Arquivo para Ator

Não seja apenas um espectador da vida alheia

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11/12/2014 by Joe

Não seja apenas um espectador

Nunca viva para ser um mero espectador da vida alheia: seja o ator principal de sua vida, por mais difícil que seja”.

Com essas palavras, meu pai me ensinou algo que, a princípio, eu possa não ter entendido, mas hoje é minha filosofia de vida.

Já se faz bons anos que meu pai proferiu aquelas palavras. Entretanto, hoje, mais do que nunca, elas estão vivas dentro de mim, porque eu saí das asas dos meus pais e comecei a encarar o mundo.

Desde que eu comecei a encarar o mundo, quebrei a cara inúmeras vezes, chorei por desilusões, entristeci por fatos. Mas que mal há nisso? Isso é viver!

Quebrar a cara significa aprender com o fracasso; chorar significa lavar os ferimentos da alma; entristecer-se significa mostrar ao mundo que você está com problemas e que necessita de ajuda, de amparo, de um ombro amigo para desabafar.

Viver sem passar por essas experiências dolorosas não é viver, é apenas assistir, ser um mero espectador da vida alheia. E não, não podemos simplesmente assistir aos outros viverem, nós também temos que viver, correr atrás de nossos sonhos…

E isso significa errar, chorar, entristecer-se, quebrar a cara, mas, acima de tudo, significa no final ganhar o mundo, mostrar ao mundo de que nossa passagem por aqui será lembrada por todos.

Desconheço a autoria.

Tilápia ao molho taratur

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/11/2014 by Joe

Tilápia ao molho taratur

“Quo Vadis”, filme de 1951 dirigido pelo grande Mervin LeRoy, é uma das produções mais caras de Hollywood e entrou para a filmografia mundial por trazer o par Robert Taylor e a linda Deborah Kerr como pessoas especiais.

Ela, Lígia, filha adotiva de um general romano; ele Marcus Vinicius, também general romano, que teriam tudo para abraçar o altar cheio de deuses adorados pelos romanos, mas que se convertem à fé cristã, não sem antes passarem pela loucura e desatinos de Nero (Peter Ustinov, sensacional!), o imperador do período que, em sua demência, matou a mãe, o meio-irmão e ateou fogo na capital do império. No filme, o fogaréu entra em cena em uma impressionante sequência, em que nem toda a correria e vaivém movem um único fio de cabelo de Taylor, um galã acima de qualquer suspeita.

O outro personagem que se destaca no filme é Pedro, interpretado pelo escocês Finlay Currie, cuja crucificação (assim como a carnificina em plena arena, de cabeça para baixo) é um dos momentos memoráveis da carreira de um ator que também integrou o elenco de produções bíblicas, como Ben-Hur e A Queda do Império Romano.

Naqueles primeiros anos do cristianismo, após a morte de Jesus, Pedro era ouvido por multidões e usou um símbolo forte para expandir a palavra do homem que falou para cultivar o bem, a paz e a união entre os povos: o peixe!

Este era o sinal inequívoco do então ascendente cristianismo.

É em “Quo Vadis” que vemos, pela primeira vez, uma referência à marca que seria definitiva na vida dos cristãos. Perseguidos com sadismo pelo imperador, ao se encontrarem pelas ruas das cidades os seguidores de Jesus usavam o peixe desenhado na areia para avisar sobre as pregações e os encontros entre os fiéis. Desenhavam na areia para que ficasse mais fácil apagar qualquer vestígio de uma prática que levaria os “rebeldes” para o centro do Coliseu, onde o imperador apreciava ver os leões jantarem os fiéis mais exaltados e convencidos de sua crença.

Hoje, dois milênios depois, as duas linhas que começam juntas e se cruzam no fim estão em toda parte, sobretudo nos carros, colados como adesivos. Um modelo eficaz de simplicidade convincente, que jamais frustra quem de fato acredita.

Em outros posts já falamos sobre peixes e suas qualidades nutritivas, deixando algumas receitas muito saborosas. E o prato de hoje é um peixe com o molho taratur, receita típica da região onde nasceram os apóstolos Pedro e Tiago, às margens do Mar da Galileia. Consumido em todo o Oriente Médio, é especialmente servido como acompanhamento do falafel ou de qualquer outro prato à base de peixe, embora o molho combine também com legumes cozidos, quibe frito e palitos de frango empanados.

Tilápia ao molho taratur

Ingredientes

filés de tilápia
sal e pimenta a gosto
sumo de um limão
2 ovos
farinha de rosca

Molho taratur

1/2 xícara (chá) de pasta de gergelim (tahine)
2 dentes de alho
1 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de água
suco de meio limão
pimenta síria a gosto (opcional)

Modo de preparo

Corte os filé de tilápia em tiras (a espessura fica ao seu gosto), tempere com sal, pimenta e sumo do limão e deixe marinando por uns 30 minutos.

Em um prato, bata os ovos. Coloque a farinha de rosca em outro prato. Pegue os filés de tilápia e passe nos ovos batidos, depois na farinha e reserve em outra vasilha.

Frite os filés empanados em óleo quente numa quantidade que possa cubrí-los. De prerefência, vá fritando aos poucos para não esfriar o óleo e também para não queimar os filés.

Para o molho, comece preparando o alho, socando-o com o sal até formar uma pasta bem homogênea. Reserve.

Coloque a pasta de gergelim em uma vasilha funda e junte a água. Mexa bem com uma colher até que o creme fique mais branco. Acrescente a pimenta síria, a pasta de alho e sal e o limão, mexendo bem até obter uma mistura cremosa e lisa.

Sirva os peixes fritos com o molho. Uma cervejinha gelada é um ótimo acompanhamento que , com certeza, Pedro e Tiago não tiveram oportunidade de experimentar!

By Joemir Rosa.

A vida é agora!

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 03/03/2014 by Joe

O tempo

Dizem que a vida é curta, mas não é verdade. A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades. E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada, como uma criança traquina, brincando de esconde-esconde.

Infelizmente, às vezes não percebemos isso e passamos nossa existência colecionando e dando muito valor aos nãos: a viagem que não fizemos, o presente que não demos, o beijo que não roubamos, a festa à qual não fomos, o amor que não vivemos, o perfume que não sentimos, o abraço que não demos, o “eu te amo” que não falamos…

A vida é mais emocionante quando se é ator e não espectador, quando se é piloto e não passageiro, pássaro e não paisagem, cavaleiro e não montaria. E como ela é feita de instantes, não pode e nem deve ser medida em anos ou meses, mas em minutos e segundos.

Esta mensagem é um tributo ao tempo. Tanto aquele tempo que você soube aproveitar no passado, quanto aquele tempo que você não vai desperdiçar no futuro.

Porque a vida é agora…

Viva!!!

Desconheço a autoria.

Arrisque-se … e seja você mesmo!

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 04/05/2012 by Joe

A grande maioria das pessoas concorda que gostaria de ser uma pessoa saudável, feliz e útil enquanto estiver na terra. Para que isso se torne possível, recebemos – durante toda nossa vida, e das mais diferentes pessoas (pais, parentes, professores, autoridades, amigos, mídia, etc.) – uma abundância de conselhos, broncas, ameaças, dicas, fórmulas e regras que acabam nos programando sobre o que é a felicidade e como buscá-la.

Mas em algum lugar desse caminho, ao amadurecermos como adultos, começamos a notar que, na verdade – e gostemos disso ou não – somos nós mesmos que criamos nosso próprio sentido de existência como seres humanos, embora baseando-se em valores e crenças de outras pessoas.

Em algum ponto de nossas vidas, por vontade própria ou por acidente, descobrimos que o sentido dela depende somente de nós mesmos. Somos ao mesmo tempo autores, diretores e o ator principal dessa peça fantástica que se chama vida. Para muitas pessoas essa descoberta é tão assustadora que preferem voltar a para sua “zona de segurança”, uma área confortável onde não é preciso pensar, apenas obedecer.

Para elas é difícil aceitar que evitar tomar decisões já é, em si, uma decisão. É um paradoxo: tem gente que toma a decisão de não decidir – é a decisão de deixar os outros decidirem no seu lugar. Em última análise, a decisão de deixar de ser quem é para ser quem os outros querem que ela seja.

Felizmente existem também as pessoas que se dão conta dessa liberdade de poder pensar (e decidir) de maneira livre e racional. Conseguem aceitar o fato que o pré-condicionamento que receberam, independentemente de seu conteúdo ou fonte, é apenas mais um passo inevitável do processo de maturação e amadurecimento.

Dessa maneira elevam-se, fortalecendo sua estima e amor-próprio. De maneira apaixonada, as pessoas livres valorizam sua dedicação, buscando jogar o melhor possível com as cartas que a vida lhes dá, atráves do crescimento e da apreendizagem contínua. Consistentemente escolhem fazer coisas que fazem sentido em sua vida,  trazendo junto a realização pessoal e profissional.

Onde você se encaixa? Você é quem gostaria de ser? Faz o que gostaria de fazer? A sua vida é a vida que você queria ter?

Não aceite as desculpas racionais que sempre aparecem em nossa mente quando fazemos essas perguntas. Melhor ainda: preste atenção no seu comportamento, na sua atitude, pois essas são as melhores formas de descobrir corretamente que tipo de filosofia e valores pessoais você tem.

Na maioria das vezes, “coisas” acontecem porque alguém tomou uma decisão. A natureza recompensa a ação, e não desejos ou sentimentos.

O controle de qualquer situação requer foco e expectativas claras sobre nosso objetivo final, bem como conhecer as ações ou passos que devem ser tomados para atingir esse objetivo de maneira satisfatória.

A verdade é que uma pessoa pode esperar um raio cair para iluminar a sua vida, mas isso é tão raro que nem vale a pena esperar.

“Sorte”, já dizia o sábio, “é quando a preparação encontra a oportunidade”.

As duas coisas se complementam e, de fora, para quem olha como espectador, parece sorte. Mas na verdade existe muito trabalho duro e esforço por trás dessa “sorte”.

Se existem aspectos na sua vida que você gostaria de mudar, você precisa de um objetivo, de um plano de ação e da determinação de trasformar isso em realidade (ou seja, agir!).

Para vencer o jogo é preciso entrar em campo. Para ganhar na loteria é preciso, pelo menos, comprar um bilhete.

Arrisque-se: saber ousar, esse é o lema do esclarecimento!

By Raúl Candeloro.

A vida é um palco

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 16/01/2012 by Joe

Imagine você sendo um ator ou uma atriz, fazendo o papel de um personagem numa peça. A peça está em cartaz há muito tempo. Você já conhece muito bem os diálogos e como a historia se desenrola.

Todas as noites, a mesma história. Não há mais surpresas. Você sabe muito bem seu papel e dos outros também. Sabe exatamente o que deve falar, quando e o que o outro vai responder e assim por diante…

Tudo previsível,  “perfeito”.

Imagine agora que a peça está perdendo público e logo vai sair de cartaz. Você terá de procurar outra peça para continuar atuando. Aí você recebe um convite para uma nova peça, onde fará um papel bem diferente, totalmente novo.

Você, como um ator responsavel, irá naturalmente estudar o novo personagem. Irá treinar as falas, os gestos, os movimentos. Irá estudar eventualmente o contexto histórico, a cultura, etc.

Talvez faça aulas de dança, de artes marciais, de canto, etc. para dar maior credibilidade à sua atuação. E, assim, você terá maiores chances de se sair bem na nova peça.

Isso parece uma atitude sensata e até óbvia.

Mas na vida real tem muita gente que faz diferente…

A pessoa tem um papel muito bem ensaiado. Está perfeitamente encaixada na “peça”. Faz algo e é criticada por uma pessoa próxima – há muito tempo essa cena se repete.

Mas, em algum momento, sente-se insatisfeita com aquele papel. Quer fazer mudanças. Mudanças significam assumir um novo personagem para poder atuar em uma outra peça.

É de se esperar, então, que ela estude bem esse novo personagem. É também esperado que ela estude o contexto histórico, a cultura, etc. Que aprenda e desenvolva novas habilidades para dar mais credibilidade ao personagem.

No entanto, prefere estudar o passado da personagem antiga, da peça que está saindo de cartaz. Faz isso perguntando: por que aquilo não deu certo? O que levou aquele personagem a ter aqueles sofrimentos? Quem foram os culpados?

E, assim, acaba negligenciando a preparação para o novo papel. Com as mesmas características do papel que representava na peça anterior… Não sendo bem preparada, sua atuação será desastrosa…

Mas esse não seria o papel antigo dela, justamente o que quer abandonar?

Pense bem nisso tudo. Veja como, na maioria das vezes, ficamos presos a um determinado papel, esperando que o teatro mude ao nosso redor.

Será que não é hora de você mudar de papel? Mudar o personagem?

By Mizuji.

%d blogueiros gostam disto: