Arquivo para Antoine de Saint-Exupéry

O verdadeiro amor

Posted in Inspiração with tags , , , , on 21/12/2015 by Joe

Verdadeiro amor 3

O verdadeiro amor nada mais é que o desejo inevitável de ajudar o outro a ser quem realmente é.

By Antoine de Saint-Exupéry.

O essencial…

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/11/2013 by Joe

O essencial é invisível aos olhos

Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: “Qual é o som da sua voz?”, “Quais os brinquedos que prefere?”, “Será que coleciona borboletas?”

Mas perguntam: “Qual é sua idade?”, “Quantos irmãos ele tem?”, “Quanto pesa?”, “Quanto ganha seu pai?”

Somente então é que elas julgam conhecê-lo!

Se dizemos às pessoas grandes:

– “Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado”, elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma ideia da casa. É preciso dizer-lhes:

– “Vi uma casa de seiscentos contos”.

Então elas exclamam:

– “Que beleza!”

By Antoine de Saint-Exupéry, em “O Pequeno Príncipe”.

Apenas um cogumelo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , on 04/07/2013 by Joe

Apenas um cogumelo

Eu conheço um planeta onde há um homem vermelho, quase roxo. Nunca cheirou uma flor. Nunca olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa senão somas.

E o dia todo repete como tu:

– “Eu sou um homem sério! Eu sou um homem sério!” e isso o faz inchar-se de orgulho.

Mas ele não é um homem: é apenas um cogumelo!

By Antoine de Saint Exupéry.

De onde vêm as tuas alegrias?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29/05/2013 by Joe

De onde vem as tuas alegrias

Embora a experiência me tenha ensinado que se descobrem homens felizes em maior proporção nos desertos, nos mosteiros e no sacrifício do que entre os sedentários dos oásis férteis ou das ilhas ditas afortunadas, nem por isto cometi a asneira de concluir que a qualidade do alimento se opusesse à natureza da felicidade.

Acontece, simplesmente, que onde os bens são em maior número oferecem-se aos homens mais possibilidades de se enganarem quanto à natureza das suas alegrias: elas, efetivamente, parecem provir das coisas, quando eles as recebem do sentido, que estas coisas assumem em tal império ou em tal morada ou em tal propriedade.

Para já, pode acontecer que eles, na abastança, se enganem com maior facilidade e façam circular mais vezes riquezas vãs.

Como os homens do deserto ou do mosteiro não possuem nada, sabem muito bem donde lhes vêm as alegrias, e é-lhes assim mais fácil salvar a própria fonte do seu fervor.

By Antoine de Saint-Exupéry.

Dúvidas

Posted in Reflexão with tags , , , , , on 27/05/2013 by Joe

Grupos de pessoas

As pessoas podem ser dividas em três grupos:

1. Os que fazem as coisas acontecerem;

2. Os que olham as coisas acontecendo;

3. E os que ficam se perguntando o que foi que aconteceu.

Em qual desses grupos você se enquadra?

Nunca deixe de ter dúvidas: quando elas param de existir é porque você parou em sua caminhada.

By Antoine de Saint-Exupéry (adaptado de um texto).

Finados

Posted in Homenagem with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/11/2012 by Joe

Nada jamais substituirá um companheiro perdido!

Ninguém pode recriar velhos companheiros. Nada vale o tesouro de tantas recordações comuns, de tantas horas más vividas juntos, de tantas desavenças, de tantas reconciliações, de tantos impulsos afetivos…

Não se reconstroem essas amizades.

Seria inútil plantar um carvalho, na esperança de ter, em breve, o abrigo de suas folhas.

Assim vai a vida…

A princípio enriquecemos. Plantamos durante anos, mas os anos chegam em que o tempo destrói esse trabalho, arranca essas árvores.

Um a um, os companheiros nos tiram suas sombras. E aos nossos lutos mistura-se, então, a mágoa secreta de envelhecer…

By Antoine de Saint-Exupéry.

%d blogueiros gostam disto: