou sericá, era preparada, com todo o esmero, por dois conventos alentejanos que se arrogavam de direitos de importação da receita.” (Saramago, pg. 242).

Neste caso, o autor referia-se ao convento das Chagas de Cristo, de Vila Viçosa e o de Santa Clara, de Elvas. Há até a alusão à competição entre estes dois conventos para justificar os dois nomes atribuídos ao doce – Sericá e Sericaia. No caso das freiras do Convento de Elvas, estas preparavam o doce e decoravam com as famosas ameixas da região, juntamente com uma calda doce.

Segundo contam, a Sericaia teria origem no Convento das Chagas, mas no Convento das Clarissas acrescentou-se canela à receita e, a partir daí, a Sericaia passou a fazer mais sucesso. Neste caso, a sericaia seria uma receita contemporânea da origem da doçaria conventual em Portugal no século XV. Foi nessa altura que o açúcar entrou na gastronomia dos conventos, com a produção da cana de açúcar da Ilha da Madeira.

Sobre a origem oriental, a lenda diz que a sericaia é uma receita mais remota e terá tido a sua origem em Malaca, e a sua receita foi trazida pelo copeiro de D. Constantino de Bragança, sétimo vice-rei da Índia.

Independente da origem, o mais importante é que o toque de canela e a textura fofa fazem deste doce uma verdadeira delícia. No entanto, o segredo dele, mais do que os ingredientes utilizados, é a forma de colocá-lo no prato (que dever de barro ou estanho), ou seja, às colheradas desencontradas!

Sericaia

Ingredientes

12 ovos, separadas as claras das gemas
1 litro de leite
½ kg de açúcar
90 g de farinha
casca de um limão
1 canela em pau
1 colher (chá) de sal
canela em pó a gosto

Modo de preparo

Comece pré-aquecendo o forno a 225º C.

Em uma panela, ferva o leite com a casca do limão, o pau de canela e o sal. Retire do fogo e deixe amornar.

Enquanto isso, bata muito bem as gemas dos ovos com o açúcar até que a mistura fique bem cremosa. Reserve.

Em seguida, dissolva a farinha, aos poucos, no leite morno, junte o creme de gemas e açúcar, leve novamente ao fogo baixo e vá mexendo bem até engrossar. Desligue o fogo, tire a casca do limão e o pau de canela e deixe amornar.

Enquanto isso, bata as claras em neve, na batedeira, em velocidade média, até que fiquem em ponto de picos altos (para saber se estão no ponto, vire a tigela de cabeça para baixo e as claras não podem cair). Incorpore-as com cuidado ao creme preparado anteriormente.

Leve ao forno um prato de barro, fundo e largo, para aquecer. Uma vez aquecido, espalhe o creme sobre ele em colheradas desencontradas (uma colherada no sentido do centro para as bordas do prato e a outra atravessada).

Polvilhe bastante canela em pó e leve para assar por cerca de 1 hora. Para saber se está no ponto, faça o teste do palito: se ele sair seco ao colocá-lo no centro do prato, a sericaia está pronta. É normal que ela apresente “rachaduras” após estar assada.

By Joemir Rosa.

Ataif

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13/09/2014 by Joe

Ataif

Os doces árabes, muito elaborados, são geralmente preparados com nozes, amêndoas, frutas secas e mel, e aromatizados com deliciosas essências, como a de rosas e a de flor de laranja, que evocam lembranças às “mil e uma noites”. Em alguns países, ainda são usadas as flores de laranja para aromatizar a água que servirá à preparação de pratos.

Comparados à maioria dos doces ocidentais, a doçaria árabe é bem mais acentuada no açúcar, característica que cai bem no gosto dos brasileiros, pois se assemelham na doçura à confeitaria portuguesa e às nossas compotas regionais e doces de fazenda.

Uma iguaria da doçaria árabe muito conhecida no mundo inteiro é a Baklava, torta de massa folhada de origem turca, e o ataif, servido quente e coberto com calda de flor de laranjeira.

Ataif são pequenas panquecas recheadas de nozes ou queijo e umedecidas com uma calda rala feita de água, açúcar, limão, água de rosas ou de flor de laranjeira. Também é usado o mel no lugar da calda. É uma sobremesa luxuosa, muito usada em casamentos por todo o Oriente Médio e mundo árabe.

E hoje trazemos exatamente essa receita deliciosa, muito ao gosto dos brasileiros!

Ataif de nozes

Ingredientes

Massa

500 ml de leite tipo B
1 ½ colher (sopa) de fermento biológico
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
óleo de canola para untar uma chapa (frigideira)

Recheio

500 g de nozes moídas
1 colher (sopa) de açúcar refinado
1 colher (café) de canela em pó

Calda

300 ml de água
½ kg de açúcar
2 colheres de sopa de água de flor de laranjeira
suco de 1 limão

Modo de preparo

Massa

Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador. Aqueça bem uma chapa (ou frigideira), e unte-a com o óleo. Em fogo médio, coloque uma concha pequena da massa de ataif e espalhe pela chapa formando discos de mais ou menos uns 10 cm de diâmetro. Asse apenas de um lado. Depois de cozidos, retire-os da chapa com o auxílio de uma espátula.

Entre uma panqueca e outra, limpe a chapa ou frigideira com um guardanapo umedecido em óleo.

Recheio

Misture bem as nozes com o açúcar e a canela.

Montagem

Recheie cada crepe (deixe as massas com o lado mais claro para cima) com 1 colher (de sopa) do recheio de nozes. Feche formando uma meia lua e pressione bem a borda para lacrar o ataif.

Calda

Em uma panela, derreta o açúcar na água, em fogo médio até engrossar. Quando estiver em ponto de fio, acrescente o suco de limão, misture bem e retire do fogo. Acrescente a água de flor de laranjeira, misturando bem, regue as panquecas e sirva imediatamente.

Experimente também preparar a calda com água de rosas, encontrada em lojas de produtos árabes.

By Joemir Rosa.

Mousse de menta com calda de chocolate

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15/03/2014 by Joe

Mousse de menta com chocolate

A França é a mãe das mousses (la mousse, espuma), daqueles de consistência quase mágica e sabor de nuvem.

Existem muitas teorias e histórias sobre a origem da palavra mousse. Uma das mais interessantes conta que, na Roma antiga, existia uma mistura de mel com vinho chamada de muslum. Com as modificações do latim, a palavra transformou-se em mulsa.

Em francês, a palavra se transformou em mousse e, por volta do século 19, foi o nome dado a um doce aerado preparado na Inglaterra. Mousse na França, ou musse no bom português, significa algo leve e espumoso, porém com textura estável.

Conta a história que a mousse de chocolate teria sido inventada no início do século XX pelo artista francês Henri de Toulouse-Lautrec que a chamou, originalmente, de “maionese de chocolate”

As mousses podem ser preparadas a partir de praticamente todos os ingredientes, doces ou salgados. Basta acrescentar claras batidas em neve ou creme de leite batido. A mousse é um prato leve e pode ser servida tanto como entrada, no caso das mousses salgadas, como uma deliciosa sobremesa. Qualquer que seja a situação, lembre-se de que é servida sempre fria!

Ah, e quando você for preparar a mousse, não esqueça de dar uma atenção especial à apresentação do prato. O paladar é bastante estimulado pelos olhos e pela elegância.

A receita de hoje foge um pouco das tradicionais mousses doces, de chocolate, maracujá ou limão. Desta vez o chocolate vem na forma de uma calda deliciosa, dando um toque diferenciado, tanto no sabor quanto na apresentação da sobremesa.

Mousse de menta com calda de chocolate

Ingredientes

Mousse

1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite com soro
1 xícara de licor de menta
1 pacote de gelatina em pó sem sabor
½ xícara de água

Calda de chocolate

200 gramas de chocolate meio amargo bem picado
1 lata de creme de leite com o soro

Modo de preparo

Antes de tudo, comece hidratando a gelatina na água fria por uns dois ou três minutos. Depois, aqueça em banho-maria até dissolver bem, tomando o cuidado de não deixar ferver.

Em seguida misture todos os ingredientes no liquidificador e bata tudo muito bem. Despeje o creme em taças individuais (se preferir utilizar uma forma para pudim, unte-a com uma fina camada de óleo de soja), leve à geladeira por algumas horas (o ideal é preparar de um dia para o outro).

Para a calda basta derreter completamente o chocolate picado em banho-maria, apagar o fogo e misturar bem o creme de leite com o soro até obter um creme bem homogêneo. Na hora de servir, espalhe a cobertura sobre a mousse gelada.

By Joemir Rosa.

Frozen yogurt

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/01/2014 by Joe

Frozen Yogurt

O verão está aí e os dias estão infernais! As temperaturas estão acima do normal e os dias e noites estão muito abafados.

E, como sempre, a pedida para enfrentar o calor é o velho e bom sorvete. Desde sua chegado ao mercado brasileiro, o frozen yogurt tem sido uma ótima sobremesa para combater as altas temperaturas. Uma delícia gelada que pode ser preparada em casa, com frutas de todos os tipos, com ou sem calda.

Dizem que o frozen yogurt surgiu no Canadá, mas, industrialmente, teria se expandido nos Estados Unidos, mais precisamente em Boston, a partir do ano de 1972. Em pouco tempo já estava nas principais cidades de todo o país. Hoje em dia, acredita-se que 20% de todos os sorvetes consumidos nos Estados Unidos são frozen yogurt.

E uma curiosidade: por lá é possível encontrar até frozen yogurt para cães. É um frozen yogurt orgânico com banana, amendoins e água.

A receita de hoje é muito saborosa e refrescante e pode ser apreciada com uma variedade enorme de frutas, e até com caldas! Eu, particularmente, prefiro com pêssegos em calda ou morangos.

Frozen yogurt

Ingredientes

300 g de iogurte natural
3 colheres (sopa) de creme de leite em lata
3 colheres (sopa) de leite em pó
170 g de açúcar
250 ml de suco de limão

Modo de preparo

Em um recipiente, coloque o iogurte, o creme de leite sem o soro, o leite em pó e o açúcar e mexa bem até obter uma mistura homogênea.

Em seguida, adicione o suco de limão. Leve para a batedeira e bata a mistura durante 10 minutos. Cubra com um filme-plástico e leve ao freezer por umas 6 horas.

Tire do freezer, deixe amolecer um pouco, e bata novamente até obter a consistência de um creme. Cubra novamente e leve ao freezer até ficar firme.

Sirva acompanhado de frutas frescas ou pêssegos em calda.

By Joemir Rosa.

Bolo de caneca

Posted in Receitas with tags , , , , , on 28/04/2012 by Joe

Bateu aquela vontade de comer um bolo de chocolate, mas tá com preguiça de sujar batedeira, refratários, colheres, formas, sem contar o tempo de preparo e de assar?

Seus problemas acabaram!!!!

Faça um delicioso e prático bolo de caneca em poucos minutos e saboreie logo em seguida! Com poucos ingredientes você assa o bolo e, se quiser, ainda prepara uma deliciosa calda cremosa por cima, deixando o bolo mais úmido e saboroso ainda!

Vamos lá? Dá pra preparar no intervalo do futebol ou da novela! A receita rende quatro porções (quatro canecas).

Bolo de caneca

Ingredientes

1/2 xícara (chá) de óleo
4 ovos
1 xícara (chá) água
1/2 xícara (chá) chocolate pó
2 xícaras (chá) farinha trigo
1 xícara (chá) açúcar
1 colher (sobremesa) fermento em pó

Modo de preparo

Bata os três primeiros ingredientes no liquidificador por 2 minutos. Acrescente o chocolate, a farinha de trigo, o açúcar e bata por mais 3 minutos. Depois adicione o fermento e mexa bem.

Coloque a massa até a metade das canecas e leve ao microondas por 2 minutos. Deixe descansar por mais uns 2 minutos. Enquanto isso, prepare a calda.

Calda cremosa

Ingredientes

1 xícara (chá) de chocolate meio amargo picado
3 colheres (sopa) de creme de leite
1 colher (sopa) de leite
chocolate granulado branco ou confeitos coloridos para decorar

Modo de preparo

Leve o chocolate ao fogo em banho-maria junto com o creme de leite e o leite. Mexa bem até derreter o chocolate e formar uma calda bem homogênea e cremosa.

Tire o bolo do microondas, cubra com a calda e, se quiser, polvilhe chocolate branco granulado ou confeitos coloridos por cima.

Corra pra sala que está começando o segundo tempo do futebol … ou da novela!!

By Joemir Rosa.

Manjar branco

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14/04/2012 by Joe

A história deste doce é, no mínimo, curiosa! Contam que, em meados do século XVI, uma princesa portuguesa, d. Maria, levou de Lisboa a Nápoles a seguinte receita de “manjar branco”:

“Tomareis o peito de uma galinha preta e pô-lo-eis a cozer sem sal, senão na água, e há de ser não muito cozida, para que se possam tirar as fêveras inteiras. (…) E para este peito é mister um arretel de arroz (…) e uma camada de leite deitada no tacho, e sete onças de açúcar. E tomareis a galinha e darlhe-eis três machucadas num gral, e deitá-la-eis a farinha de arroz e (…) o sal com que se tempere, muito bem mexido.

Então, pô-lo-eis no fogo e (…) a tempo batereis. Quando estiver cozido, deitar-lhe-eis o açúcar e, se não for muito doce, poder-lhe-eis lançar mais; e, como for cozido, tirai o tacho fora e enchei as escudelas e deitai-lhe açúcar pisado por cima”.

A receita faz parte dos quatro cadernos manuscritos que ela levou consigo por ocasião de seu casamento com Alexandre de Farnésio, terceiro duque de Parma, Piacenza e Guastella.

A história do manjar branco é excepcional para entendermos as mudanças na cozinha ocidental. Ainda que esse seja um doce que nem todos gostam, sua presença nas mesas portuguesas e brasileiras é uma tradição. De uma receita praticamente medieval, à base de galinha, como a da princesa portuguesa, o manjar branco se transformou lentamente no doce de coco com calda de ameixa dos dias de hoje.

Em 1680, a receita de d. Maria já havia se transformado. Além de peito de galinha, levava açúcar, leite e água de flor – o sal já havia sido suprimido. Em 1780 o manjar branco foi descrito por um cozinheiro francês que trabalhava na corte de Lisboa como “manjar à portuguesa”. Levava ainda peito de galinha, farinha de arroz, açúcar em “pó” e leite. A receita atravessou o Atlântico e apareceu no primeiro livro de cozinha publicado no Brasil, “O Cozinheiro Imperial”, de 1841. Dessa forma, a sobremesa associa-se à história de Portugal e do Brasil e reflete tempos, sabores e saberes culinários de diferentes períodos.

Em seu livro “Açúcar”, Gilberto Freyre fala muito sobre a influência africana na cozinha brasileira, e o manjar branco é um dos melhores exemplos dessa influência. Ao longo do século XIX, ele perdeu o peito de galinha, mas ganhou o leite de coco. Não perdeu a cor, mas ganhou inimigos ferrenhos que o comparam com o pudim de leite. Pobre comparação! O manjar branco continua gostoso como sempre, com sua majestade imperial e histórica.

Lá em casa o manjar é “hors concours” nas mesas de grande parte da família! Muito gostoso, até mesmo sem calda!

Manjar branco

Ingredientes

1 litro de leite
2 vidros (400 ml) de leite de coco
1 lata de leite condensado
5 colheres (sopa) de amido de milho

Para a calda de ameixas

300 gr de ameixas pretas sem caroços
3 xícaras (chá) de vinho tinto
2 xícaras (chá) de açúcar
2 pedaços de canela em pau
gotas de essência de baunilha para aromatizar

Modo de preparo

Dilua o amido de milho em uma xícara de leite e reserve. Em uma panela misture o leite restante, o leite de coco e o leite condensado. Leve ao fogo, vá mexendo até ferver. Retire momentaneamente do fogo, junte o amido de milho diluída no leite e volte ao fogo, mexendo sempre para não embolotar (caso isso aconteça, bata no liquidificador), até obter a consistência de um mingau grosso.

Molhe uma forma de bolo com buraco no meio e despeje o manjar. Leve à geladeira até a hora de servir.

Para a calda de ameixas, coloque em uma panela as ameixas, o vinho tinto, o açúcar, a canela em pau e algumas gotas de baunilha e deixe cozinhar em fogo médio até a ameixa ficar macia e a calda engrossar.

Na hora de servir retire o manjar da geladeira, desenforme e sirva com a calda de ameixas.

Para quem preferir, uma calda de morangos também fica muito bom! Eu, particularmente, ainda gosto de polvilhar coco ralado por cima!

By Joemir Rosa.

Brownie de chocolate com nozes

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , on 11/02/2012 by Joe

O brownie é um doce tipicamente americano. A história de sua criação é meio controversa e tem várias versões. A mais conhecida delas é que esta magnífica sobremesa teria sido criada por descuido de um cozinheiro ou uma dona de casa que esqueceu de adicionar fermento ao preparo de um bolo de chocolate com nozes.

Para não admitir que havia errado, e salvar a receita, ele cortou a massa em quadrados pequenos e os serviu, anunciando à todos que havia preparado alguns “brownies” (marrom escuro, como o nome diz). E, no final, todos adoraram!

Segundo alguns registros gastronômicos, isso teria acontecido por volta do final do século 19, início do 20.

Sua textura está entre o bolo e uma espécie de cookie – casquinha crocante, durinho por fora, macio e úmido por dentro.

Talvez jamais saibamos a origem certa do brownie e nem quem o criou, mas com certeza sabemos tratar-se de uma sobremesa deliciosa, principalmente com as variações na hora de servir, com sorvete e calda.

E é esta versão que estamos publicando na receita de hoje. Fácil e rápida de preparar, com certeza irá agradar a todos os chocólatras ou não!

Brownie de chocolate com nozes

Ingredientes

Brownie

200 gr de chocolate meio amargo picado
5 colheres (sopa) de manteiga gelada
2 ovos grandes
1 xícara (chá) de açúcar
1 colher (chá) de essência de baunilha
1 xícara (chá) de farinha de trigo
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
½ xícara (chá) de nozes
½ xícara chocolate picado

Calda

1 lata de leite condensado
6 colheres de chocolate em pó (ou achocolatado)
1 colher de manteiga

Modo de preparo

Corte a manteiga em pedaços pequenos e derreta junto com o chocolate em  banho-maria, sem deixar a água ferver, mexendo bem até o chocolate ficar liso. Retire do banho-maria e deixe esfriar à temperatura ambiente.

Em uma tigela grande, bata os ovos, o açúcar e a baunilha até engrossar e ficar com uma cor clara. Junte o chocolate picado e misture bem. Reserve.

Ligue o forno e pré-aqueça à temperatura média (180ºC).

Em outra tigela, peneire a farinha, o fermento e o sal. Misture bem e junte à mistura de chocolate reservada. Bata bem até obter uma massa bem homogênea. Acrescente as nozes, o chocolate picado, misture tudo muito bem e espalhe a massa numa forma ou refratário untado e polvilhado com farinha.

Leve para assar por 30 a 35 minutos, ou até que, ao espetar um palito no brownie, ele saia úmido.

Prepare a calda colocando o leite condensado, o chocolate em pó e a manteiga em uma panela e leve ao fogo médio. Mexa bem até que fique com uma consistência de calda grossa.

Corte o brownie em pedaços, despeja calda quente e sirva com sorvete de creme!

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: