Arquivo para Andrew Matthews

Fazer o que gosta

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/09/2013 by Joe

Fazer o que gosta

Sua melhor oportunidade de prosperar está em fazer o que você gosta. O amor é uma energia. Tudo o que a gente faz com amor está impregnado dessa “energia de qualidade”, e esse tipo de energia é mais passível de se transformar em dinheiro.

Mas isso não significa ausência de frustração ou de dor. Fazer o que você gosta não é uma receita para uma vida mais fácil, é uma receita para uma vida interessante. O mais provável é que você assuma maiores responsabilidades e tenha mais problemas. Mesmo assim, pode valer a pena!

Quando a gente se interessa pelo que faz, o entusiasmo é o que mais ajuda; afinal, quando a gente está apaixonado, não precisa da motivação de ninguém. Por exemplo: se você abrir o restaurante dos seus sonhos e ninguém aparecer por lá, tente novas receitas, ideias e locações até que o estabelecimento fique lotado.

Se lhe falta capital, leve seu entusiasmo a alguém com mais dinheiro que você e tente uma sociedade. Pode ser que você passe por algumas frustrações, mas, no fundo, você sabe que está avançando.

Decerto é necessário muita determinação, mas a sua paixão é o seu alicerce. A vitalidade provém de um senso de propósito. Você tem o dever para consigo, e para com os demais, de fazer aquilo que o entusiasma. Já existe muita gente morna no mundo, que se queima sem nunca ter se aproximado do fogo.

Porém, é bom lembrar que acompanhar o seu sonho não é nenhuma garantia de viagem fácil. A vida geralmente se torna mais desafiadora, porém, você embarca numa viagem exterior que começa numa viagem interior. E tem oportunidade de florescer – de ver na verdade quem você é.

Em poucas palavras: seja onde for, você não está plantado – você é um ser humano, não uma árvore!

By Andrew Matthews, no livro “Siga seu coração”.

Anúncios

Você se ofende?

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/09/2013 by Joe

Ofensa

Pessoas maduras não se abalam por causa de comentários indelicados de outras pessoas!

De vez em quando as pessoas dizem coisas para nos testar e fazem comentários do tipo: “você não trabalha duro!” ou “você come demais!” ou ainda “todo mundo sabe que você casou com ele por dinheiro!”. Às vezes, essas coisas são ditas por inveja, mas com frequência são ditas para provocar uma reação. Qualquer que seja o motivo, a melhor maneira de lidar com isso é sorrir e, ou não dizer nada, ou concordar com a pessoa.

Assim sendo, da próxima vez que seu vizinho o vir em seu carro novo e disser: “você não trabalha quase nada e ainda assim eles lhe pagam uma fortuna!”, simplesmente sorria e responda: “não é maravilhoso?”. Você não tem de explicar nada sobre suas responsabilidades e sobre o tempo que fica “ralando” no trabalho. Não precisa justificar. Apenas sorria e deixe isso para lá.

Quando a sua cunhada observar coisas do tipo: “você está sempre tirando férias!”, concorde com ela, dizendo: “sim, adoro tirar férias!”. Se o seu primo disser: “puxa, você deve ter gasto uma nota nessa piscina”, sorria e fale: “pode apostar que sim. É que detesto piscinas baratas”!

Não se deixe perturbar. Você não vai ganhar nada discutindo com seu primo, sua cunhada, seu vizinho ou com quem quer que seja. Quando encontrar com pessoas assim, concorde com elas de uma maneira gentilmente natural. Se você começar a tentar se defender, estará frito.

Em poucas palavras: somente pessoas que “pensam pequeno” fazem comentários desagradáveis; e somente pessoas que também “pensam pequeno” se ofendem. Seja alguém que “pensa grande”!

By Andrew Matthews, no livro “Faça amigos”.

Nós gravitamos na direção de nossos pensamentos dominantes

Posted in Ciência with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/08/2013 by Joe

Pensamentos gravitando em nossa mente

Vamos examinar como aquilo que se encontra em sua mente afeta o que acontece em sua vida.

Talvez um dos princípios mais importantes com o qual você sempre vai se deparar a respeito de sua mente seja o de que você sempre gravita na direção daquilo que pensa com mais frequência.

Quantas vezes você não se viu exatamente na situação pela qual você disse que não queria passar? Você disse: “se há uma coisa que eu não quero que aconteça…”, “se há uma pergunta que eu não quero que me façam…”, “se há um erro idiota que eu não quero repetir…” E adivinhe o que aconteceu? Aconteceu exatamente tudo o que você não queria!

O princípio aqui é: “pense muito sobre alguma coisa e você atrairá aquilo para si”. Mesmo que você esteja pensando em algo que não quer. Isso acontece porque sua mente se move em direção às coisas, e nunca para longe delas. Essa consciência de como nossa mente funciona nos leva a considerar melhor aquilo que dizemos a nós mesmos e aos outros, porque nossa mente funciona com imagens.

Quando você diz a si mesmo: “eu não quero esquecer meu livro”, você instala na mente a imagem do objeto sendo esquecido. Já quando você diz: “eu quero me lembrar do livro”, formará uma imagem mental de si mesmo lembrando-se do livro e terá muito mais chance de se lembrar dele.

Sua mente simplesmente não pode e não vai funcionar ao contrário de uma ideia. Assim sendo, quando o treinador de futebol grita para um jogador: “Não erre o penalty!”, ele está pedindo para ter problemas! O jogador de tênis que vence os grandes torneios é o jogador que está sempre pensando “eu quero este ponto, este é meu!”. Já o indivíduo que perde a partida é aquele que pensa: “É melhor eu não perder este ponto”!

Em poucas palavras: o pensamento positivo funciona porque os pensadores positivos lidam com aquilo que querem. Desse modo, eles gravitam necessariamente na direção de seus objetivos.

Pense sempre naquilo que você quer!

By Andrew Matthews, no livro “Seja Feliz”.

Faça bem a si mesmo

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25/07/2013 by Joe

Faça bem a si mesmo

Eu costumava contribuir financeiramente com todo tipo de coisa. Se eu estava andando pela rua e alguém me pedia dinheiro, eu dava. Se uma senhora me telefonasse, pedindo que eu comprasse três toalhinhas de mesa por 30 dólares, eu comprava. Quando as pessoas apareciam no meu escritório vendendo amendoins mofados eu pensava “Credo!”, e comprava três saquinhos.

Depois perguntava a mim mesmo: “mas para que causa eu fiz minha contribuição?”, e então me dava conta de que não tinha a mínima ideia da resposta!

Pode até ser uma atitude generosa fazer doações para a caridade, mas eu não estava fazendo aquilo por generosidade. Fazia principalmente por estar preocupado com o que os outros iriam pensar de mim. Eu não queria parecer um sovina, por isso contribuía, para que todos me considerassem um cara legal – e isso para mim estava ótimo.

Com muita frequência, eu me preocupava com o que as pessoas iriam pensar, em vez de considerar o que eu queria. Nunca enviava pratos para serem refeitos nos restaurantes, nem pedia aos vizinhos para baixarem o volume da música, e raramente devolvia mercadorias com defeito a uma loja.

Mas, enquanto eu achava que estava sendo amigável, na verdade estava sendo fraco. Minha experiência de vida me mostrou que muitas pessoas têm esse mesmo tipo de preocupação devido à necessidade de serem aprovadas pelos outros.

Para manter o controle sobre nossas vidas e viver plenamente, nosso grande desafio é eliminar essa compulsão em obter a aprovação alheia. Preocupar-se com o que os outros pensam a nosso respeito é um hábito difícil de ser quebrado, mas pode haver resultados trágicos se não o fizermos. Com frequência, pessoas sensatas se condenam a uma vida inteira de dedicação a empregos que elas simplesmente odeiam, simplesmente por pensarem no que as pessoas iriam dizer se elas deixassem essa posição segura…

Em poucas palavras: ao respeitar os outros, não deixe de ser verdadeiro consigo mesmo. Se as pessoas discordam de suas ideias ou de seu estilo de vida, o problema é delas, não seu.

By Andrew Matthews, no livro “Faça Amigos”.

Correr riscos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 30/10/2012 by Joe

Para alcançar qualquer objetivo, sempre há um risco envolvido!

Muitas pessoas dizem: “não vou correr risco nenhum; não quero ter problemas!”

O que elas não imaginam é que é justamente no meio do problema que se encontram os melhores frutos!

Há uma lei funcionando neste planeta que assegura que as recompensas vêm depois do risco, e não o contrário.

A maioria de nós começa a vida com uma atitude saudável em relação ao risco. Quando somos crianças, mal podemos esperar para tentar novas aventuras. Uma criança saudável e feliz, assim como um adulto saudável e feliz, adora se testar e aceitar desafios.

Quando damos aqueles primeiros passos incertos, ao começarmos a dominar a arte de andar, estamos correndo riscos. E adoramos isso! Mas, de alguma maneira, entre a idade de 2 e 22 anos, muitas pessoas passam por uma dramática mudança de atitude. Ficam preocupadas em se manterem sempre sãs e salvas; então, passam as noites grudadas na frente da televisão, fascinadas com as ousadas aventuras dos super-heróis de celulóide. Ou então, “engolem” grandes doses de novelas e seriados, enquanto suas próprias vidas degeneram para um interminável seguimento de um ano insuportável após o outro.

O tempero da vida está justamente em fazer coisas novas, em moldar algo com nossa própria substância.

A busca pela segurança mina nossa força vital. Ser diferente é arriscado, mas também significa poder ser você mesmo.

Na verdade, o universo está continuamente nos encorajando a nos testarmos, a superarmos os desafios e a sermos extraordinários. Para ganhar, devemos arriscar.

Para aprender a andar, devemos nos arriscar a cair e nos machucar.

Para ganhar um real, devemos nos arriscar a perdê-lo, e as pessoas que ganham o máximo arriscam o máximo.

Os vencedores correm mais riscos do que os perdedores. Por isso é que eles ganham tanto…

Em poucas palavras: nós temos uma escolha!

A escolha entre viver de verdade ou apenas existir.

Arranjar um novo emprego é um risco.

Atravessar uma rua é um risco.

Começar um negócio, um relacionamento ou uma família é um risco…

A vida é um risco.

Então, vamos caminhar um pouco por esse pomar e colher algumas frutas!

By Andrew Matthews, no livro ”Seja Feliz“.

%d blogueiros gostam disto: