Arquivo para Batalha

Três perguntas

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/01/2013 by Joe

Três perguntas

Nenhuma vitória é valorizada sem luta e nenhuma batalha é ganha se não for bem planejada e executada.

Apenas precisamos responder de forma positiva e categórica a três perguntas:

1) O que eu quero?
2) O que eu quero eu mereço?
3) O que eu quero e mereço é bom?

Nem sempre sabemos o que queremos; outras vezes não nos sentimos merecedores e, por vezes, nem sempre vai nos trazer a efetiva felicidade.

Nem sempre os obstáculos são tão grandes assim. Na maioria das vezes somos enganados por nossos sentidos que, obliterados, nos iludem e nos fazem ver problemas onde apenas existem soluções.

Isso quando não rejeitamos a solução, só aceitamos como decisão uma única saída, que quase sempre nos remete ao mesmo problema, apenas com uma roupagem diferente.

Não permitimos que o Deus de nosso coração e compreensão atue efetivamente em nossas vidas e depois reclamamos que nossas rogativas não são ouvidas.

By Carlos Eduardo Bronzoni.

Os dois lobos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28/06/2012 by Joe

Existe uma antiga história dos índios cherokee sobre o cacique de uma grande aldeia. Um dia, o cacique decidiu que era hora de orientar o seu neto favorito sobre a vida. Ele o levou para o meio da floresta, fez com que se sentasse sob uma velha árvore e explicou:

– “Filho, existe uma batalha sendo travada dentro da mente e do coração de todo ser humano que vive hoje. Embora eu seja um velho e sábio cacique, o líder da nossa tribo, essa mesma batalha é travada dentro de mim. Se você não souber dessa batalha, ela o fará perder o juízo. Você nunca saberá que direção tomar. As vezes vencerá na vida e, depois, sem entender o porquê, perceberá que está perdido, confuso, com medo, arriscado a perder tudo o que trabalhou tanto para ganhar. Você muitas vezes achará que está fazendo a coisa certa e depois descobrirá que fez as escolhas erradas. Se você não entender as forças do bem e do mal, a vida individual e a vida coletiva, o verdadeiro eu e o falso eu, você viverá a vida todo num grande tumulto”.

“E como se existissem dois grandes lobos vivendo dentro de mim; um é branco e o outro é preto. O lobo branco é bom, gentil e não faz mal a ninguém. Ele vive em harmonia com tudo à sua volta e não se ofende se a intenção não era ofender. O lobo bom, sensato e certo de quem ele é e do que é capaz, briga apenas quando essa é a coisa certa a fazer e quando precisa se proteger ou à sua família, e mesmo então ele faz isso da maneira certa. Ele toma conta de todos os outros lobos da matilha e nunca se desvia da sua natureza”.

“Mas existe o lobo preto também, que vive dentro de mim, e esse lobo é bem diferente. Ele é ruidoso, zangado, descontente, ciumento e medroso. Basta uma coisinha para que ele se encha de fúria. Ele briga com todo mundo, o tempo todo, sem nenhuma razão. Ele não consegue pensar com clareza, porque a sua ganância para ter sempre mais e a sua raiva e a sua ira são grandes demais. Mas trata-se de uma raiva infrutífera, filho, porque ela não muda nada. Esse lobo só procura confusão aonde quer que vá, e por isso sempre acaba achando. Ele não confia em ninguém, por isso não tem amigos de verdade.”

O velho cacique ficou sentado em silêncio durante alguns minutos, deixando que a história dos dois lobos penetrasse na mente do jovem neto. Então ele lentamente se curvou, olhou fixamente nos olhos do menino e confessou:

– “As vezes, é difícil viver com esses dois lobos dentro de mim, pois eles brigam muito para dominar o meu espírito”.

Cativado pela história do ancião sobre essa grande batalha interior, o menino puxou a tanga do avô e perguntou, ansioso:

– “Qual dos dois lobos vence, vovô?”

E com um sorriso cheio de sabedoria e uma voz firme e forte, o cacique disse:

– “Os dois, filho. Veja … se eu escolho alimentar só o lobo branco, o preto ficará à espreita, esperando o momento em que eu sair do equilíbrio ou ficar ocupado demais para prestar atenção às minhas responsabilidades, e então atacará o lobo branco e causará muitos problemas para mim e nossa tribo. Ele viverá sempre com raiva e brigará para atrair a atenção pela qual tanto anseia. Mas, se eu prestar um pouquinho de atenção no lobo preto, compreendendo a sua natureza, se reconhecê-lo como a força poderosa que ele é e deixá-lo saber que eu o respeito pelo seu caráter e o usarei para me ajudar se um dia eu ou a tribo estivermos em apuros, ele ficará feliz, e o lobo branco ficará feliz também, e ambos vencerão. Todos venceremos”.

Sem entender direito, o menino perguntou:

– “Não entendi, vovô. Como os dois lobos podem ganhar?”

O cacique continuou a explicação:

– “Veja, filho, o lobo preto tem muitas qualidades importantes de que eu posso precisar, dependendo das circunstâncias. Ele é feroz, determinado, e não se deixará subjugar nem por um segundo. Ele é inteligente, astuto e capaz dos pensamentos e estratégias mais tortuosos, o que é importante em tempos de guerra. Ele tem os sentidos aguçados e superiores que só aqueles que olham através da escuridão podem apreciar. Em meio a um ataque, ele poderia ser o nosso maior aliado”.

O cacique então tirou da sua bolsa alguns pedaços de carne defumada e colocou-os no chão, um à direita e o outro à esquerda. Ele apontou para a carne e disse:

– “À minha esquerda está a comida para o lobo branco e à minha direita está a comida para o lobo preto. Se eu optar por alimentar os dois, eles não brigarão mais pela minha atenção, e eu poderei utilizar cada um deles como precisar. E como não haverá guerra entre eles, poderei ouvir a voz da minha sabedoria profunda e escolher qual dos dois pode me ajudar melhor em cada circunstância. Se a sua avó quer uma carne para fazer uma refeição especial e eu não cuidei disso como deveria, posso pedir para o lobo branco me emprestar a sua magia e consolar o lobo preto da sua avó, que estará zangada e faminta. O lobo branco sempre sabe o que dizer e me ajudará a ser mais sensível às necessidades dela”.

“Veja, filho, se você compreender que existem duas grandes forças dentro de você e respeitar a ambas igualmente, as duas sairão ganhando e haverá paz. A paz, meu filho, é a missão dos cherokees – o propósito supremo da vida. Um homem que tem paz dentro de si tem tudo. Um homem dividido pela guerra em seu íntimo não tem nada. Você é um jovem que precisa escolher como vai lidar com as forças opostas que vivem no seu interior. A sua decisão determinará a qualidade do resto da sua vida. E quando um dos lobos precisar de atenção especial, o que acontecerá às vezes, você não terá do que se envergonhar; poderá simplesmente admitir isso para os anciãos e conseguirá a ajuda de que precisa. Quando isso for de conhecimento público, aqueles que já travaram essa mesma batalha podem oferecer-lhe a sua sabedoria”.

Essa história simples e pungente explica como é a experiência humana. Cada um de nós está em meio a uma batalha contínua, em que as forças da luz e da escuridão competem pela nossa atenção e pela nossa submissão. Tanto a luz quanto a escuridão habitam dentro de nós ao mesmo tempo. Verdade seja dita: existe uma matilha inteira de lobos dentro de nós – o lobo amoroso, o lobo bondoso, o lobo esperto, o lobo sensível, o lobo forte, o lobo altruísta, o lobo generoso e o lobo criativo. Junto com esses aspectos positivos existem o lobo insatisfeito, o lobo ingrato, o lobo autoritário, o lobo desagradável, o lobo egoísta, o lobo indecente, o lobo mentiroso e o lobo destrutivo. Todo dia temos a oportunidade de reconhecer todos esses lobos, todas essas partes de nós mesmos, e escolher como iremos nos relacionar com cada um deles. Será que continuaremos condenando alguns e fingindo que eles não existem ou vamos tomar posse de toda a matilha?

Por que sentimos a necessidade de negar a matilha de lobos que vive em nós? A resposta é fácil. Ou achamos que ela não existe ou que não deveria existir. Tememos que, se admitirmos todos os diferentes “eus” que ocupam espaço na nossa psique, de algum modo seremos rotulados de esquisitos, diferentes, prejudiciais ou psicologicamente fragmentados. Achamos que devemos ser pessoas boas e “normais”, dentro das quais só mora um único “eu”. Mas existem muitos “eus” e a recusa em entrar em acordo com eles é um grave erro – que nos levará a cometer atos estúpidos e temerários de auto-sabotagem.

Eis o grande segredo: existem muitos “eus” contidos dentro do nosso “eu”, pois dentro de cada um de nós existem todas as qualidades possíveis. Não há nada que possamos ver e nada que possamos julgar que não exista dentro de nós. Todos somos luz e escuridão, santos e pecadores, pessoas adoráveis e abomináveis. Somos todos gentis e calorosos, mas também frios e cruéis.

Dentro de você e dentro de mim existem todas as qualidades conhecidas pela espécie humana. Embora possamos não estar conscientes de todas as qualidades que possuímos, elas estão adormecidas dentro e nós e podem despertar a qualquer momento, em qualquer lugar. A compreensão disso nos permite entender por que todos nós, que somos “bons”, somos capazes de fazer coisas ruins e, mais importante, por que às vezes nos tornamos os nossos piores inimigos.

By Debbie Ford, em: “Como entender o efeito sombra em sua vida”.

Atitudes

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/08/2011 by Joe

Percebo que as pessoas que decidem transformar suas vidas desenvolvem um tipo especial de atitude. Elas se empenham em cada ação como se a vida inteira dependesse desse esforço.

Elas vêm a construção do futuro como a única forma de viver, como fazem os oficiais com seus soldados em situações desfavoráveis de batalha. Em outras palavras, decidem queimar as pontes que permitem retroceder.

Nessas decisões radicais é importante assumir, também, um comportamento radical.

Nos grupos de Alcoólicos Anônimos fala-se muito sobre o perigo de tomar um único copo de bebida, pois a decisão de parar de beber tem que vir acompanhada de uma atitude do tipo “tudo ou nada”.

Uma pessoa que é dependente dos pais e resolve morar sozinha não pode mais chegar atrasada ao emprego porque perdeu a hora. Terá, pelo menos, de comprar um despertador eficaz porque não haverá ninguém para acordá-la toda manhã.

Um empresário que está à beira da falência não pode continuar gastando sem nenhum controle.

A decisão de partir para o tudo ou nada é somente o primeiro passo. Depois da decisão precisa haver atitude.

Há pessoas que se casam, mas querem levar a vida de solteiras. Resultado: o casamento fracassa.

Há pessoas que decidem ter filhos, mas querem continuar a viver como se os filhos não existissem. Resultado: teremos crianças órfãs de pais vivos.

Lembre-se que há dois tipos de atitudes: as atitudes “tudo ou nada” e as atitudes “mais ou menos”.

Uma atitude “mais ou menos” sempre leva a um resultado medíocre.

É importante entender com toda clareza que, durante um processo de transformação radical, a atitude de fazer um pouco de cada vez nos trará resultados muito parecidos aos que teríamos se não fizéssemos nada.

Quem quer fazer uma revolução na vida precisa tomar uma atitude radical.

E quando se toma uma decisão radical é preciso continuar caminhando pela estrada que escolhemos com comprometimento, determinação e fé. Nossas atitudes devem ter a mesma intensidade das decisões que tomamos.

Uma atitude “tudo ou nada” é mergulhar em um novo amor como se sua respiração dependesse da respiração do seu companheiro.

É sair da casa dos pais e cuidar de suas responsabilidades como se houvesse apenas você no mundo para pagar suas contas.

É aprender uma nova profissão como se sua vida dependesse dessa empreitada.

É abraçar o novo emprego como se essa fosse a última oportunidade de sua vida.

Porque é preciso correr atrás de nossos objetivos com a determinação de um faminto que anseia por um prato de comida.

Buscar a água como um homem perdido no deserto.

Dançar a música da vida como se seu corpo e sua alma fossem os instrumentos dessa música!

Afinal, se você romper as grades da gaiola, mas não bater as asas para valer, jamais poderá voar de verdade!

By Roberto Shinyashiki.

Mandamentos da felicidade

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/04/2011 by Joe

Quem não quer ser feliz e bem sucedido? Todos querem. No entanto, somente 5% da população tem o poder de alcançar o potencial para vencer, enquanto 95% jamais atingirá os seus objetivos.

As pessoas de sucesso aprenderam a controlar seus pensamentos, emoções, ações e superaram crenças autodestrutivas. Elas descobriram (ou re-descobriram) seu espírito, missão, propósito e caminho na vida. E têm a coragem de definir objetivos e viver seus sonhos. Elas dominam o poder pessoal!

Quem toma posse do seu poder pessoal não espera que outra pessoa corresponda às suas expectativas, nem coloca a responsabilidade da sua felicidade nas mãos de quem quer que seja. É capaz de exercer a sua capacidade de escolha diante dos acontecimentos e decide que atitude tomar diante de cada situação.

Então qual é o segredo? Por que a prosperidade e a felicidade chegam para uns e não para outros?

É necessário aprender a se conhecer melhor e identificar qualidades e defeitos, como são as reações em determinadas situações e onde é possível melhorar. Existe uma infinidade de atitudes que, muitas vezes, deixamos de lado e não percebemos que contribuem para afastar nossa felicidade.

Creia, você é o único responsável pela sua imagem e, através de ações simples, você pode até mudar o rumo da sua vida. Basta treinar! Veja os mandamentos da felicidade que podem ajudar a mudar sua vida.

Ame

Não me refiro apenas ao amor entre homem e mulher ou entre pais e filhos. Mais do que isso, é o amor a todos os próximos: pessoas, animais, à natureza em geral. Parece que nos dias atuais este sentimento está meio esquecido, banalizado. Um casal não pode afirmar que existe amor se convive em clima de brigas e rupturas constantes. Tente ser feliz ao menos um pouco, todos os dias.

É ilusão achar que vai ser feliz amanhã ou no futuro, quando vier o aumento esperado, quando as contas estiverem todas pagas, quando a aposentadoria chegar … Novos desafios sempre surgirão. Não seja egoísta e individualista, dê a mão… Pratique o amor sempre!

Aceite

Aceite os outros do jeito como são. Assim como você, são pessoas únicas. Não aceitá-los pode resultar em atritos, raiva, e até em separação. Antes de criticar, primeiro olhe para os seus defeitinhos.

Sorria

Quando rimos há um desdobramento de nossa aura. Todos gostamos de conviver com pessoas sorridentes, bem humoradas, alto astrais. Se gostamos de estar perto de pessoas alegres, o mesmo vale para atrairmos os outros. Fale sorrindo, até mesmo pelo telefone. Você vai notar que a batalha do dia-a-dia não será tão dura quanto parece. A pessoa bem humorada consegue resolver com mais facilidade seus problemas, pois supera logo os momentos ruins.

Além disso, consegue emanar uma energia positiva nos ambientes em que se encontra. Aprenda a acordar de bom humor, diga “bom dia” com aquela vontade de que o seu dia seja maravilhoso.

Pense positivo

A medicina já provou que as pessoas otimistas vivem muito mais e melhor. Quem pensa positivo consegue superar mais facilmente os problemas, pois sabe que cedo ou tarde conseguirá o que quer. Assim não se estressa.

Pare de reclamar

Quem gosta de ficar perto de alguém que só reclama? Ninguém tem vocação para “muro das lamentações”, pois já tem problemas suficientes para ouvir os alheios. Além disso, quem reclama atrai todas as energias negativas do ambiente, pois fica indefesa, sem luz própria. Assim, além de não chegar a lugar algum, fica cada vez mais “carregada”. Quem quer construir alguma coisa vai à luta, não fica reclamando.

Brinque com as crianças

Estar perto de crianças, brincar com elas, ouvir o que dizem, é estar perto dos anjos. As crianças irradiam um sentimento sincero, puro e, quando amam, amam de verdade. Deve-se aprender com elas a recuperar a espontaneidade e a capacidade de divertir-se.

Cante e dance

A sabedoria popular já diz que “quem canta seus males espanta”. E não é para menos: quando se está contente é comum sair cantarolando pela casa, no chuveiro ou mesmo no trabalho. Isso levanta ainda mais o astral. Se estiver triste comece a cantar, saia para dançar, solte sua energia. Você vai se sentir bem melhor.

Abrace

Crie o hábito de abraçar fortemente as pessoas queridas, como parentes, filhos, amigos. No momento de um abraço sincero, há uma troca de energias e, de forma inconsciente, a pessoa abraçada capta o bom sentimento e o devolve, de forma simbólica, com a retribuição ao abraço.

Um outro hábito que faz muito bem é exteriorizar seu amor ao próximo, dizendo “eu te amo”. Não apenas para a pessoa amada, mas para os pais e filhos, principalmente. Quebre barreiras e fortaleça os laços. Se não consegue dizer pessoalmente, escreva.

Reze

A oração é a melhor forma de comunicação com Deus. Quem ora com bastante fé adquire mais autoconfiança para ir atrás dos seus desejos. Jamais duvide do poder da oração. Crie tempo para recarregar as baterias através da espiritualização, da meditação, da fé e da oração. É neste momento que, muitas vezes, surgem as saídas para as aflições.

Ajude

Ajudar aos parentes, amigos e desconhecidos é um ato de amor. A ajuda pode ser um conselho, uma palavra, um gesto, uma atitude e até mesmo em dinheiro. Um ato de atenção para com um desconhecido gera uma força surpreendente capaz de abrir os nossos caminhos. O retorno só pode ser bom.

Abrace uma causa social. Você vai se sentir muito orgulhoso.

Perdoe

Pedir perdão é um ato humano e perdoar é divino. Guardar mágoas é alojar no coração um sentimento tão ruim pelas pessoas que rouba o espaço do amor. Há quem vive remoendo fatos ocorridos há tanto tempo, que se esquece de viver a realidade. Fomos criados para evoluir. Cada um tem o livre arbítrio de aprender as lições da vida pela dor ou pelo amor.

Reconheça

Elogie atitudes ou o trabalho de quem convive com você. Crie o hábito de reconhecer o talento de cada um, pois no momento do elogio há uma troca de energias positivas. Parabenize pelas suas conquistas, nas datas especiais e festivas. Isso reforça o carinho que sente por elas.

Organize-se

Manter suas coisas organizadas, como objetos, papéis, roupas, é sinal de vida organizada.

Deseje

Tenha objetivos, imagine aquilo que você quer e vá a luta. A acomodação mata o indivíduo lentamente. Quem deixa de ter uma meta na vida fica estagnado, chato e sem energia. Não deixe nunca de sonhar…

Ame-se

Seja generoso com você. Ninguém é perfeito. Valorize algo de bom em você e admire-se ao máximo. Deixe que surjam sentimentos de amor por si mesmo. Se não, como poderá amar ao próximo? Valorize-se e respeite as suas fraquezas e fragilidades.

Agradeça

Todos os dias … por estar vivo, pelo que é, possui ou gostaria de conquistar. Pense positivo, segure firme as rédeas da sua vida e viva mais feliz!

By Marlene Heuser.

Coq au vin

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , on 11/12/2010 by Joe

Contam que este prato teria surgido nas imediações da cidade de Clermont-Ferrand (Puy-de-Dôme) onde, durante uma batalha entre o exército romano de Júlio César e o exército celta liderado pelo comandante Vercingertórix.

Nessa batalha o herói francês foi acuado e, para simbolizar a rendição, Vercingertórix enviou um velho galo ao inimigo, com uma mensagem amarrada ao pescoço, onde se lia “Bon appetit! “. César prontamente convidou os chefes das tribos gaulesas para jantar e, nessa oportunidade, mandou servir o velho galo, cozido de forma perfeita em vinho produzido em Auvergne e ervas raras. E mais: ele ainda teria prometido que, se os gauleses se rendessem, ele não só lhes daria a receita daquele prato, como também asseguraria que os seus descendentes viveriam bem e comeriam ainda melhor para todo o sempre!

Bom … esta versão da história desse prato é recheada de controvérsias. Não se sabe  se é verídica ou não.

O que realmente importa é o sabor e o requinte desta receita! Tenho certeza que todos irão saborear com muito prazer!

Coq au vin

Ingredientes

50 ml de azeite
coxas e sobrecoxas de frango marinados
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de farinha de trigo
150 g de cebolinhas pequenas
150 g de champignon (paris) em conserva
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Para a marinada

1 cebola picada
2 cenouras picadas
1 bouquet de ervas feito com tomilho, louro e 3 dentes de alho
1 garrafa de vinho tinto de boa qualidade
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1 kg coxas e sobrecoxas de frango

Modo de preparo

Prepare a marinada colocando num saco plástico de cozinha a cebola e as  cenouras picadas, o bouquet de ervas com tomilho, louro e os dentes de alho, o vinho tinto, sal e pimenta-do-reino a gosto. Acrescente as coxas e sobrecoxas de frango nesta marinada, feche o saco plástico e deixe apurar por 24 horas na geladeira.

Retire as coxas e sobrecoxas de frango do saco plástico. Coe e reserve o caldo da marinada. Numa panela, aqueça 50 ml de azeite e doure as coxas e sobrecoxas de frango. Junte, nesta panela, o caldo reservado da marinada e cozinhe, em fogo médio, por cerca de 40 minutos ou até as coxas e sobrecoxas de frango ficarem macias.

Numa frigideira, em fogo baixo, derreta uma colher (sopa) de manteiga e incorpore uma colher (sopa) de farinha de trigo. Mexa bem e acrescente ao cozimento das coxas e sobrecoxas do frango. Junte as cebolinhas pequenas e o champignon em conserva. Acerte o sal e pimenta-do-reino a gosto.

Sugestão de acompanhamento: fettuccine na manteiga e fatias de bacon fritas. Ou, se preferir, arroz branco e salada verde.

Bon appetit!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: