Arquivo para 18/07/2010

Taiguara

Posted in Música with tags , , , , , , , , , , on 18/07/2010 by Joe

A intenção do post de hoje é, através da história de um grande artista, compositor e poeta, Taiguara, dar uma rápida visão de como as coisas aconteciam no período da ditadura militar no Brasil, um triste período de nossa história que temos a obrigação de jamais deixar que aconteça novamente em nosso país.

Taiguara Chalar da Silva (Montevidéu, 9 de outubro de 1945 – São Paulo, 14 de fevereiro de 1996) foi um cantor e compositor brasileiro, embora nascido no Uruguai durante uma temporada de shows de seu pai, o bandoneonista e maestro Ubirajara Silva.

Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1949 e para São Paulo, posteriormente, em 1960. Largou a faculdade de Direito para se dedicar à música. Participou de vários festivais e programas da TV, e fez muito sucesso nas décadas de 60 e 70. Autor de vários clássicos da MPB, como “Hoje”, “Universo do teu corpo”, “Piano e viola”, “Amanda”, “Tributo a Jacob do Bandolim”, “Viagem”, “Berço de Marcela”, “Teu sonho não acabou”, “Geração 70” e “Que as crianças cantem livres”, entre outros.

Considerado um dos símbolos da resistência à censura durante a ditadura militar brasileira, Taiguara foi um dos compositores mais censurados na historia da MPB, tendo cerca de 100 canções vetadas. Os problemas com a censura eventualmente levaram Taiguara a se auto-exilar na Inglaterra em meados de 1973. Em Londres, estudou no Guildhall School of Music and Drama e gravou “Let the children hear the music”, que nunca chegou ao mercado, tornando-se o primeiro disco estrangeiro de um brasileiro censurado no Brasil.

Em 1975, voltou ao Brasil e gravou “Imyra, Tayra, Ipy – Taiguara” com Hermeto Paschoal, participação de músicos como Wagner Tiso, Toninho Horta, Nivaldo Ornelas, Jacques Morelenbaum, Novelli, Zé Eduardo Nazário, Ubirajara Silva e uma orquestra sinfônica de 80 músicos. O espetáculo de lançamento do disco foi proibido e todas as cópias foram recolhidas pela ditadura militar em poucos dias.

Taiguara, decepcionado com a situação do seu país, se auto-exilou por uma segunda vez. Desta vez o silêncio durou muitos anos. E o disco nunca mais foi editado em nossa terra, apesar dos apelos e dos protestos do próprio Taiguara, de toda a classe artística e dos fãs.

Os anos passaram e a censura perdurou. Boatos e comentários de que a gravadora teria anunciado que a matriz do disco tinha se perdido em sua trajetória para Londres, foram desmentidos por gravações de coletâneas, que incluíam “Aquarela de um país na lua” e “Situação”, duas faixas da obra censurada. Um colunista brasileiro chegou a denunciar o fato, sem muita repercussão. A censura continuou.

Em 2002 … a surpresa! O disco “Imyra, Tayra, Ipy – Taiguara” foi remasterizado e editado em CD e colocado à venda no Japão. O boato da perda da matriz se desfez e aumentou ainda mais a indignação. O disco continuou a ser, de certo modo, censurado, pois permaneceu, após quase três décadas, fora do alcance do povo brasileiro.

Entre 2004 e 2005, o Brasil ganhou uma briga na OMC – Organização Mundial do Comércio, pela ‘patente’ do “cupuaçu”, uma fruta tipicamente do nosso país, herança de nossos irmãos indígenas brasileiros, pretendida pelo mesmo país asiático.

E a obra-prima feita pela alma de um artista para o seu povo, brasileiro e latino americano, continuou sendo censurada. Mas o caminho da censura fascista ficou claro: primeiro por uma ditadura militar, depois por uma multinacional e, no século 21, por uma corporação transnacional. É a própria transformação e mudança de forma da propriedade privada.

Taiguara faleceu em 1996 devido a um persistente câncer na bexiga.

Neste video, Taiguara, no show “Treze Outubros”, conta uma passagem sobre seu contato com uma das censoras nos tristes tempos de ditadura. O relato se refere à canção “Nova York”, coisa que não fica muito clara no video. O problema com a censura foi a palava “polícia”, entres as outras “pó” e “poluição”.

Citando a necessidade de preservar o recurso poético utilizado, a aliteração, Taiguara sugere cantá-la, então, em inglês, desde que a letra da canção, de fato, se refere à cidade de Nova York. A censora permite, assim, que a canção seja liberada, embora foneticamente o trecho, mesmo com a palavra registrada em inglês, possui o mesmo som que o original – “o pó, a policia (*police) e a poluição” – proporcionando assim, o mesmo óbvio resultado.

Após o relato, Taiguara, ao piano, canta a bela “Que as criancas cantem livres”. Vale a pena ver e ouvir!

Veja aqui outros videos com os maiores sucessos de Taiguara.

By Joe.

%d blogueiros gostam disto: