Arquivo para aflição

Palavras

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10/03/2015 by Joe

Palavras

Palavras não são apenas palavras. Elas têm disposição de ânimo, climas próprios.

Quando uma palavra se aloja dentro de você, ela traz um clima diferente à sua mente, uma abordagem diferente, uma visão diferente. Chame a mesma coisa de um nome diferente e perceberá: algo fica imediatamente diferente.

Existem as palavras dos sentimentos e as palavras intelectuais. Abandone cada vez mais as palavras intelectuais, use cada vez mais palavras dos sentimentos.

Existem palavras políticas e palavras religiosas. Abandone as palavras políticas.

Existem palavras que imediatamente criam conflito. No momento em que você as pronuncia, surgem discussões. Assim, nunca use uma linguagem lógica e argumentativa. Use a linguagem do afeto, do carinho, do amor, para que não surja discussão alguma.

Se você começar a ficar consciente disso, perceberá uma imensa mudança surgindo. Se você estiver um pouco alerta na vida, muitas infelicidades poderão ser evitadas.

Uma única palavra pronunciada na inconsciência pode criar uma longa corrente de aflição. Uma leve diferença, apenas uma virada muito pequena, e isso cria muita mudança.

Você deveria ser muito cuidadoso e usar as palavras quando absolutamente necessário. Evite palavras contaminadas. Use palavras arejadas, não controversas, que não são argumentos, mas apenas expressões de suas impressões. Se você puder se tornar um especialista em palavras, toda a sua vida será totalmente diferente.

Se uma palavra trouxer infelicidade, raiva, conflito, dor ou discussão, abandone-a. Qual é o sentido de carregá-la? Substitua-a por algo melhor.

O melhor, às vezes, é o silêncio, depois é o canto, a poesia, o amor.

By Osho.

Anúncios

O Tempo Entre Costuras

Posted in Livros with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 06/04/2014 by Joe

O Tempo Entre CosturasLivro: O Tempo Entre Costuras
By María Dueñas
Editora Planeta

Em “O Tempo Entre Costuras”, María Duenãs nos conta uma linda história de uma moça nascida na Espanha, Sira Quiroga. O ano é 1930 e já começa a despontar a revolução que colocaria seu país sob o regime de Francisco Franco que, com mão de ferro e princípios fascistas, dominaria a Espanha e derramaria o sangue de tantos cidadãos pelo solo espanhol.

Entre moldes, alinhavos, pregar botões, agulhas, alfinetes, idealizar e confeccionar roupas, María Duenãs nos encanta a cada página. Com seu estilo próprio, leve, direto, ela é uma grande contadora de histórias que vai nos conduzindo pelo mundo de Sira Quiroga.

A história nos coloca como ouvinte, depois faz com que nos tornemos sua amiga até que, finalmente, nos tornamos cúmplices daquela mulher forte, embora aparentemente frágil, corajosa e determinada. Acabamos por compartilhar sonhos, anseios, esperanças e medos com Sira. Vamos ouvindo seu choro, sentindo sua aflição e sua solidão, e vivendo suas esperanças.

Para quem não conhece, conseguimos imaginar Marrocos em nossa mente, andar pelas ruas quentes e ensolaradas e pelas noites frias. Nos tornamos amigos de seus amigos, e nos apaixonamos pelas suas paixões.

Aprendemos como fazer uma resistência em tempos de guerra e como agem os espiões e os riscos que correm. Enfim, vivemos cada página do livro.

Ficção, aventura, imaginação, não importa. O que vale mesmo é a mensagem e como ela é passada em “O Tempo Entre Costuras”, que torna nossas tarefas do dia-a-dia mais agradáveis, mais suportáveis, mais alegres.

Enfim, uma daquelas obras que, quando fechamos o livro após a última página, parece que estávamos conversando com uma grande amiga…

Imperdível.

By Joemir Rosa.

O corpo fala

Posted in Saúde with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18/11/2010 by Joe

Há algum tempo eu postei um texto que falava exatamente sobre a importância de ficarmos atentos ao nosso corpo, como ele “fala” conosco quando alguma coisa não está bem.

Hoje, um complemento que nos mostra alguns sintomas que o nosso corpo nos apresenta quando estamos sendo afetados por problemas emocionais.

Ou seja, o corpo fala quando a gente se cala.

O resfriado ocorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta chega quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A cabeça dói quando as dúvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
O coração enfarta quando a ingratidão acontece.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

Portanto, preste atenção a isso. Doença não existe; o que existe é o doente. As somatizações são apenas a exteriorização dos nossos desequilíbrios internos.

Somos o que pensamos!

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: