Arquivo para agosto, 2012

Revendo conceitos

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24/08/2012 by Joe

Exigimos perfeição em tudo dos outros. Mas não nos olhamos no espelho, para ver as  nossas imperfeições.

Exigimos um padrão de ética e de moral dos outros. Mas utilizamos sempre da lei de Gerson “para levar vantagem em tudo”.

Exigimos respeito dos outros. Mas não temos, quando paramos nosso carro na vaga de deficientes, quando não paramos para que o pedestre passe na faixa, quando há um idoso em pé e continuamos sentados, etc.

Exigimos gentileza dos outros. Mas no nosso dia a dia, não desejamos um bom dia, uma boa tarde e boa noite, simples palavras que não nos custam nada e que pode ser o diferencial para muitas pessoas.

Exigimos tolerância dos outros. Mas quando nossa paciência é testada, às vezes até por motivos fúteis, reagimos de forma não adequada para a circunstância, atitude que não contribui em nada na resolução da situação.

Afinal, os valores que almejamos como ideais, só existem no mundo das nossas ideias e como metas a serem atingidas somente pelos outros e não por nós?

Tá na hora de rever certos conceitos …

By Mazenildo Feliciano Pereira.

Não parecia eu

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23/08/2012 by Joe

Já deve ter acontecido com você. Diante de uma situação inusitada, você reage de uma forma que nunca imaginou e, ao fim do conflito, se pega pensando: que estranho, não parecia eu. Você, tão cordata, esbravejou. Você, tão explosivo, contemporizou. Você, tão seja-lá-o-que-for, adotou uma nova postura. Percebeu-se de outro modo. Virou momentaneamente outra pessoa.

No filme “Neblinas e Sombras” (não queria dizer que é do Woody Allen pra não parecer uma obcecada, mas é, e sou) o personagem de Mia Farrow refugia-se num bordel e aceita prestar um serviço sexual em troca de dinheiro, ela que nunca imaginou passar por uma situação dessas. No dia seguinte, admite a um amigo que, para sua surpresa, teve uma noite maravilhosa, apesar de se sentir muito diferente de si mesma. O amigo a questiona: “Será que você não foi você mesma pela primeira vez?”

São nauseantes, porém decisivas e libertadoras essas perguntas que nos fazem os psicoterapeutas e também nossos melhores amigos, não nos permitindo rota de fuga. E aí? Quem é você de verdade?

Viver é um processo. Nosso “personagem” nunca está terminado, ele vai sendo construído conforme as vivências e também conforme nossas preferências – selecionamos uma série de qualidades que consideramos correto possuir e que funcionam como um cartão de visitas. Eu defendo o verde, eu protejo os animais, eu luto pelos pobres, eu só me relaciono por amor, eu respeito meus pais, eu não conto mentiras, eu acredito em positivismo, eu acho graça da vida. Nossa, mas você é sensacional, hein!

Temos muitas opiniões, repetimos muitas palavras de ordem, mas saber quem somos realmente é do departamento das coisas vividas. A maioria de nós optou pela boa conduta, e divulga isso em conversas, discursos, blogs e demais recursos de autopromoção, mas o que somos, de fato, revela-se nas atitudes, principalmente nas inesperadas.

Como você reage vendo alguém sendo assaltado: foge ou ajuda? Como você se comporta diante da declaração de amor de uma pessoa do mesmo sexo: respeita ou debocha? O que você faria se soubesse que sua avó tem uma doença terminal: contaria a verdade ou a deixaria viver o resto dos dias sem essa perturbação? Qual sua reação diante da mão estendida de uma pessoa que você muito despreza: aperta por educação ou faz que não viu? Não são coisas que aconteçam diariamente, e pela falta de prática, talvez você tenha uma ideia vaga de como se comportaria, mas saber mesmo, só na hora. E pode ser que se surpreenda: “não parecia eu”.

Mas é você. É sempre 100% você. Um você que não constava da cartilha que você decorou. Um você que não estava previsto no seu manual de boas maneiras. Um você que não havia dado as caras antes. Um você que talvez lhe assombre por ser você mesmo pela primeira vez.

By Martha Medeiros.

Diversidade

Posted in Inspiração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22/08/2012 by Joe

O barato da vida é a diversidade. Pessoas não são iguais, e isso é o que faz este mundo ser tão colorido. Cada um tem o seu papel, seja ele na plateia, no palco ou nos bastidores. Uns nasceram para os holofotes, outros para os camarins. Uns vivem grandes amores, outros conseguem apenas um. Uns continuam com amor, outros irão viver a vida sempre sozinhos. Mas todos são merecedores de qualquer forma de amor.

Uma pessoa por cuidar dos bastidores tem o seu papel tão importante quanto aquela que está no palco representando a peça e ganhando os aplausos. Nem todos serão abastados. Alguns, inclusive, vivem com muito pouco dinheiro, muito pouca beleza externa, pouco ou nenhum poder de atração. Uns brilham facilmente, outros precisam de muita maquiagem, muita purpurina para emanar algum brilho e, às vezes, nem conseguem. Alguns sequer possuirão uma colher de brilho e passam batido e sem destaque. Mas vivem e,  às vezes,  bem melhor, mais em paz.

Existem pessoas tão espontâneas, e que conseguem driblar a vida com tanta facilidade, que viver parece brincadeira. Outros carregam o fardo de suas dores e tudo parece muito difícil. A uns é dada a grandeza da resiliência, a outros é dada a sabedoria, a paciência. Outros possuem inteligência rara. Uns são simples, outros sofisticados,  ambos podem ser elegantes. Uns são da terra, outros são das nuvens. Todos, absolutamente todos, exercem o seu papel insubstituível nesta terra, e a ninguém deverá ser dado o orgulho de se achar melhor.

By Ita Portugal.

Saber ouvir e ser gentil

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 21/08/2012 by Joe

Saber ouvir: podemos dizer que isso é o segredo de uma boa comunicação. Muitas pessoas nos falam que temos dois ouvidos, dois olhos … e só uma boca! E que devemos pensar duas vezes antes de falar ou, ouvir mais!

Isto é verdade. Saber ouvir… críticas: se saber ouvir já é difícil, imagina ficar ouvindo críticas. Ouvir críticas e pensar sobre isso é algo sábio e proveitoso, mas é um exercício que leva tempo e paciência; mas que, com certeza, nos fazem ser pessoas melhores, principalmente num relacionamento interpessoal.

Ser gentil: tenho um amigo judeu que me ensinou isso. Gentileza é um modo de agir, um jeito de ser, uma maneira de enxergar o mundo. Ser gentil, portanto, é um atributo muito mais sofisticado e profundo que ser educado ou meramente cumprir regras de etiqueta. Porque, embora possamos (e devamos) ser educados, a gentileza se trata de uma característica diretamente relacionada com caráter, valores e ética; sobretudo, tem a ver com o desejo de contribuir com um mundo mais humano e eficiente para todos. Ou seja, para se tornar uma pessoa mais gentil é preciso que cada um reflita sobre o modo como tem se relacionado consigo mesmo, com as pessoas, com os amigos, o mundo.

Por que esquecemos de ser gentis?

A rotina nos cega. Pressionados por ideias equivocadas, que nos pressionam a ter sempre mais, a cumprir prazos sem nos respeitarmos, a atingir metas que, muitas vezes, não fazem parte de nossa missão de vida e daquilo em que acreditamos, nos tornamos mais e mais insensíveis. E, nesta insensibilidade, vamos agindo e nos relacionando com as pessoas – mesmo com aquelas que amamos – de forma menos gentil, mais apressada e mais automatizada, sem nem nos darmos conta disso.

É por isso que, a meu ver, ser gentil não pode depender do outro, não pode ser uma moeda de troca. Tem de ser uma escolha pessoal, um entendimento de que podemos fazer a nossa parte e contribuir, sim, para um mundo melhor. Leonardo Boff tem uma frase maravilhosa que resume bem o que quero dizer: “Não serão nossos gritos a fazer a diferença e sim a força contida em nossas mais delicadas e íntegras ações”.

Que benefícios a gentileza nos traz?

Ser gentil é extremamente benéfico quando se entende que a gentileza abre portas, muda o rumo dos conflitos, facilita negociações, transforma humores, melhora as relações, enfim, propicia inúmeras vantagens tanto na vida de quem é gentil, quanto na de quem se permite receber gentilezas.

Como a gentileza interfere no nosso dia-a-dia? Nas relações de trabalho, no amor?

Como disse anteriormente, a gentileza facilita todas as relações. Lembram da vida do Profeta Gentileza, que viveu na cidade do Rio de Janeiro pregando a paz entre as pessoas? Ele tinha uma frase que ilustra muito bem o que chamo de “poder” da gentileza: “Gentileza gera gentileza. Do mesmo modo, o contrário também é verdadeiro. Ou seja, grosserias geram grosserias.”

Pensem nisso!

By Minda Lunichi.

Medos reais e imaginários

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20/08/2012 by Joe

Todos sentimos medo. É normal e é bom, pois o medo é que nos protege da exposição a perigos e nos preserva a vida. Trata-se de uma condição psicológica previsível, desejada e saudável.

No entanto, todos nós ouvimos, em várias fases de nossa vida, conselhos para “não ter medo”. Coisas do tipo: “vou apagar a luz, mas não tenha medo, a mamãe está no quarto ao lado”; “não tenha medo da prova, você vai se sair bem”; “vá para a entrevista e não tenha medo, o entrevistador não morde”. Lembra-se? E quando alguém deseja falar no afirmativo diz: “tenha coragem”, o que não é o mesmo que não ter medo, e sim ter capacidade para enfrentá-lo e vencê-lo.

O medo é definido como um fenômeno psicológico com forte caráter afetivo, marcado pela consciência de um perigo ou de um mal. Mas, preste atenção: o medo nasce do perigo, mas também das incertezas. E nas incertezas pode morar um perigo real, mas o mais provável é que more um perigo imaginário.

Males da modernidade. Vivemos uma era de incertezas e, portanto, do medo escondido nelas. Se você tem sentido os efeitos da desconfiança com relação à política, à economia, à paz mundial, está sofrendo do mesmo mal que milhões de outras pessoas que lêem o jornal ou assistem ao noticiário e são assaltados pelas notícias do desaquecimento da economia, da falta de empregos, da insegurança que não é apenas física, mas também social, moral e emocional. Os medos morais, de perder o emprego, do dinheiro não chegar, da crise aumentar, são até maiores, porque mais presentes do que os medos físicos, dos assaltos, do terrorismo, das epidemias.

Para viver melhor temos que aprender a separar os dois: o medo do perigo do medo da incerteza. E depois disso temos que aprender a lidar com as incertezas, diminuindo seu sentido abstrato. Equivale a dizer: transformar as incertezas em situações conhecidas, portanto, sob controle. Para tanto, aumentar a percepção, a informação, o conhecimento e a cultura geral são os melhores atalhos.

Se você tem medo, por exemplo, de perder o emprego, há coisas que podem ser feitas para diminuir esse medo, pois, pense um pouco, ele habita o território das incertezas.

Se, por outro lado, você tem certeza que está fazendo tudo o que pode, da melhor maneira possível, para atender às necessidades de sua empresa, não precisa ter medo. Mais do que isso: se você tem certeza que está ajudando sua empresa a atender às exigências do mercado também da melhor forma possível, seu medo será ainda menos consistente.

No entanto, digamos que, apesar de fazer o melhor pela empresa e a empresa fazer o melhor pelo mercado, ainda assim você perdeu o emprego. É hora de acionar outra certeza: a de que você fez o melhor pelo seu emprego, mas fez mais ainda pela sua empregabilidade. Atualização, comunicação, flexibilidade, contatos, saúde, cultura abrangente. Pronto, o mundo continua conturbado e injusto, mas não é mais uma imensa incerteza, pois sempre haverá espaço para pessoas preparadas, capazes e autoconfiantes.

Robinson Crusoe, amadurecido por sua experiência, isolado na ilha, teria comentado com o amigo Sexta-Feira: “se há uma coisa que aprendi aqui, é que o medo do perigo é sempre muito maior do que o próprio perigo”.

Não podemos simplesmente não ter medo. Seria imprudência. Mas podemos desenvolver a coragem para lidar com ele. E o aumento da consciência, da verdadeira noção da realidade, sobre nós e sobre o mundo atual, creia, é o melhor caminho.

By Eugênio Mussak.

Vida Maria

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 19/08/2012 by Joe

“Enquanto fizermos o que sempre fizemos, vamos continuar obtendo os mesmos resultados que sempre obtivemos!”

Essa frase, longe de ser apenas uma frase feita, implica em uma grande e terrível realidade: a vida no piloto automático!

Todos nós, em alguns momentos de nossas vidas – pra não dizer numa vida inteira! – reclamamos do nosso trabalho, da rotina, dos nossos relacionamentos, da nossa família, enfim, da vida de sempre!

E a pergunta é simples: se a rotina incomoda, por que não mudar isso?

A resposta nem sempre é tão simples assim. Muita gente simplesmente não tem consciência de que vive num eterno “piloto automático”, outros acham que “a vida é assim mesmo”, ou que a vida “é porque Deus quer assim” e um monte de outras desculpas.

No video abaixo, um curta metragem produzido em computação gráfica 3D e finalizado em 35mm, nos mostra personagens e cenários modelados com texturas e cores pesquisadas e capturadas no sertão cearense, no nordeste do Brasil, criando uma atmosfera realista e humanizada. Nele fica clara a eterna rotina da vida sem consciência, sem opções, sem escolhas.

Numa análise macro, podemos inferir que, mesmo em outros meios sociais, em outras condições, as pessoas também vivem dessa forma, sem uma consciência maior da vida que levam, das possibilidades, das escolhas e, principalmente, da falta de coragem de ousar, de partir para uma mudança de vida!

O vídeo ganhou prêmios e vem sendo divulgado em escolas, empresas e palestras motivacionais!

Ficha Técnica:

Gênero: Animação
Diretor: Márcio Ramos
Duração: 9 minutos
Bitola: 35mm
Ano: 2006
País: Brasil
Local de Produção: Ceará
Cor: Colorido
Sinopse: Maria José, uma menina de 5 anos de idade, é levada a largar os estudos para trabalhar. Enquanto trabalha, ela cresce, casa, tem filhos, envelhece.

By Joemir Rosa.

 

 

 

Pavê de leite em pó

Posted in Receitas with tags , , , , , , , , , , , , , , on 18/08/2012 by Joe

De origem francesa, este doce gelado e montado em camadas agrada aos mais diversos paladares. Dizem que o seu nome vem de “piso” ou “pavimento” porque o doce é montado em camadas, assim como na construção civil.

Tal qual as pizzas, não há quem não goste deste doce; pode até não gostar de algum ingrediente, mas aí é só trocar por outro e tudo fica bem.

E assim como as pizzas também, todo mundo tem sua receita de família de um bom pavê. Confesso que conheço algumas receitas que levam até o nome de uma tia, da mãe ou da avó. E as formas de serem servidas também variam, podendo ser montadas em refratários, taças, ou mesmo fora de qualquer forma.

A única coisa que não combina com o pavê é aquela velha frase infame que sempre alguém diz na hora de servir: “é pavê ou pacomê?”

Bom … vamos a uma receita deliciosa que, aposto, muita gente vai gostar.

Pavê de leite em pó

Ingredientes

1/2 xícara (chá) de leite
2 xícaras (chá) de leite em pó
1/2 xícara (chá) de açúcar
3/4 de xícara (chá) de sumo de limão
1 lata de creme de leite sem soro, gelado (reserve o soro)
1 colher (sopa) de raspas de casca de limão
1 pacote de biscoitos de coco
200 g de bolinhas de chocolate branco e preto, misturadas

Modo de preparo

No liquidificador, bata o leite, o leite em pó, o açúcar e o sumo de limão. Misture o creme de leite e as raspas de casca de limão. Leve à geladeira por 30 minutos.

Utilize o soro do creme de leite para umedecer os biscoitos.

Na hora de montar, alterne, em um refratário ou em taças, camadas de biscoitos umedecidos, camada de bolinhas de chocolate e camadas do creme gelado. Por último, decore com mais bolinhas de chocolate.

Sugestão: você pode também usar outros biscoitos de sua preferência ou sobras de bolo.

By Joemir Rosa.

%d blogueiros gostam disto: