Arquivo para Acompanhamento

Torta Ratatouille

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/12/2014 by Joe

Torta Ratatouille

Para quem nunca tinha ouvido falar em Ratatouille e pensava que o desenho levava esse nome porque se tratava de uma história de ratos, aqui vai uma breve história do prato.

O Ratatouille é uma receita típica da culinária francesa, da região da Provença, de meados do século XVII e que pode ser servida tanto quente quanto fria, sozinha ou como acompanhamento.

O nome significa “picar” ou “triturar”, mas também podemos entender como sendo um “ragout” de legumes ou berinjela. Num Ratatouille não podem faltar berinjelas nem tomates, mas os demais ingredientes ficam mais ao gosto de cada um, podendo ser utilizados pimentões, abobrinhas, cenouras, etc.

A receita de hoje mistura esse clássico francês com a leveza das tortas primaveris, resultando num prato bem saboroso que pode ser servido na ceia de Natal.

Espero que curtam a receita e aproveito para desejar a todos um Feliz Natal junto a seus familiares e amigos, sempre com muita luz, paz, harmonia e saúde!

Torta de Ratatouille

Ingredientes

Massa

1 ovo
100g de manteiga gelada
1 colher (chá) de sal
1¼ de xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma tigela grande, junte a farinha e o sal e misture. Corte a manteiga em cubos e transfira para a tigela. Usando as pontas dos dedos, misture até formar uma farofa, sem deixar a manteiga dissolver completamente. Dessa forma, a massa ficará crocante.

Acrescente o ovo e trabalhe a massa apenas até formar uma bola. Envolva com papel filme e leve à geladeira por, no mínimo, uma hora. Se preferir, prepare a massa no dia anterior.

Recheio

Ingredientes

1 berinjela pequena
1 abobrinha média
3/4 de xicara (chá) de tomate-cereja ou sweet-grape
1 talho de alho-poró sem as folhas verdes
1 pimentão amarelo
1 cebola média
4 dentes de alho
sal e pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
8 colheres (sopa) de azeite

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 220ºC. Em uma tábua, corte a berinjela em rodelas de 1 cm e descarte as pontas. Se a berinjela for grande, corte as fatias ao meio. Transfira para uma tigela, cubra com água e misture com uma colher de chá de sal. Esse truque serve para amenizar o gosto amargo do legume. Reserve.

Enquanto isso, prepare os outros legumes. Lave, seque e fatie as abobrinhas em rodelas de 1 cm também, descartando as pontas. Corte os tomates-cereja ao meio e fatie o alho-poró finamente. Além disso, corte o pimentão ao meio, descartando as sementes, corte as metades em tiras e as tiras em cubos. Descasque a cebola e corte em quatro partes e descasque os dentes de alho.

Retire a berinjela da água, deixe escorrer bem e distribua em uma assadeira retangular grande. Regue com três colheres de sopa de azeite e leve ao forno pré-aquecido para assar por 15 minutos. Retire a assadeira do forno e junte os outros legumes. Tempere com sal e pimenta-do-reino, regue com bastante azeite e misture delicadamente.

Coloque a assadeira novamente no forno por 30 minutos. Retire e baixe a temperatura do forno para 180ºC.

Montagem

Ingredientes

2 ramos de tomilho fresco
2 ramos de alecrim fresco
1 gema (para pincelar)
1 colher (chá) de água

Modo de preparo

Cerca de 15 minutos antes de terminar o tempo para pré-assar os legumes, retire a massa da geladeira. Separe uma forma redonda, de fundo removível, com cerca de 24 cm de diâmetro.

Em uma bancada, polvilhe um pouco de farinha e, com um rolo de macarrão, abra a massa em formato arredondado até ficar com cerca de 0,5 cm de espessura. Separe o fundo da forma. Para transferir a massa, enrole-a no rolo de macarrão e desenrole sobre o fundo da forma, deixando as bordas para fora.

Retire a assadeira do forno. Debulhe os ramos de tomilho e alecrim e junte aos legumes, misturando delicadamente. Em seguida, coloque os legumes sobre a massa e dobre as bordas por cima.

Em uma tigelinha, misture bem a gema com água. Pincele a massa e leve ao forno por 45 minutos ou até dourar. Sirva quente ou em temperatura ambiente.

By Joemir Rosa.

Batata rösti de peito de peru com gorgonzola

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/02/2014 by Joe

Batata rösti com peito de peru e gorgonzola

Há tempos postei receitas tendo a batata como ingrediente principal. Sabemos que ela teve origem nas regiões montanhosas da América do Sul, mais precisamente, nas Cordilheiras dos Andes, onde começaram a ser cultivadas pelos índios andinos que viviam nessas áreas há uns 8.000 anos.

Boas fontes de vitamina C, elas são atualmente o quarto alimento mais consumido do mundo, com milhares de variedades de diferentes cores, sabores e tamanhos, sendo utilizadas em receitas no mundo todo. O maior produtor mundial é a China, cuja produção em conjunto com a da Índia corresponde a mais de um terço da produção mundial.

A dica de hoje é mais uma variação da batata rösti que já publiquei anteriormente, um prato muito difundido por toda a Suiça, sendo presente nas casas como acompanhamento de carnes de embutidos, ou como um prato mais leve para ser servido com saladas.

Existem diferentes formas de prepará-la, seja com batata cozida ou crua, com diversos recheios. A tradição suiça manda que seja com queijo e bacon. Aqui no Brasil, o prato caiu no gosto da nossa população e ganhou recheios regionais, como carne seca, linguiça calabresa, presunto, carne moída, camarões, mas sempre com queijos!

Espero que gostem desta versão!

Batata rösti de peito de peru com gorgonzola

Ingredientes

500 g de batata pré-cozida ralada em tiras grandes
200 g de gorgonzola ralado
200 g de peito de peru picado
4 colheres (sopa) de azeite extra virgem
1 colher (sopa) de cebola ralada
1 colher (sopa) de alho triturado
1 colher (sopa) de caldo de galinha
½ xícara (chá) de farinha de trigo

Modo de preparo

Em uma frigideira, doure o alho e a cebola no azeite. Junte a batata ralada, a farinha de trigo e o caldo de galinha e reserve.

Prepare o recheio, misturando o gorgonzola ralado com o peito de peru.

Em uma frigideira pequena de teflon, coloque um pouco de azeite e metade das batatas reservadas, acrescente o recheio, espalhando bem, e cubra com o restante das batatas e frite até dourar. Com a ajuda de um prato, vire e frite as batatas do outro lado.

Sirva com salada verde ou legumes cozidos e temperados.

By Joemir Rosa.

Pão recheado gratinado

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12/10/2013 by Joe

Pão recheado

Sábado à noite, amigos reunidos para um bate-papo ou um joguinho de cartas, um bom vinho e um tira-gosto delicioso!

A origem do termo tira-gosto se perde no tempo. A criatividade e os ingredientes disponíveis é que iriam determinar a qualidade e o sabor desses “aceleradores” da fome!

Muitas receitas foram criadas, a maior parte delas dentro de casa, e hoje, com a expansão dos barzinhos e de concursos anuais como o “Comida de Boteco”, é cada vez mais comum encontrarmos pratos bem elaborados, deliciosos!

Pena que os pratos mais clássicos acabam se perdendo no tempo, ou ficando restritos à bares e botecos nas periferias.

O que não podemos negar é que o tira-gosto é mesmo uma presença obrigatória como acompanhamento de uma cerveja bem gelada ou um bom vinho, por exemplo.

Depois de publicar algumas receitas de pratos que funcionam bem como tira-gosto, como os bolinhos de bacalhau, o falafel, a bloomin’ onion, as batatinhas-aperitivo, só pra darmos alguns exemplos, trago uma que também deve agradar a todos os paladares!

Como eu sempre comento, é possível variar os ingredientes das receitas e adaptá-las ao gosto de cada um.

Espero que esta também agrade!

Pão recheado gratinado

Ingredientes

12 cogumelos fatiados
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de tomilho fresco picado
1 pão italiano
200 g de queijo provolone em cubinhos
1/2 xícara manteiga derretida
1/2 xícara cebolinha finamente picada
2 colheres (chá) de gergelin torrado

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno. Corte o pão em xadrez, sem cortar até o fim. Coloque-o em uma assadeira de alumínio. Vá colocando os cubinhos de queijo provolone entre os diversos cortes, usando os dedos para empurrá-los para dentro do pão.

Aqueça uma frigideira média e adicione a manteiga. Quando ela derreter, adicione os cogumelos e deixe cozinhar por uns 4 minutos. Adicione o tomilho e deixe cozinhar mais uns 3 minutos. Feche o fogo e, com a ajuda de uma colher, coloque os cogumelos entre os cortes do pão. Por último, regue o pão com a manteiga derretida. Embrulhe em papel alumínio, coloque na assadeira e asse em forno pré-aquecido a 160 graus por 15 minutos.

Tire o papel de alumínio e leve de volta ao forno por mais 10 minutos, ou até que o queijo esteja derretido e o pão gratinado. Espalhe a cebolinha picada e o gergelim sobre o pão e sirva!

Sugestões: fica ótimo também acrescentar bacon torradinho, azeitonas, tomates picados, alho frito torrado, cebolas ligeiramente fritas. Varie o queijo.

By Joemir Rosa.

Mischa Maisky em “Bach Cello Suite No.1 in G”

Posted in Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 16/06/2013 by Joe

Mischa Maisky

É provável que Bach escreveu suas “Cello Suites” entre 1717-1723, quando ele estava servindo como mestre de capela em Köthen, junto com seus outros triunfos seculares famosos, incluindo os “Concertos de Brandemburgo” e “O Cravo Bem Temperado”. Eles são, sem dúvida, algumas das peças mais emocionalmente intensas no repertório barroco, aproveitando ao máximo a profundidade emocional de um violoncelo solo e utilizando uma ampla gama de técnicas de jogo complexas.

Há seis suites no total, cada um com seis movimentos, cada qual agindo como uma conversa musical – passagens elevadas encontram eco reflexivo em baixo playing, e os acordes densos acompanham delicados floreios ornamentais. O movimento mais famoso, o “Prelude” da Suite No. 1 em G, é um ótimo exemplo da genialidade de Bach, onde não há nenhum acompanhamento, mas a harmonia se desenrola nota por nota como uma viagem musical, com os acordes implícitos sobre o decurso do tempo, em vez de visitados.

Não existem manuscritos sobreviventes de própria mão de Bach, e para os músicos só restou uma cópia escrita por sua segunda esposa, Anna Magdalena. Seu papel como uma escriba levou inclusive alguns historiadores musicais para pintá-la como uma espécie de Bacon de “Shakespeare de Bach”, com a sugestão de que ela mesma escreveu muitas das suites. É, talvez, o mais surpreendente que estas incríveis obras não foram amplamente conhecidas antes de 1900, e foram simplesmente descartados como estudos.

O video de hoje nos traz a apresentação das seis suites, com seus seis movimentos, na interpretação de Mischa Maisky, violoncelista clássico, nascido na Letônia onde estudou no Conservatório de Riga, seguindo depois seus estudos em Leningrado. Aos 17 anos venceu o concurso nacional de violoncelo, e um ano mais tarde foi premiado no Concurso Internacional Tchaikovsky, e começou então a estudar com Rostropovich no Conservatório de Moscou, e a dar uma série de concertos por toda a União Soviética.

Depois de ter estado preso num campo de trabalhos forçados por 18 meses, parte para Israel, onde residiu durante algum tempo, e adquiriu uma nova nacionalidade. Na sua carreira contam-se inúmeros espectáculos nas melhores salas do Mundo como Londres, Paris, Viena, Berlim, Nova Iorque e Tóquio, entre outros.

Em 1985 Mischa tornou-se artista exclusivo da Deutsche Grammophon, e recebeu três prêmios da Academia de Tóquio pelas suas muitas gravações, que incluem por exemplo: as duas Suites para Violoncelo Solo de J.S.Bach, sonatas de Bach e Beethoven, entre outras. Do seu repertório contam-se ainda obras de Schubert, Tchaikovsky e Dmitri Shostakovitch, Brahms, entre outros. Mischa vive agora na Bélgica.

By Joemir Rosa.

Batatinhas aperitivo

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 02/03/2013 by Joe

Batatinhas aperitivo

Dias de calor pedem bebidas geladas para amenizar as altas temperaturas! E, para acompanhar, nada melhor que um delicioso aperitivo, também conhecido como tira-gosto!

A origem do termo tira-gosto se perde no tempo. A criatividade e os ingredientes disponíveis é que iriam determinar a qualidade e o sabor desses “aceleradores” da fome!

Muitas receitas foram criadas, a maior parte delas dentro de casa e hoje, com a expansão dos barzinhos e de concursos anuais como o “Comida de Boteco”, é cada vez mais comum encontrarmos pratos mais elaborados, deliciosos!

Pena que os pratos mais clássicos acabam se perdendo no tempo, ou ficando restritos à bares e butecos nas periferias.

O que não podemos negar é que o tira-gosto é mesmo uma presença obrigatória como acompanhamento de uma cerveja bem gelada, por exemplo.

Já publicamos algumas receitas de pratos que funcionam bem como tira-gosto, como o bolinho de bacalhau, o falafel, a bloomin’ onion, só pra darmos alguns exemplos.

E hoje vamos nos ater a uma receita tradicional de tira-gosto, bem simples, mas muito saborosa!

Batatinhas aperitivo

Ingredientes

1 kg de batata bolinha
2 cebolas pequenas picadas
2 dentes de alho
½ xícara (chá) de azeite
sal a gosto
1 xícara (chá) de azeitonas pretas e verdes
2 colheres (sopa) de orégano
1 pimenta dedo-de-moça sem sementes, picadas

Modo de preparo

Lave bem as batatas e cozinhe-as com a casca em bastante água por 20 minutos ou até ficarem macias.

No liquidificador, bata a cebola, o alho, o azeite e uma pitada de sal, até obter uma pasta. Escorra a batata e, com ela ainda quente, adicione o tempero batido, as azeitonas, o orégano, a pimenta e sal. Mexa bem com cuidado para não quebrar as batatas.

Deixe esfriar, ponha em um recipiente bem fechado e armazene na geladeira até a hora de servir.

Podem ser servidas com salada verde ou como aperitivo.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: