Arquivo para Azeite

Curau de milho verde

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/03/2014 by Joe

Curau

O milho é um dos ingredientes mais usado no Brasil, principalmente nos pratos típicos das festas juninas. Servido como curau, pamonha ou apenas cozido, o grão agrada ao público de todo o país. Mas de onde ele veio e como chegou ao nosso país?

Descoberta em ilhas próximas ao litoral mexicano, há mais de 7 mil anos, a planta silvestre recebeu o nome de “milho”, de origem indígena caribenha, com o significado de “sustento da vida”. Muito usado pelos incas, maias e astecas, o grão foi a base da alimentação das sociedades antigas e todas as atividades em grupo eram feitas em função de seu plantio. Com o período de colonização do continente americano e as grandes navegações, o alimento ganhou o mundo e se tornou um dos primeiros itens de cultura mundial, perdendo apenas para o trigo e o arroz.

A facilidade de cultivo e a variedade de formas de consumo do produto – que pode ser ingerido cru, cozido, seco ou transformado em farinha – garantiram seu sucesso em diferentes regiões do planeta, entre elas o México, que utilizava o farelo para preparar pequenos bolos, chamados de tortillas, e parte do cardápio tradicional nativo até os dias de hoje.

No Brasil, o milho já fazia parte do dia-a-dia dos índios antes mesmo da chegada dos colonizadores, que aproveitavam todas as partes do vegetal. Com a chegada dos portugueses, surgiram novos pratos à base de milho e seu consumo aumentou significativamente.

O milho é uma planta presente em diversos lugares do mundo e usado tanto para a alimentação humana como para a produção de ração animal. Apesar de bastante conhecido na mesa brasileira, o cereal tem apenas 5% de sua produção direcionada para o consumo humano; a maior parte vai para a alimentação de animais criados em grande escala.

Espigas de milhoA cultura do milho – um dos primeiros alimentos domesticados pelo homem – tinha como objetivo aproveitar os grãos e o suco proveniente de seu talo. Alguns povos produziam açúcar e mel a partir do líquido extraído.

Atualmente, existem diversos tipos de milho: o milho verde, o doce, o farinhoso, o pipoca, o duro, o macio e o dentado. Além de servir de base para diversos pratos da culinária, o vegetal também está na raiz da produção de amido, azeite, bebidas alcoólicas, combustíveis e corantes alimentícios.

Não é apenas pelo prazer do paladar que o milho deve aparecer com mais frequência na dieta alimentar. O grão tem fibras e nutrientes que auxiliam no bom funcionamento do organismo. Porém, para um consumo saudável do milho, é recomendado não adicionar muita gordura ou açúcar durante o preparo dos alimentos.

A receita deste sábado tem o milho como ingrediente principal e é bem simples e rápido de se preparar: o curau.

Curau de milho verde

Ingredientes

8 espigas de milho verde
2 xícaras (chá) de leite
1 vidro de leite de coco
1 colher (sopa) de manteiga
1 lata de leite condensado
Canela em pó a gosto para polvilhar

Modo de preparo

Passe o milho em um ralo grosso ou retire os grãos com uma faca. Em seguida, bata os grãos no liquidificador, depois passe em uma peneira para obter somente a polpa, descartando o bagaço.

Coloque a polpa, já peneirada, em uma panela e junte o leite, o leite condensado e a manteiga. Leve ao fogo por cerca de 10 minutos e mexa sem parar até formar um creme grosso.

Coloque em uma tigela e, por cima, polvilhe a canela em pó. Leve à geladeira até que adquira a consistência de um pudim.

By Joemir Rosa.

Bruschetta de provolone e bacon

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 07/09/2013 by Joe

Bruschetta de provolone e bacon

A bruschetta (pronuncia-se brusqueta) é um antepasto italiano feito à base pão, que é tostado em grelha com azeite e depois esfregado com alho. Há diversas variações, sendo bastante conhecida a bruschetta de tomate, que leva, por cima da fatia de pão, tomates e manjericão.

O termo bruschetta é originário das regiões do Lazio e de Abruzzo, derivada da palavra “bruscato” que significa tostado ou torrado, quer seja no forno ou na grelha. Há também outros nomes para bruschetta, como “fetunta“, na região da Toscana, aí derivado das palavras “fetta unta“, isto é, fatia untada, no caso, com azeite de oliva.

A clássica bruschetta é feita com uma fatia de pão italiano rústico, de farinha escura e grossa, de casca dura, tostada na grelha, esfregada com alho, untada com abundante azeite e polvilhada com sal e eventualmente com pimenta-do-reino.

Há, porém, incontáveis variações para se preparar uma boa bruschetta. Na Toscana, o pão local, feito sem sal, é guarnecido com “fagioli al fiasco“, ou seja, feijão branco cozido com ervas e alho ou então, com “cavolo nero“, couve picada bem fininho e aferventada em água e sal.

Como os pães italianos são diversificados, variando de região para região, a bruschetta possui sabor e aparência com características distintamente regionais. Na Puglia e na Campania, por exemplo, é feita com um pão crocante, chamado “frisella” ou “frisedda“. Na Calábria, Sicília e Basilicata, a bruschetta é feita com um pão comprido de semolina e sementes de gergelim, guarnecido com tomates, azeite e orégano.

Embora certas guarnições sejam mais adequadas para determinados tipos de pães, pode-se garantir uma boa bruschetta somente com um bom pão e um azeite de oliva de boa qualidade. A pimenta-do-reino moída na hora também dá um sabor especial. Ainda, prefira tostar o pão na grelha, a torrá-lo no forno. Ele fica macio por dentro e com uma casca crocante externamente. Se usar queijo e quiser derretê-lo, coloque as bruschettas em forno alto por alguns minutos, o que impedirá que o pão endureça.

Variações regionais à parte, a bruschetta (assim como outras delícias de origem italiana como fogazza, caponata, crostini, fagottini, sardella, etc) vai se tornando cada vez mais presente no Brasil, principalmente nas regiões onde a colonização italiana foi mais intensa. Quem mora em São Paulo conhece as famosas festas italianas de rua como San Francesco di Paula, San Vito, Nossa Senhora de Casaluce, Nossa Senhora Achiropita e San Gennaro Mártir onde se pode saborear todas essas e muitas outras iguarias.

Variações dessa receita existem aos montes. Depois de ter publicado a receita básica da bruschetta (veja aqui), hoje optei por uma variação desse prato italiano, aproveitando que estamos comemorando a semana do bacon!

Bruschetta de provolone e bacon

Ingredientes

2 dentes de alho
4 fatias de pão italiano (use o filão, que é mais fino)
200 g de queijo provolone em lascas
100 g de bacon picado torradinho
azeite a gosto
pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

Passe o alho pelo pão e leve ao forno pré-aquecido para dourar ligeiramente. Retire do forno e disponha o provolone e o bacon sobre o pão. Regue com azeite, polvilhe a pimenta do reino e leve ao forno só para aquecer ligeiramente e derreter um pouco o queijo. Sirva em seguida.

Um bom vinho tinto encorpado é a melhor companhia!

By Joemir Rosa.

Minestrone

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/09/2012 by Joe

A sopa, junto com o pão, foi a primeira refeição completa da história da humanidade.

Caldos, consommés, veloutés … palavras tão complicadas para algo tão simples e nutritivo como um belo prato de sopa!

O antigo vocábulo “sop”, em latim arcaico, significava o pão sobre o qual se despejava o caldo quente. Sua história vem de muito tempo atrás, sendo a mesma consumida pelo homem desde a Idade da Pedra.

Sabe-se que há milhares de anos, a sopa era o principal alimento dos camponeses em todos os cantos do planeta. Até mesmo na arte, o prato era celebrado nas telas de grandes pintores – onde os personagens satisfaziam sua fome bebendo uma tigela deste alimento.

Na Grécia, há milhares de anos, ficou famoso um “caldo negro” da cidade de Esparta, onde era preparado com sangue de alguns animais, misturado a vinagre e especiarias. Era também costume colorir as sopas com açafrão, para ficarem
amareladas, ou amêndoas, para deixá-las brancas.

Daquela época até a atualidade muita coisa mudou, a sopa adaptou-se às diversas culturas e gerou inúmeras variações como, por exemplo, o Minestrone (italiana); Won Ton (chinesa); o Caldo Verde (portuguesa); Gaspacho (espanhol), Consommés (francês); o Oxtail (inglês), entre tantas outras.

O prato deste sábado é o Minestrone, de origem italiana, cujo nome vem da palavra minestra (sopa) acrescida do sufixo one, significando sopão, ou seja, uma sopa com vários ingredientes, muito espessa, composta por uma grande variedade de legumes cortados e, quase sempre, arroz ou macarrão. Os ingredientes mais usados são: tomates, feijões, cebolas, cenouras, aipo, toucinho, caldo de galinha, de carne, etc.

Não existe uma receita específica para o minestrone, justamente por ele ser feito com quaisquer legumes da época. O minestrone pode ser vegetariano, conter carne, ou conter algum caldo à base de carne.

Embora o inverno já tenha terminado, os últimos dias têm sido frios e as noites geladas. Então, aproveitando esta oportunidade, vamos à receita de um minestrone típico que, além de ser uma refeição deliciosa, ainda ajuda a esquentar e dar aquela sensação de bem-estar e prazer!

Minestrone

Ingredientes

4 colheres (sopa) de azeite de oliva
50 g de bacon cortado em cubinhos
1 cebola média picada
200 g de carne de primeira cortada em tirinhas
1 alho-poró bem picado
1 talo de salsão bem picado
1 cenoura cortada em cubinhos
1 batata média picada em cubos
2 tomates picados, sem pele e sem sementes
1/2 repolho pequeno cortado em tirinhas
1,5 litros de caldo de carne (2 cubinhos dissolvidos)
200 g de feijão cozido em água e sal
200 g de macarrão conchinha

Modo de preparo

Em uma panela, coloque o azeite, aqueça e frite o bacon e a cebola. Adicione a carne e frite bem. Coloque o alho-poró, o salsão, a cenoura e a batata e refogue bem. Em seguida, acrescente o purê de tomate, vá despejando o caldo de carne, misture bem e deixe ferver em fogo baixo até que os legumes fiquem macios.

Acrescente o feijão e o repolho, misture tudo muito bem e, por fim, o macarrão. Deixe cozinhar até que o macarrão esteja no ponto, de preferência “al dente”. Acerte o sal, se precisar. Caso seja necessário, adicione mais um pouco de água quente, não esquecendo que o Minestrone é uma sopa mais grossa, encorpada.

Sirva bem quente, com um fio de azeite e, se gostar, queijo parmesão ralado.

By Joemir Rosa.

Pizza enrolada

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 18/02/2012 by Joe

Dizem que a história da pizza começa com os egípcios. Eles teriam sido os primeiros a misturar farinha com água. Outros afirmam que os pioneiros foram os gregos, que faziam massas a base de farinha de trigo, arroz ou grão-de-bico e assavam em tijolos quentes.

Ao contrário do conhecimento popular, apesar de tipicamente italiana, os babilônios, hebreus e egípcios já misturavam o trigo e amido e a água para assar em fornos rústicos há mais de 5000 anos. A massa era chamada de “pão-de-Abraão”, muito parecida com os pães árabes atuais e a ele eram acrescidos ervas e alho.

Os fenícios, sete séculos antes de Cristo, costumavam acrescentar coberturas de carne e cebola ao pão; os turcos muçulmanos adotaram esse costume durante a Idade Média e, por causa das cruzadas, essa prática chegou à Itália pelo porto de Nápoles, sendo em seguida incrementada em suas coberturas, dando origem à pizza que conhecemos hoje.

No início de sua existência, somente as ervas regionais e o azeite de oliva eram os ingredientes típicos da pizza, comuns no cotidiano da região. Os italianos foram os que acrescentaram o tomate, descoberto na América e levado a Europa pelos conquistadores espanhóis. Porém, nessa época a pizza ainda não tinha a sua forma característica, redonda, como a conhecemos hoje, mas sim dobrada ao meio, feito um sanduíche ou um calzone.

A pizza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surge o termo “picea”, na cidade de Nápoles, considerada o berço da pizza. “Picea” indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima. Servida com ingredientes baratos, por ambulantes, a receita objetivava “matar a fome”, principalmente da parte mais pobre da população. Normalmente a massa de pão recebia, como cobertura, o toucinho, peixes fritos e queijo.

Dizem que a fama da receita alastrou-se por toda a Itália e logo correu o mundo e fez surgir a primeira pizzaria que se tem notícia, a Port’Alba, ponto de encontro de artistas famosos da época, tais como Alexandre Dumas, que inclusive citou variações de pizzas em suas obras.

Chegou ao Brasil da mesma forma, por meio dos imigrantes italianos, e hoje pode ser encontrada facilmente na maioria das cidades brasileiras. Até meados de 1950 era muito mais comum ser encontrada em meio à colônia italiana, tornando-se logo em seguida parte da cultura deste país.

Receitas de pizzas existem aos montes, basta dar uma olhada rápida no Google. E cada um pode criar a sua própria, variando a combinação de ingredientes na cobertura.

Então, não serei eu quem vai sugerir alguma receita das já tradicionais pizzas tão consumidas em quase todo o país, principalmente nos sábados à noite.

A receita de hoje foge um pouco da pizza tradicional, principalmente no que diz respeito ao formato da pizza. Tenho certeza que todos vão curtir a ideia e, principalmente, a combinação de ingredientes do recheio. Saborosíssima!

Pizza enrolada

Ingredientes

Massa

2 tabletes de fermento biológico
3 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
3 ½ xícaras de chá de farinha de trigo
1 xícara de chá de água morna
1/2 xícara de chá de óleo de soja

Recheio

1 embalagem de requeijão cremoso
1 embalagem de linguiça fina cortada em rodelas
2 tomates picados sem pele e sem sementes
10 azeitonas pretas picadas
3 ramos de tomilho picados
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 gema de ovo batida

Modo de preparo

Numa vasilha dissolva o fermento com o açúcar, junte o sal e o óleo. Junte a farinha de trigo aos poucos, alternando com a água morna. Misture bem e amasse com as pontas dos dedos até obter uma massa homogênea e lisa. Cubra e deixe crescer até dobrar de volume.

Pré-aqueça o forno em temperatura média (180 ºC). Com ajuda de um rolo, abra os discos de massa em uma superfície polvilhada com farinha.

Cubra a superfície da massa com o requeijão. Numa vasilha à parte, misture a linguiça, os tomates, as azeitonas, o tomilho, o sal e regue com o azeite. Espalhe o recheio sobre o requeijão, enrole a pizza como rocambole e pincele com a gema.

Leve para assar em uma assadeira untada com margarina e polvilhada com farinha de trigo por, aproximadamente, 25 minutos ou até dourar.

Sirva quente, acompanhada por um bom vinho tinto ou … guaraná!

Bom apetite!

By Joemir Rosa.

Pizza enrolada

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 08/05/2010 by Joe

Dizem que a história da pizza comça com os egípcios. Eles teriam sido os primeiros a misturar farinha com água. Outros afirmam que os pioneiros foram os gregos, que faziam massas a base de farinha de trigo, arroz ou grão-de-bico e assavam em tijolos quentes.

Ao contrário do conhecimento popular, apesar de tipicamente italiana, os babilônios, hebreus e egípcios já misturavam o trigo e amido e a água para assar em fornos rústicos há mais de 5000 anos. A massa era chamada de “pão-de-Abraão”, muito parecida com os pães árabes atuais e a ele eram acrescidos ervas e alho.

Os fenícios, sete séculos antes de Cristo, costumavam acrescentar coberturas de carne e cebola ao pão; os turcos muçulmanos adotaram esse costume durante a Idade Média e, por causa das cruzadas, essa prática chegou à Itália pelo porto de Nápoles, sendo em seguida incrementada em suas coberturas, dando origem à pizza que conhecemos hoje.

No início de sua existência, somente as ervas regionais e o azeite de oliva eram os ingredientes típicos da pizza, comuns no cotidiano da região. Os italianos foram os que acrescentaram o tomate, descoberto na América e levado a Europa pelos conquistadores espanhóis. Porém, nessa época a pizza ainda não tinha a sua forma característica, redonda, como a conhecemos hoje, mas sim dobrada ao meio, feito um sanduíche ou um calzone.

A pizza era um alimento de pessoas humildes do sul da Itália, quando, próximo do início do primeiro milênio, surge o termo “picea”, na cidade de Nápoles, considerada o berço da pizza. “Picea” indicava um disco de massa assada com ingredientes por cima. Servida com ingredientes baratos, por ambulantes, a receita objetivava “matar a fome” principalmente da parte mais pobre da população. Normalmente a massa de pão recebia, como cobertura, o toucinho, peixes fritos e queijo.

Dizem que a fama da receita alastrou-se por toda a Itália e logo correu o mundo e fez surgir a primeira pizzaria que se tem notícia, a Port’Alba, ponto de encontro de artistas famosos da época, tais como Alexandre Dumas, que inclusive citou variações de pizzas em suas obras.

Chegou ao Brasil da mesma forma, por meio dos imigrantes italianos, e hoje pode ser encontrada facilmente na maioria das cidades brasileiras. Até os anos 1950 era muito mais comum ser encontrada em meio à colônia italiana, tornando-se logo em seguida parte da cultura deste país.

Receitas de pizzas existem aos montes, basta dar uma olhada rápida no Google. E cada um pode criar a sua própria, variando a combinação de ingredientes na cobertura.

Então, não serei eu quem vai sugerir alguma receita das já tradicionais pizzas tão consumidas em quase todo o país, principalmente nos sábados à noite.

A receita de hoje foge um pouco da pizza tradicional, principalmente no que diz respeito ao formato da pizza. Tenho certeza que todos vão curtir a ideia e, principalmente, a combinação de ingredientes do recheio. Saborosíssima!

Pizza enrolada

Ingredientes

Massa

2 tabletes de fermento biológico
3 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
3 ½ xícaras de chá de farinha de trigo
1 xícara de chá de água morna
1/2 xícara de chá de óleo de soja

Recheio

1 embalagem de requeijão cremoso
1 embalagem de linguiça fina (Guanabara, da Sadia) cortada em rodelas
2 tomates picados sem pele e sem sementes
10 azeitonas pretas picadas
3 ramos de tomilho picados
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 gema de ovo batida

Modo de preparo

Numa vasilha dissolva o fermento com o açúcar, junte o sal e o óleo. Junte a farinha de trigo aos poucos, alternando com a água morna. Misture bem e amasse com as pontas dos dedos até obter uma massa homogênea e lisa. Cubra e deixe crescer até dobrar de volume.

Pré-aqueça o forno em temperatura média (180 ºC). Com ajuda de um rolo, abra os discos de massa em uma superfície polvilhada com farinha.

Cubra a superfície da massa com o requeijão. Numa vasilha à parte, misture a linguiça, os tomates, as azeitonas, o tomilho, o sal e regue com o azeite. Espalhe o recheio sobre o requeijão, enrole a pizza como rocambole e pincele com a gema.

Leve para assar em uma assadeira untada com margarina e polvilhada com farinha de trigo por, aproximadamente, 25 minutos ou até dourar.

Sirva quente, acompanhada por um bom vinho tinto ou …… guaraná!
Bom apetite!

By Joe.

Salada colorida

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 23/01/2010 by Joe

Seguindo a tônica de uma alimentação light e saudável num verão de altas temperaturas onde o ideal são as saladas, frutas e carnes brancas, e uma boa sobremesa gelada é sempre o complemento mais recomedado (veja post do dia 09/01/2010), indico hoje uma salada bem leve e, ao mesmo tempo, saudável e agradável ao paladar.

Além do sabor, também agrada aos olhos e alegra o estômago. Ingredientes facilmente encontrados em qualquer feira livre ou supermercados, e a sugestão de um molho rápido. E você ainda pode variar os ingredientes de acordo com seu gosto.

Bom apetite!

Salada colorida

Ingredientes

1 alface crespa ou mimosa
2 tomates cortados em rodelas
2 cenouras cozidas cortadas em rodelas
1 vidro pequeno de palmito
1 lata de milho escorrido
1 lata de ervilha escorrida
8 azeitonas pretas sem caroços cortadas em rodelas
2 ovos cozidos cortados em 4 partes
1 cebola roxa pequena cortada em gomos finos
1 colher (sopa) de salsinha picada

Modo de preparo

Em uma travessa, espalhe as folhas de alface. À volta da travessa, arrume as rodelas de tomate, de cenoura e de palmito. No centro, coloque o milho, a ervilha e as azeitonas. Depois os ovos cozidos e a cebola. Por fim, salpique com a salsa.

Molho rápido

Ingredientes
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
2colheres (sopa) de suco de limão
1/2 xícara (chá) de maionese

Modo de preparo

Misture todos os ingredientes do molho e tempere a salada.

Fonte: Revista CompreBem, edição de Janeiro de 2010.

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: