Arquivo para Bacalhau

Punheta de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/08/2014 by Joe

Punheta de bacalhau

Calma, gente!! Não é nenhuma receita retirada de algum Kama-Sutra da Gastronomia Lusa!!!

O nome dessa deliciosa receita vem da maneira como ela é preparada, usando os dois punhos para desfiar o bacalhau! Trata-se de uma das mais populares entradas frias portuguesas.

O prato tem sua origem nas tabernas, preparado com o bacalhau seco e cru, sem a necessidade de ser cozido.

É ideal para uma boa roda de amigos, conversa fiada e um bom vinho!

Geralmente as pessoas preferem comprar os lombos de bacalhau e acabam desprezando as lascas! Neste tradicional tira-gosto português, as lascas são o principal ingrediente!

Vamos à receita, muito fácil e rápida de preparar! Ah, sim: existem diversas formas de se preparar essa entrada. Alguns adicionam pimentões, tomates, batatas cozidas, ovos cozidos, etc. A versão abaixo é uma das mais simples e fáceis!

Punheta de bacalhau

Ingredientes

600 g de lascas de bacalhau
3 cebolas roxas grandes cortadas bem fininha
2 dentes de alho bem picados
cheiro-verde
100 g de azeitonas pretas portuguesas
azeite extra-virgem
uma pitada de pimenta
uma pitada de noz moscada
vinagre
salsinha picada a gosto
pão amanhecido

Modo de preparo

Desfie finamente o bacalhau seco, tirando as peles e espinhas. Lave-o e escorra a água usada, repetindo essa operação quatro ou cinco vezes para retirar o sal até que fique com o ponto de sal a seu gosto. Coloque o bacalhau em uma saladeira e regue com azeite.

Acrescente as cebolas, o alho, o cheiro-verde picado, a pimenta e a noz-moscada. Adicione algumas gotas de vinagre e misture bem com as mãos. Coloque mais azeite e misture novamente. Por fim, adicione as azeitonas pretas e a salsinha.

Na hora de servir, molhe levemente os pães amanhecidos e esquente no forno. Desta forma, as cascas ficarão bem crocantes. Uma vez aquecidos, retire do forno, corte transversalmente ao meio, retire um pouco do miolo e preencha a cavidade com a punheta de bacalhau ou sirva com uma bela salada verde.

Essa é a forma tradicional que é servido em Portugal. Para acompanhar, um bom vinho branco, tipo Salvignon Blanc!

By Joemir Rosa.

Escondidinho de carne desfiada com polenta

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17/05/2014 by Joe

Escondidinho de carne desfiada com polenta

O frio vem chegando aos poucos e o corpo começa a pedir alimentos um pouco mais quentes e aconchegantes. Sabe aquele prato que, quando a gente sai da mesa, dá uma vontade de ficar quieto num canto (na verdade, eu quis dizer pegar uma cama!)? É exatamente isso!

Eu sempre digo que a gastronomia é uma alquimia! Transformar ingredientes em algo mais rico, saudável e saboroso é uma arte, uma verdadeira alquimia mesmo!

A receita de hoje vem de um prato muito apreciado no nordeste e alguns estados do sudeste. Mas como gastronomia não tem bússola, acredito que tudo é uma questão de experimentar… e ousar!

Por isso o escondidinho foi sendo modificado, principalmente aqui em São Paulo, e seus elementos foram sendo substituídos por outros com sabores mais regionais. Desta forma, a mandioca (ou aipim) foi trocada pela batata, a carne seca foi substituída pela carne moída (ou boi ralado, como é conhecida em outras regiões), frango, camarão e até bacalhau.

E hoje vou deixar com vocês uma variação desse prato. Claro que essas variações podem ser feitas ao gosto de cada um. O preparo é super simples e vai agradar a quase todos os paladares.

Escondidinho de carne desfiada com polenta

Ingredientes

Recheio

2 colheres (sopa) de óleo de milho
1 cebola grande
3 dentes de alho bem picados
4 tomates sem pele e sem sementes picados
1 kg de fraldinha cozida e desfiada
sal e pimenta a gosto
½ xícara (chá) de azeitonas verdes picadas
4 colheres (sopa) de cheiro-verde picado

Polenta

1 de xícara (chá) de fubá
1 ½ xícara (chá) de água fria
2 colheres (sopa) de óleo de milho
2 dentes de alho picados
2 xícaras (chá) de caldo de legumes
1 colher (sopa) de manteiga
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado

Modo de preparo

Comece preparando o recheio: doure a cebola e o alho no óleo. Junte o tomate e a carne cozida e desfiada e refogue até o tomate desmanchar. Tempere com o sal e a pimenta. Adicione a azeitona e o cheiro-verde. Misture e reserve, mantendo aquecido.

Prepare a polenta misturando bem o fubá com a água fria em uma vasilha pequena. Reserve.

Em uma panela de pressão, aqueça o óleo e doure levemente o alho. Junte o caldo de legumes e deixe ferver. Com uma escumadeira, coloque o fubá molhado, aos poucos, no caldo fervente, mexendo sempre. Tampe a panela e, assim que levantar pressão, conte 15 minutos. Retire do fogo e deixe sair a pressão. Incorpore a manteiga e o queijo ralado.

Distribua metade da polenta em um refratário. Recheie com a carne e cubra com a polenta restante. Polvilhe mais queijo ralado e sirva.

Sugestão? Um ótimo vinho tinto!

Enjoy!

By Joemir Rosa.

O que fazemos X Como fazemos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/10/2013 by Joe

Honestidade e ética

Um certo homem ouviu dizer que óleo de fígado de bacalhau era bom para saúde do seu cachorro. Então, resolveu dar o óleo todos os dias para o animal. Prendia o pobre cachorro entre as pernas e enfiava o óleo goela abaixo do bicho. O animal se rebelava e se debatia furiosamente todas as vezes.

Um dia, o cachorro se soltou e, para espanto do homem, mansamente veio e lambeu a colher de óleo. Foi aí que ele entendeu: o cachorro não lutava contra o óleo, mas sim contra o método usado para lhe dar o óleo.

Muitas vezes o problema não é o que fazemos, mas como fazemos as coisas. Estamos percebendo que o espaço para enganadores está mais estreito, as máscaras estão caindo a cada dia.

Honestidade e ética não podem ser consideradas como virtude ou qualidades do ser humano, mas sim, como pressuposto da conduta cotidiana, ou até mesmo de obrigação dele. Têm de estar embutidas na filosofia de vida de cada um de nós.

Ou você é, ou acabará por ser uma grande enganação!

Porém, com algumas coisas e atitudes embutidas no como você faz, e ninguém poderá tirar-lhe…

a fé no amor, além dos tempos da paz;

a força para transformar a vida;

a esperança de realizar seus sonhos;

a liberdade de mudar de ideia;

a humildade de se saber imperfeito;

a vitória de ter resistido a uma tentação;

a coragem de ser simplesmente você;

a honestidade de assumir seus erros;

a disposição de tentar de novo;

a vontade de enfrentar desafios;

a capacidade de pedir ajuda;

a sensação do dever bem cumprido;

e a certeza de que a vida sempre vale à pena!

Pense nisso e veja como você está fazendo as coisas no seu dia-a-dia!

Desconheço a autoria.

Petisco de sardinhas ao forno

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/08/2013 by Joe

Petisco de sardinhas ao forno

No século XIII, já fervilhava em Lisboa o mercado da Sardina pilchardus, a conhecida sardinha. Há séculos, na história de Portugal, este pequeno peixe entre 15 e 20 cm, vem sendo – assim como o bacalhau – um “fiel companheiro” à mesa dos portugueses.

Consumida preferencialmente assada na brasa, a sardinha tornou-se sustento de muitas populações durante longos períodos da história daquele país. Uma importância que lhe garantiu status na literatura, enraizou nas canções, nos contos e jogos populares, festejos, referências na genealogia, surgindo até como nome de algumas famílias.

Já na Idade Média, os trabalhadores que conduziam animais de carga, abastecendo cidades e vilas, levavam sardinhas para o interior, tornando-as o prato básico da alimentação de muitas populações rurais.

A sardinha no pão tornou-se um hábito que acompanhou a história, uma prática dos pobres que esfregavam a sardinha assada no pão para lhe conferir algum sabor e, com isso, enganar a escassez do alimento.

O peixe é um alimento fundamental na nossa alimentação. Seja qual for a nossa faixa etária, ele deve estar presente na nossa dieta, pelo menos duas vezes por semana, pois o seu consumo ajuda a prevenir várias doenças como as que são provocadas pelo stress, as cardíacas e as de hipertensão. Riquíssimo em ômega-3, um tipo de gordura conhecido como ácido graxo essencial, e não produzido pelo corpo humano, muito importante para uma boa saúde.

Além de serem um prato tradicional na cozinha portuguesa, as sardinhas assadas ganharam o mundo e tiveram uma rápida adaptação em terra brasileiras.

A receita de hoje nos traz uma variação no preparo desse delicioso prato, bem temperado e preparado no forno!

Petisco de sardinhas ao forno

Ingredientes

8 sardinhas limpas e sem cabeças
4 fatias grandes de pão italiano ou 2 baguetes
suco de dois limões
6 colheres de sopa de azeite
6 dentes de alho picados
1 pimentão vermelho ou amarelo cortado em tirinhas
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
alho torrado picado (compra-se pronto nos supermercados)

Modo de preparo

Tempere as sardinhas de ambos os lados com sal, suco de limão e pimenta do reino. Em uma forma untada com azeite, leve ao forno pré-aquecido a 180º até que estejam assadas.

Enquanto isso, em uma frigideira, leve ao fogo o azeite, o alho e o pimentão. Mexa e deixe refogar em fogo médio, sem deixar queimar.

Coloque as fatias de pão na mesma forma onde foram assadas as sardinhas. Espalhe o refogado sobre os pães e, por cima, as sardinhas. Finalize regando com azeite e alho torrado.

Leve ao forno aquecido e deixe assar por uns 10 minutos.

Sirva acompanhado por um bom vinho tinto Dão!

By Joemir Rosa.

Maionese de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/02/2013 by Joe

Maionese de bacalhau

Findo o carnaval e já começamos a pensar na Páscoa que está logo aí! E, com ela, já vamos saboreando mentalmente as delícias culinárias dessa época, principalmente, da Sexta-feira Santa.

A primeira ideia que nos vem à cabeça é o bacalhau, já disponível em todos os supermercados e lojas de produtos culinários.

Em diversas oportunidades, postei receitas com o bacalhau como ingrediente principal: Salada de Bacalhau, Escondidinho de Bacalhau, Bolinhos de Bacalhau, Empadão de Bacalhau, Pastel de Bacalhau do Mercadão e o Bacalhau à Portuguesa.

Em todas elas eu contei um pouco da história do bacalhau, origem, bem como as receitas dessas iguarias.

Hoje eu trago mais uma receita simples que cai bem nesta época de verão de temperaturas altíssimas. Fácil de preparar e muito bonita na sua forma de apresentação.

Maionese de bacalhau

Ingredientes

300 gramas de bacalhau dessalgado e desfiado
1/2 cebola picada
2 ovos cozidos picados
300g de batata cozida cortada em cubos
1/2 xícara (chá) de azeitonas verdes picadas
200 gramas de maionese
azeite a gosto
salsinha picada a gosto

Cestinhas

fatias de pão de forma sem casca

Modo de preparo

Em uma tigela, misture o bacalhau, a cebola, os ovos, a batata, a azeitona, a maionese, o azeite e a salsa. Cubra com papel-filme e leve a geladeira por uns 30 minutos.

Enquanto isso, prepare as cestinhas. Utilizando um rolo de massa, afine as fatias de pão cuidando para não furá-las.

Molde-as em forminhas de alumínio grandes, untadas com um pouco de manteiga. Disponha as forminhas em uma assadeira e asse em forno pré-aquecido a 200ºC até dourarem. Deixe esfriar e desenforme.

Quando for servir, disponha a maionese nas cestinhas de pão.

By Joemir Rosa.

Salada de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/12/2012 by Joe

Salada de bacalhau

Mundialmente apreciado, o bacalhau tem uma história que poderíamos dizer que é milenar.

Existem registros de processamento do bacalhau na Islândia e na Noruega datados do século IX. Os Vikings são considerados os pioneiros na descoberta do Cod gadus morhua, espécie que era farta nos mares que navegavam. Como não tinham sal, apenas secavam o peixe ao ar livre, até que perdesse quase a quinta parte de seu peso e endurecesse como uma tábua de madeira, para ser consumido aos pedaços nas longas viagens que faziam pelos oceanos.

Mas deve-se aos bascos – povo que habitava as duas vertentes dos Pirineus Ocidentais, do lado da Espanha e da França – o comércio do bacalhau. Os bascos conheciam o sal e existem registros de que, já no ano 1000, realizavam o comércio do bacalhau curado, salgado e seco. Foi na costa da Espanha, portanto, que o bacalhau começou a ser salgado e depois seco nas rochas, ao ar livre, para que o peixe fosse melhor conservado.

O pescado possui baixo teor de gordura e é rico em proteínas de elevado valor biológico. Contém altos teores de vitaminas A, E, B6 e B12, sódio, cálcio, fósforo, magnésio e de Ômega 3. Abaixo você confere algumas dos principais nutrientes encontrados no bacalhau e seus respectivos benefícios para a saúde:

Ácidos graxos do Ômega 3: este elemento possui um forte efeito protetor para a saúde do coração e importante função no desenvolvimento de cérebro.

Ômega 3: melhora a concentração, a memória, as habilidades motoras, aumenta a motivação, diminui os triglicérides, diminui a pressão sanguínea, previne o batimento cardíaco irregular, aumenta a fluidez do sangue e ainda neutraliza o stress.

Vitamina A: tem ação protetora sobre a visão, pele e mucosas.

Vitamina E: melhora a oxigenação celular, ajuda nas dores menstruais, aumenta a energia muscular e é essencial em processos de cura.

Vitamina B12: age sobre os glóbulos vermelhos, células nervosas, equilíbrio hormonal, na beleza da pele e também ajuda o sistema de imunização do corpo e no controle dos níveis de glicose no sangue.

Cálcio: necessário para a contração dos músculos, contração e expansão das artérias, secreção de hormônios e enzimas e envio de mensagens através do sistema nervoso.

Magnésio: ajuda na contração muscular e metabolismo energético.

Sódio: importante eletrólito para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

Fósforo: possui papel muito importante na formação de ossos e dentes, intervindo também nas reações químicas em que se libera energia.

O hábito brasileiro de saborear bacalhau é herança da colonização portuguesa, que começou a se disseminar a partir do descobrimento do Brasil. Mas somente com a chegada da corte portuguesa e dos comerciantes lusos no país, no início do século XIX, que o consumo do pescado foi impulsionado e difundido entre a população.

A primeira importação oficial do produto aconteceu em 1843. Hoje, cerca de 95% do bacalhau consumido no Brasil tem sua origem na Noruega.

Neste final de ano de temperaturas altíssimas, nada melhor do que um prato nutritivo, muito saudável e refrescante na passagem de ano!

Espero que gostem!!

Salada de bacalhau

Ingredientes

1 kg de bacalhau em postas dessalgadas
2 xícaras (chá) de leite
1 ¼ kg de batatas
3 maçãs verdes
1 pimentão amarelo em rodelas
1 pimentão vermelho em rodelas
12 azeitonas sem caroço
4 ovos cozidos
1 cebola pequena ralada
cheiro-verde picado
azeite a gosto

Modo de preparo

Coloque o bacalhau de molho no leite por cerca de duas horas. Isso o deixará mais macio. Depois desse prazo, escorra o leite e ferva o peixe na água por 50 minutos.

Escorra novamente (reserve a água), desfie-o em lascas grandes e reserve. Na água reservada, cozinhe as batatas em rodelas. Escorra e reserve.

Retire o miolo das maçãs e corte-as com a casca em fatias finas. Corte em rodelas os pimentões e dê uma escaldada com água quente para que fiquem crocantes. Parta as azeitonas ao meio, os ovos cozidos em rodelas, e reserve tudo.

Em uma panela, refogue a cebola ralada no azeite e depois salpique o cheiro-verde.

Passe as lascas de bacalhau por esse refogado e reserve.

Unte uma travessa grande com azeite e disponha as batatas, o bacalhau, as maçãs, os pimentões, as azeitonas e os ovos. Regue generosamente com azeite e sirva na temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Escondidinho de bacalhau

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 23/06/2012 by Joe

Inverno chegou e o corpo começa a pedir alimentos um pouco mais quentes e aconchegantes. Sabe aquele prato que, quando a gente sai da mesa, dá uma vontade de ficar quieto num canto (na verdade eu quis dizer pegar uma cama!)? É exatamente isso!

Eu sempre digo que a gastronomia é uma alquimia! Transformar elementos da natureza em algo mais rico, saudável e saboroso é uma arte, uma verdadeira alquimia mesmo!

A receita de hoje vem de um prato muito apreciado no nordeste e alguns estados do sudeste. Mas como gastronomia não tem bússola acredito que tudo é uma questão de experimentar … e ousar!

Por isso o Escondidinho foi sendo modificado, principalmente aqui em São Paulo, e seus elementos foram sendo substituídos por outros com sabores mais regionais. Desta forma, a mandioca (ou aipim) foi trocada pela batata, a carne seca foi substituída pela carne moída (ou boi ralado, como é conhecida no sul), frango, camarão e até bacalhau.

As variações podem ser feitas ao gosto de cada um. A receita de hoje é exatamente isso: uma variação do escondidinho!  O preparo é super simples e vai agradar a quase todos os paladares.

Escondidinho de bacalhau

Ingredientes

600 gramas de bacalhau dessalgado, aferventado e em lascas grandes
1 cebola grande picadinha
1 kg de batatas
100 gramas de azeitonas pretas picadas
3 dentes de alho
salsinha a gosto
2 colheres de sopa de manteiga
200 ml de leite
100 ml de creme de leite
pimenta do reino
sal
parmesão ralado

Modo de preparo

Cozinhe as batatas em água com sal e passe na peneira, ainda quente. Faça um purê com a manteiga e o leite. O purê deve ficar mole, como um creme. Acerte o sal.

Numa frigideira, coloque o azeite e refogue a cebola e o alho. Quando estiverem dourados, acrescente o bacalhau em lascas e misture. Junte as azeitonas picadas. Acerte o sal e tempere com pimenta do reino moída na hora. Por último, acrescente a salsinha picada.

Em um refratário, coloque metade do purê de batatas. Espalhe o bacalhau por cima do purê. Na metade de purê restante, adicione o creme de leite fresco e volte ao fogo para que incorpore bem. Acerte o sal e espalhe por cima do bacalhau. Polvilhe queijo parmesão ralado e leve ao forno a 200 graus por uns 15 ou 20 minutos até que o queijo fique gratinado.

Sirva com salada de brócolis!

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: