Arquivo para agosto, 2009

Lei Maria da Penha

Posted in Atualidade with tags , , , , on 24/08/2009 by Joe

Maria da PenhaEm vigor, ela garante mecanismos de defesa mais abrangentes para mulheres vítimas de violência doméstica.

Promulgada em 7 de agosto de 2006 e em vigor desde setembro do mesmo ano, a Lei 11.340/06 ganhou o apelido de Lei Maria da Penha em homenagem à biofarmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes.

É uma lei especial para ser aplicada em casos de violência doméstica e garante mecanismos especiais às mulheres vítimas de agressão pelo marido ou parceiro.

A Lei impede, por exemplo, o encaminhamento do processo ao Juizado Especial – onde muitos dos casos acabam com o agressor pagando cestas básicas.

Também aumenta a pena para o agressor: antes, estabelecida de 6 meses a um ano, passa a ser de três meses a três anos.

Entre outros direitos especiais da Lei, estão a exigência da abertura de processo em caráter urgente, a inclusão da mulher em serviços de proteção e a garantia de acompanhamento por um policial caso a vítima precise ir à sua casa buscar seus pertences.

Além disso, a lei permite ao juiz impor ao agressor restrições imediatas, como perda do porte de arma e proibição de se aproximar da vítima ou dos filhos do casal.

Conheça a história de Maria da Penha, a mulher que lutou por quase 20 anos para ver seu agressor na cadeia e deu nome à lei especial contra a violência doméstica.

Maria da Penha Maia Fernandes, biofarmacêutica cearense, hoje com 61 anos, fez da sua tragédia pessoal uma bandeira de luta pelos direitos da mulher e batalhou durante 20 anos para que a justiça fosse feita.

O seu agressor, o professor universitário de economia Marco Antonio Herredia Viveros, era também o seu marido e pai de suas três filhas. Na época ela tinha 38 anos e suas filhas idades tinham 6 e 2 anos.

Na primeira tentativa de assassinato, em 1983, Viveros atirou em suas costas enquanto ela ainda dormia, alegando que tinha sido um assalto. Depois do disparo, foi encontrado na cozinha, gritando por socorro. Dizia que os ladrões haviam escapado pela janela.

Maria da Penha foi hospitalizada e ficou internada durante quatro meses. Voltou ao lar paraplégica e mantida em regime de isolamento completo. Foi nessa época que aconteceu a segunda tentativa de homicídio: o marido a empurrou da cadeira de rodas e tentou eletrocutá-la embaixo do chuveiro.

Herredia foi a júri duas vezes: a primeira, em 1991, quando os advogados do réu conseguiram anular o julgamento. Já na segunda, em 1996, o réu foi condenado a dez anos e seis meses, mas recorreu.

Com a ajuda de diversas ONGs, Maria da Penha enviou o caso para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA), pela demora injustificada em não se dar uma decisão ao caso.

Após as tentativas de homicídio, Maria da Penha começou a atuar em movimentos sociais contra violência e impunidade e hoje é coordenadora de Estudos, Pesquisas e Publicações da Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV) no Ceará.

A história de Maria da Penha pode ser conhecida na biografia que escreveu em 1994, intitulada “Sobrevivi … Posso contar”.

Hoje ela atua junto à Coordenação de Políticas para as Mulheres, da Prefeitura de Fortaleza, e é considerada símbolo contra a violência doméstica e batizou a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, sancionada pelo presidente Lula, no dia 7 de agosto de 2006.

Vamos divulgar a Lei Maria da Penha!

Podemos ajudar alguém que esteja sofrendo violência doméstica e não sabe o que fazer.

Texto atribuído a Priscila Valdes.

Quem dobrou o seu paraquedas hoje?

Posted in Reflexão with tags , , on 23/08/2009 by Joe

Paraquedas 1Charles Plumb era piloto de um avião bombardeiro na guerra do Vietnã. Depois de muitas missões de combate, seu avião foi atingido por um míssil. Plumb saltou de paraquedas, foi capturado e passou seis anos numa prisão norte-vietnamita.

Ao retornar aos Estados Unidos, passou a dar palestras relatando sua odisséia e o que aprendera na prisão.

Certo dia, num restaurante, foi saudado por um desconhecido:

– Olá, você é Charles Plumb, não? Era piloto no Vietnã, foi atingido e teve de saltar de paraquedas, não é mesmo?

– Sim, mas como sabe? – perguntou Plumb.

– Fui eu quem dobrou o seu paraquedas. Parece que funcionou bem, não é verdade?

Plumb quase se afogou de surpresa e com muita gratidão respondeu:

– Claro que funcionou, caso contrário eu não estaria aqui hoje! Muito obrigado!!!

Mais tarde, já sozinho, Plumb não conseguia dormir, pensando e perguntando-se:

“Quantas vezes vi esse homem no porta-aviões e nunca lhe disse sequer um ‘bom dia’? Eu era um piloto arrogante e ele um simples marinheiro”.

Pensou também nas horas que o marinheiro passou humildemente no barco enrolando os fios de seda de vários paraquedas, tendo em suas mãos a vida de alguém que não conhecia.

Agora, Plumb inicia suas palestras perguntando à sua plateia:

Quem dobrou seu paraquedas hoje?

Todos temos alguém cujo trabalho é importante para que possamos seguir adiante. Precisamos de muitos paraquedas durante o dia: um físico, um emocional, um mental e até um espiritual.

Às vezes, nos desafios que a vida nos apresenta diariamente, perdemos de vista o que é verdadeiramente importante e as pessoas que nos salvam no momento oportuno sem que lhes tenhamos pedido. Deixamos de saudar, de agradecer, de felicitar alguém ou ainda, simplesmente, de dizer algo amável.

Que tal a partir de hoje procurarmos nos dar conta de quem prepara nosso paraquedas de cada dia e agradecer-lhe? Ainda que não tenhamos as melhores palavras ou algo de importante a dizer, diga, ao menos, um “bom dia”, “obrigado”, “por favor”, de um sorriso …

As pessoas ao teu lado notarão esses gestos e te retribuirão preparando o teu paraquedas com o mesmo cuidado e afeto. Com certeza, se todos nós, a cada momento, nos preocuparmos com os paraquedas dos próximos, todos lucraremos. Todos precisamos uns dos outros… agradeça sempre!

Autoria desconhecida …. mas agradeço pela linda mensagem que nos alertou sobre como podemos viver melhor e em harmonia com todos!

Arroz doce

Posted in Receitas with tags , , , on 22/08/2009 by Joe

Arroz doceApesar da origem ser atribuída aos nossos patrícios, o arroz cozido em leite e açúcar tem registros que datam do século VI a.C. A chegada da cana-da-índia ao Oriente Médio, onde já se cultivava o arroz, marca a origem desta deliciosa sobremesa que resiste ao tempo e chega até nossos dias.

Em Portugal, essa sobremesa é obrigatória nos dias de festas de todos os tipos, há muito tempo. Por ser conhecido como “arroz-de-festa”, deu origem à referência que se faz a pessoas que estão em todos os eventos possíveis.

Presente nas mesas de todo o mundo, por aqui não foi diferente e marca a lembrança da infância de muita gente como uma das merendas mais comuns nas escolas de todo o Brasil, ou preparado pelas nossas avós!

Uma rápida pesquisa e encontraremos as mais diversas variações de receitas: com calda de chocolate, coco ralado, vinho, doce de leite, amendoim torrado, cachaça, queijo minas, etc, etc, etc., o que nos faz chegar à conclusão que cada um encontrou uma fórmula diferente de prepará-lo, de acordo com seu gosto e talento.

Até em New York essas variações todas foram compiladas em um lugar exótico chamado Rice to Riches (www.ricetoriches.com), onde a especialidade é, exatamente, o Rice Pudding, como é chamado na língua inglesa. Por lá é possível experimentar diversas combinações com frutas da estação, sem conservantes ou corantes artificiais, desde as mais simples (coco, baunilha, framboesa) até as mais sofisticadas, em porções que podem ser servidas quentes ou geladas.

Tradicionalmente, o arroz doce português – que é o mais popular no Brasil – tem preparo bem simples, à base de arroz, açúcar e leite, aromatizado com canela e raspas de limão.

Entre as várias receitas que conheço, destaco a que segue, por sua facilidade e cremosidade final.

Arroz Doce

Ingredientes

2 xícaras (chá) de arroz
4 xícaras (chá) de água
1 pitada de sal
2 gemas de ovos
2 litros de leite
aparas de casca de limão
canela em pau
1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
1 xícara (chá) de açúcar
canela em pó

Modo de preparo

Em uma panela coloque o arroz com a água, a pitade de sal e cozinhe em fogo baixo até a água secar. Misture as gemas no arroz, deixando impregnar bem. Leve ao fogo baixo com quatro xícaras de leite, as aparas de casca de limão e a canela em pau.

Vá acrescentando o leite aos poucos, deixando o arroz cozinhar bem até ficar cremoso. Nesse ponto, acrescente o leite condensado, o creme de leite e acerte o açúcar ao seu gosto, misturando bem.

Coloque em vasilhas pequenas, salpicando com canela em pó.

Dica: o açúcar deve ser colocado por último para que a química do doce fique perfeita e no ponto certo.

By Joe.

Jogo sujo de poder

Posted in Relacionamentos with tags , , , , , , on 21/08/2009 by Joe

Prisão ou liberdade?Existem pessoas que dizem amar, mas na verdade cometem práticas totalitárias e ditatoriais contra o ser amado. Suprimem a liberdade do ser amado.

Querem que o outro preste contas dos seus atos, e que faça um relatório até do que possa estar pensando.

Exigem que o outro altere seus planos de vida, isole-se do mundo, renegue suas convicções, abandone os seus desejos, afaste-se dos amigos e destrua a própria personalidade.

Existem pessoas que controlam o ser amado de uma forma irracional. Se pudessem, instalariam câmeras de vídeo no coração do ser “amado”. Viram carcereiros.

Desrespeitam a privacidade do ser amado. Vigiam.

Jogam o jogo sujo do poder, praticam chantagem emocional, agarram, prendem, oprimem, sufocam.

E chamam isso de amor …

By Edson Marques.

Sinalização

Posted in Reflexão with tags , , , , , , , , on 20/08/2009 by Joe

SinalizaçãoLembre-se: na vida, há sempre muitas placas de sinalização. É fundamental estar atentos a essas placas, pois elas orientam nossa caminhada. Não adianta tentar destruí-las, trocá-las de lugar, nem fingir que não as vemos.

A vida sempre nos avisa quando estamos no caminho errado. Às vezes, no entanto, nossa inconsciência nos impede de perceber o que estamos fazendo conosco mesmos.

Adianta insistir em ir de São Paulo ao Rio de Janeiro pela rodovia Fernão Dias, que leva a Minas Gerais? É claro que não! Mas quantas vezes vemos isso acontecer com um motorista?

Ele está lá, concentrado no volante, e as placas, durante o tempo todo, apontam a distância que falta para chegar a Belo Horizonte. Nem uma só vez aparece a distância que falta para chegar ao Rio de Janeiro. Mas ele segue em frente até que, de repente, a ficha cai:

– Puxa! Peguei a estrada errada!

Quantas vezes você fez algo parecido com sua vida?

Você afundou o pé no acelerador e foi em frente. As placas de sinalização mostravam que estava na direção errada, mas você nem percebeu os sinais. Insistiu naquela estrada sem se dar conta de que estava entrando numa fria. Quando, enfim, percebeu que havia tomado o rumo errado, você ficou extremamente irritado e precisou pegar o primeiro retorno que encontrou.

É sem dúvida raro o fato de que alguém permaneça dirigindo em uma estrada de rodagem errada por muito tempo, mas há quem fique eternamente em um caminho de vida que não lhe traz felicidade. Muitas placas mostram o caminho errado, mas a pessoa continua insistindo. Os filhos avisam, a insônia avisa, a vontade de beber, que cresce dia após dia, avisa … Mas ela permanece naquele caminho como um robô teleguiado. Ignora os sinais da vida e procura justificar seu comportamento.

Existe um comportamento ainda pior: a destruição das placas de sinalização. É como se o viajante destruísse todas as placas que indicam que está a caminho de Belo Horizonte. Prefere destruí-las a parar e perguntar. Afasta-se dos verdadeiros amigos, que o avisam sobre o caminho errado, afasta-se do filho, que insiste em lhe mostrar que não está bem, isola-se do mundo, abandona a terapia. Lembre-se: a destruição das placas não elimina a dificuldade de criar felicidade em sua vida!

Certa vez, um amigo meu se apaixonou por uma mulher totalmente destrutiva cujo único interesse era apropriar-se do dinheiro dele. A família e os amigos, eu inclusive, tentamos alertá-lo sobre o caráter da moça. Ele se distanciou de todos.

Depois de algum tempo, já um pouco desconfiado de que havia algo errado, contratou um detetive que grampeou o telefone da moça e gravou suas conversas. Em uma delas, falando com uma amiga, a namorada revelou que não o amava e que, depois de pegar todo o dinheiro dele, passaria a viver com outro. Quando meu amigo me mostrou essa fita, pensei que deixaria a moça. Mas minhas esperanças foram vãs. Depois de alguns dias, ele começou a dar justificativas para a conversa da namorada. Teve muitas dores de cabeça até conseguir separar-se dela.

Esse é o caso típico de alguém que está no caminho errado, quebra as placas e passa a justificar sua infelicidade. Cuidado!

É claro que, quando você decide trilhar um caminho, é importante escolhê-lo bem e manter-se nele com persistência. Se você, porém, perceber que está no caminho errado, será melhor mudar de rota. Faça o retorno mais próximo e comece tudo de novo! É muito mais proveitoso fazer isso do que seguir sofrendo eternamente.

Lembre-se: na vida, há sempre muitas placas de sinalização. São enxaquecas ou insônias freqüentes, distúrbios alimentares, dificuldades sexuais, pessoas que se aproximam ou se afastam, brigas eternas no casamento, um filho que apresenta problemas de desenvolvimento emocional, enfim, uma infinidade de ocorrências – algumas aparentemente banais, outras avassaladoras – que nos oferecem indícios do caminho que estamos trilhando.

É fundamental estar atentos a essas placas, pois elas orientam nossa caminhada. Não adianta tentar destruí-las, trocá-las de lugar, nem fingir que não as vemos. Todas essas são tentativas infantis de nos iludir, pois, se estivermos seguindo um caminho que não leva à plenitude, os avisos se tornarão cada vez mais freqüentes e intensos. No começo, sentimos uma angústia que se transforma em insônia e, de repente, torna-se depressão.

E não adianta adiar o momento de mudar de estrada. Por mais que tentemos destruir os sinais, eles continuarão a aparecer à frente até tomarmos uma decisão e escolhermos outro rumo.

By Roberto Shinyashiki, psiquiatra e consultor organizacional. Autor dos livros: A Revolução dos Campeões e O Sucesso É Ser Feliz (Editora Gente), entre outros.

A revolta dos porcos selvagens

Posted in Atualidade with tags , , , , , on 19/08/2009 by Joe

Revolta dos Porcos“Os porcos (capitalistas) selvagens estavam mansos: eles mamavam tranquilamente nas tetas da Grande Porca desde a revolução dos bichos, que ocorrera há 30 anos. Era a Grande Porca também que, generosamente, permitia que os porcos (capitalistas) selvagens escravizassem porcos menores, que pouco cresciam por falta de alimentação, e eram mantidos permanentemente presos nas jaulas invisíveis da ignorância, por lhes ser negado o acesso à educação.

Esses porcos menores serviam aos porcos selvagens para tarefas que estes não queriam fazer, como por exemplo, qualquer coisa que envolvia um trabalho duro. Quando alguns porcos menores tentavam se rebelar eram duramente reprimidos por Porcos de Elite, um outro grupo de porcos que também eram mal alimentados pelos porcos selvagens mas que conseguiam um suprimento extra de espigas roubando de outros porcos menores, sob o olhar conivente da Grande Porca.

Um dia, a Grande Porca morreu de velha e uma nova Porca tomou seu lugar. Essa Porca, que um dia havia sido uma porca menor e conhecia o sofrimento, deu suas tetas para os porcos menores, para desespero do porcos selvagens. Os porcos cada vez mais selvagens tentaram de tudo para enviá-la para fora do chiqueiro: grunhiram, morderam, caluniaram … mas quando o momento chegou, os porcos pequenos a protegeram e a mantiveram no poder.

Agora os porcos (capitalistas) selvagens andam por aí, acusando a Grande Porca do crime hediondo de alimentar os porcos menores, enquanto sonham com a volta das jaulas e de uma nova velha Grande Porca que um dia possa cobri-los novamente de pérolas …”

By Antonio Solé-Cava, professor da UFRJ.

Capturando porcos selvagens

Posted in Atualidade with tags , , , , , , , , , , , , , on 18/08/2009 by Joe

ArmadilhaAs histórias sobre o comunismo, socialismo e totalitarismo estão repletas de exemplos que comprovam a sua inutilidade. A mais recente comprovação foi de Nicolas Sarkozy, Presidente eleito da França: “Não se pode criar impostos para estimular aquele que cobra do Estado sem trabalhar. Querer viver sem obrigações e gozar sem trabalhar é impossível”.

E o que estão fazendo certos presidentes na América do Sul?

Uma história comprova a voracidade do poder sobre a população embriagada pelas promessas de viver sem obrigações e gozar sem trabalhar.

“Um dia, o professor de química de um grande colégio, enquanto a turma estava no laboratório, percebeu um jovem que coçava continuamente as costas e se esticava como se elas doessem.

Ao ser questionado, o aluno respondeu que tinha uma bala alojada nas costas, pois tinha sido alvejado quando lutava contra os comunistas de seu país que estavam tentando derrubar o governo e instalar um novo regime, um “outro mundo possível”.

No meio do relato ele olhou para o professor e perguntou:
 
– “O senhor sabe como se capturam porcos selvagens”?

– “Não”, respondeu o professor.

– “Você captura porcos selvagens encontrando um lugar adequado na floresta e colocando algum milho no chão. Os porcos vem todos os dias comer o milho gratuito.

Quando eles se acostumam a vir todos os dias, você coloca uma cerca. Mas só de um lado do lugar onde eles se acostumaram a vir. Quando eles se acostumam com a cerca, eles voltam para comer o milho e você coloca o outro lado da cerca. Mais uma vez eles se acostumam e voltam para comer.

Você continua assim até colocar os quatro lados da cerca em volta deles, com uma porta no último lado. O porcos, que já se acostumaram ao milho fácil e às cercas, continuam a vir. Você, então, fecha a porteira e captura o grupo todo. Assim, em um segundo, os porcos perdem a liberdade, ficam dando voltas dentro da cerca, porém logo voltam a comer o milho fácil e gratuito e esquecem de como teriam que caçar na floresta e aceitam a servidão.

O jovem, então, disse ao professor que era isso o que ele via acontecer em seu país. O governo ficava empurrando o povo para o comunismo e o socialismo, espalhando o milho gratuito, na forma de propagandas de auxílio de renda, bolsas isso e aquilo, impostos variados, estatutos de proteção, cotas para estes e aqueles, subsídio para todo tipo de coisa, programas de bem-estar social, medicina e medicamentos gratuitos, novas leis, novos impostos e assim por diante até a perda contínua da liberdade. Migalhas a migalha …

Quando será que vamos acordar e perceber que toda essa maravilhosa “ajuda” governamental se opõe ao futuro da democracia em nosso país?

O milho já está sendo colocado faz tempo; as cercas estão sendo colocadas aos poucos; imperceptivelmente …

E quando menos se espera … pronto!! Trancam a porteira!!!”

Até quando aceitaremos o milho e a cerca?

Desconheço a autoria do texto mas sabemos bem que está colocando a cerca e espalhando o milho!

%d blogueiros gostam disto: