Arquivo para Bancos

Até quando, Brasil?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 07/09/2010 by Joe
Mais um 7 de Setembro e a mentira continua sendo ensinada nas escolas, contada ao povo brasileiro, enganando a toda a gente!

O Brasil comemora sua independência … mas de qual independência estamos falando? Da de Portugal? Está certo … ficamos livres do domínio português.

Mas e a verdadeira independência do nosso povo? Como podemos falar de independência se ainda somos reféns da falta de educação, da falta de saúde, do desemprego e sub-emprego (agora disfarçado sob o nome de MEI – Micro Empreendedor Individual – com o único objetivo de arrecadar impostos), da falta de moradias populares, do crime organizado, da corrupção, das cartilhas econômicas editadas e impostas pelos capitais estrangeiros, pela ganância dos lucros desenfreados dos bancos (sempre blindados pelo próprio governo), da mídia, do poder dos impérios televisivos que mandam e desmandam no país … poderia citar mais um tanto de motivos pelos quais não podemos comemorar independência nenhuma!

Como eu havia escrito nesta mesma data, no ano passado, “o certo é que hoje somos dependentes da nossa própria ignorância, da nossa própria passividade e das nossas raízes colonialistas que nos tornaram um povo inculto, sem tradições e acomodado”.

Enquanto não houver consciência da nossa força enquanto povo, não haverá independência, não haverá liberdade e nem futuro!

A mentira também é uma arma de destruição em massa!

Até quando, meu Brasil?

By Joe.

Crise? Que crise?

Posted in Atualidade with tags , , , , , , on 17/03/2010 by Joe

Vejam vocês como os bancos criaram todos os problemas.

Numa pequena vila e estância na costa sul da França, chove, e até então nada de especial acontece. A crise sente-se. Todos na vila devem a toda gente, todos carregados de dívidas.

Um belo dia, um rico turista russo, chega à recepção do pequeno hotel local. Pede um quarto e coloca uma nota de 100 euros sobre o balcão, pede uma chave do quarto e sobe ao 3º andar para inspecionar o quarto que lhe indicaram, na condição de desistir se lhe não agradar.

O dono do hotel pega a nota de 100 euros e corre ao fornecedor de carne, a quem deve os mesmos 100; o açougueiro pega o dinheiro e corre ao fornecedor de leitões para pagar também os 100 que devia há algum tempo. Este, por sua vez, corre ao criador de gado que lhe vendera a carne e liquida sua dívida; e este por sua vez corre a entregar os 100 euros a uma prostituta que lhe cedera serviços a crédito. Esta recebe o dinheiro e corre ao hotel a quem devia, também, 100 euros pela utilização casual de quartos à hora para atender clientes.

Neste momento o russo rico desce à recepção e informa ao dono do hotel que o quarto proposto não lhe agrada, pretende desistir e pede a devolução dos 100 euros. Recebe o dinheiro e sai.

Não houve, nesse movimento de dinheiro, qualquer lucro ou valor acrescido. Contudo, todos liquidaram as suas dívidas e estes elementos da pequena vila costeira encaram agora otimisticamente o futuro.

O problema embolou quando inventaram os bancos que começaram a “vender” dinheiro! Ou seja, não existe crise, mas, sim, banqueiro que não está ganhando o que queria.

Autoria desconhecida.

%d blogueiros gostam disto: